colunistas

Marina entra no jogo

Candidata enfim define estratégia à altura de seu potencial

Marcos Nobre
29ago2018_07h00

Parte relevante do eleitorado busca já há algum tempo escapar da alternativa PT-PSDB. Em 2010 e 2014, esse papel de escape coube a Marina Silva. Nos dois casos, terminou em terceiro lugar, com uma votação próxima de 20%.

A partir de 2014, as preferências de voto no PSDB se mostraram muito menos sólidas do que as do PT. E isso antes mesmo das revelações que tornaram Aécio Neves um morto-vivo político. O desejo de romper a alternativa ameaça muito mais a posição do PSDB no segundo turno do que a do PT. Porque o PT tem uma impressionante fortaleza de votos chamada Lula. Daí que a eleição acabe se estruturando nos polos Lula e anti-Lula, muito mais do que PT e PSDB.

A última eleição foi marcada por uma grande reviravolta. Marina Silva só assumiu a cabeça da chapa após a trágica morte, em 13 de agosto, de Eduardo Campos, então principal desafiante da alternativa PT ou PSDB. Formou-se ali uma onda pró-Marina e a candidata ultrapassou Aécio Neves nas pesquisas já no final de agosto. Chegou a empatar com Dilma Rousseff em 34%, deixando Aécio em terceiro, com apenas 15%. O candidato do PSDB ainda teve tempo de reagir. Ultrapassou Marina novamente às vésperas do primeiro turno e foi ao segundo turno contra Dilma.

São muitos os fatores que podem explicar como e por que essa dupla reviravolta aconteceu. O principal foi a campanha negativa contra Marina realizada pela candidatura Dilma. Sem tempo nem recursos à altura para responder, Marina perdeu intenção de voto para Aécio na mesma proporção em que havia conquistado ao longo dos quarenta dias anteriores.

Mas Marina não perdeu intenção de voto apenas para Aécio. A campanha do PT a elegeu como principal adversária a ser atacada porque ela representava a mais efetiva ameaça à reeleição de Dilma Rousseff. Marina tinha mostrado então uma característica muito especial: era a única desafiante capaz de penetrar na fortaleza eleitoral petista erguida desde a eleição de 2006, coisa que o PSDB jamais esteve em condições de fazer.

Uma das muitas incógnitas da eleição deste ano estava em saber se a campanha negativa feita pelo PT contra Marina em 2014 teria confinado definitivamente a candidata da Rede a disputar apenas os votos anti-Lula. O detalhamento das pesquisas até agora mostra que isso é apenas parcialmente verdadeiro. Mostra que o muro erguido pela campanha de Dilma na última eleição para impedir Marina de chegar ao eleitorado vermelho não ficou inteiramente de pé. Em uma eleição apertada como a deste ano, aberturas, rachaduras e buracos nesse muro podem definir um lugar no segundo turno.

A tendência é que a grande maioria dos votos em Lula migre para Fernando Haddad. Mas haverá certamente vazamentos nessa operação de transferência eleitoral. Sabe-se, por exemplo, que algo como 40% do eleitorado de Lula não aceita Haddad. Marina continua a se sair bem quando o nome do ex-presidente é retirado do cenário, dobrando sua intenção de votos. Ciro mostra a mesma evolução sem Lula. Mas aqui a vantagem de Marina em relação a Ciro é incomparável.

Segundo o Datafolha, com a retirada de Lula, indecisos, brancos e nulos dobram, passando de 14% para 28%. Esse contingente atinge porcentagens ainda maiores quando se considera o eleitorado do Nordeste, feminino, que foi até o ensino fundamental e que ganha até dois salários mínimos. Ocorre que essa é exatamente a parcela do eleitorado em que Marina se sai melhor em um cenário sem Lula. Nesse cenário, Ciro consegue melhorar sua intenção de voto no Nordeste, mas não nos demais estratos. É a candidata da Rede que tem aqui um efetivo potencial de crescimento.

Ainda que com muito atraso, Marina parece ter finalmente definido uma estratégia de campanha e tomado atitudes compatíveis com esse potencial revelado desde a eleição de 2014. A eleição deste ano é marcada pela luta para manter ou reconquistar as reservas de votos que já se tem ou que já se teve um dia. Isso obriga quem está atrás nas pesquisas a lutar por votos de outras candidaturas nos mesmos nichos eleitorais. Mas, diferentemente de Ciro ou Alckmin, a candidatura de Marina parece ser a única a não estar presa por essa camisa de força da atual campanha. Tem potencial para crescer para além do eleitorado a que se viu confinada na eleição de 2014.

Este ano, os candidatos têm problemas muito mais prementes do que atacar Marina. Haddad tem de tentar garantir a transferência dos votos de Lula. Alckmin tem de tentar retomar de Bolsonaro as reservas de votos que um dia foram dele e do PSDB. Ciro está encurralado pela fortaleza de votos de Lula, sem ter para onde crescer.

Além disso, a reviravolta foi possível em 2014 porque Marina deslanchou cedo como a grande desafiante do lulismo. A campanha de Dilma contra ela dispôs de um mês para alcançar seu efeito e fazer refluir a onda, reabastecendo indiretamente o tanque eleitoral de Aécio. Na eleição deste ano, o tempo para esse tipo de manobra e de reviravolta foi drasticamente reduzido.

O PT não terá nem de longe o mesmo tempo de tevê e as alianças que teve em 2014. E a prioridade absoluta agora é promover Haddad, não há como desviar recursos desse objetivo para tentar bloquear Marina. Além disso, sua eventual subida nas pesquisas aparecerá bem mais tarde na corrida do que em 2014, de maneira que o efeito de campanhas negativas contra ela – não apenas por parte do PT, mas também por parte de outras candidaturas – dificilmente será alcançado até o primeiro turno.

Ao mesmo tempo, Marina tem contra si a penúria de recursos. Não tem máquina eleitoral, tem pouco dinheiro e pouco tempo de tevê. Mais grave, esses recursos parecem essenciais justamente para conseguir chegar àquela parte da fortaleza lulista que pode fazer a diferença. Mas em duas ou três semanas será possível saber se essa estratégia eleitoral bem traçada terá sido capaz de se sobrepor a todos esses evidentes obstáculos.

PS.: O Nexo Jornal prestou um excelente serviço de detalhamento do perfil do eleitorado de cada candidatura a partir da mais recente pesquisa do Datafolha. São gráficos bastante claros e informativos que podem ser encontrados neste link.

 

Marcos Nobre

É professor de filosofia da Unicamp e autor de Imobilismo em Movimento, pela Companhia das Letras, e Como nasce o novo, pela Todavia

Mais textos de Marcos Nobre

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

O tudo ou nada de Alckmin

Tucano tem de saber aproveitar bem o momento de fragilidade de Bolsonaro

A fortaleza de Lula

Como o ex-presidente pretende evitar que Ciro ou Marina chegue ao segundo turno

Quem será o anti-Lula?

Alckmin, Marina e o voto útil de direita no primeiro turno

Tempo eleitoral: modos de usar

Os dilemas do PSDB e do PT numa disputa atípica

A cisão

Eleição tende a acentuar dramaticamente o fosso entre azuis e vermelhos

Bolsonaro

Elitismo e democracia na campanha eleitoral

A estratégia de Lula

Por que o ex-presidente adia a escolha de seu substituto

O centrão propõe

Bloco liderado por DEM e PP negocia os termos do novo pacto conservador

Junho, Ano V

As eleições, o sistema político e a negação da realidade

Mais textos