portfólio

68

Rock, drogas, misticismos, nudez e isqueiros Zippo na revolta contracultural contra a guerra no Vietnã

Misha Ankst e Robert Altman

Bem mais do que na Europa, a revolta de 1968 nos Estados Unidos teve características comportamentais profundas. A explosão do rock, das drogas, do misticismo oriental, do feminismo, da afirmação da negritude e dos estilos de vida alternativos foi a tônica dos anos 60. Se a contracultura foi a expressão difusa de uma insatisfação com a sociedade e os valores do capitalismo – sobretudo por parte da juventude -, ela também teve uma motivação política imediata: a intervenção das forças armadas americanas no Vietnã. “Paz e amor”, o slogan dos hippies, não enaltecia apenas a placidez e o sexo livre. Estava embutido nele o protesto contra a obrigatoriedade de lutar no Vietnã e contra a própria guerra.

Em 1965, o jornalista Morley Safer, da rede CBS, acompanhou a missão de uma patrulha americana no Vietnã. No vilarejo de Cam Ne, os fuzileiros navais ordenaram que os moradores abandonassem as choupanas, acenderam seus isqueiros Zippo e tacaram fogo nelas. A reportagem de Safer, por ter sido uma das primeiras a mostrar cruamente a guerra, teve um impacto imenso. O presidente Lyndon Johnson acusou o jornalista de ter “cagado na bandeira americana”. Ao relatar o episódio no livro Vietnam Zippos, Sherry Buchanan sustentou que, “pela primeira vez desde a II Guerra Mundial, jovens americanos em uniforme foram retratados como destruidores, e não como libertadores. Nossa percepção da guerra – e do isqueiro Zippo – mudou para sempre”.

Criado nos anos 30, o Zippo ficou popular, especialmente entre os homens, por ser robusto e acender mesmo com o vento mais forte. Era o isqueiro ideal para soldados em combate, e foi largamente usado na II Guerra e na Coréia. Na do Vietnã, o Zippo virou um veículo de manifestação contracultural e, em alguns casos, de contestação da guerra. Em 1968, havia meio milhão de soldados americanos no Vietnã, a maioria deles fumante. Eles gravavam nos seus isqueiros saudações ao poder negro, ofensas a Tio Sam, alegorias pornográficas, piadas gráficas e apelos à paz. “Os Zippos serviram de fóruns em miniatura para os pensamentos e sentimentos dos soldados americanos durante a guerra: sexo, drogas, frustração, desejo, esperança, raiva, amor. Os sentimentos registrados nos isqueiros eram genuínos, sem censura e emocionados”, escreveu o artista plástico Bradford Edwards, dono de uma coleção com alguns milhares de Zippos usados no Vietnã.

Enquanto as inscrições pacifistas se disseminavam no sudeste asiático, nos Estados Unidos os movimentos contraculturais se espalhavam em todas as direções. O único nexo que os unia era o combate à intervenção militar, que se aprofundou em 1968, quando o Frente de Libertação Nacional, dirigida por Ho Chi Minh, lançou a ofensiva Tet e chegou às portas da embaixada americana em Saigon. Com 537 mil soldados no país, o exército americano conseguiu rechaçar a ofensiva, mas ela demonstrou que os Estados Unidos não poderiam ganhar a guerra.



O fotógrafo Robert Altman mostra no livro The Sixties como o pacifismo se tornou mais e mais militante, sem abandonar de todo as idéias que o alimentavam. Já em outubro de 1967, por exemplo, uma gigantesca manifestação cercou o Departamento de Defesa, o centro nevrálgico da guerra, em Washington. O objetivo dos manifestantes, contudo, não poderia ser mais hippie: fazer o Pentágono levitar.

No livro de Altman, um dos ativistas do período, Abbie Hoffman (que morreu em 1989), faz o seguinte balanço daqueles anos:

Não acabamos com o racismo, mas acabamos com a segregação legal.

Acabamos com a idéia de que se pode mandar meio milhão de soldados para o outro lado do mundo lutar numa guerra que as pessoas não apóiam.

Acabamos com a idéia de que as mulheres são cidadãs de segunda classe.

Fizemos da defesa do meio ambiente uma questão que não pode ser ignorada.

As grandes batalhas que ganhamos não podem ser revertidas.

Nós éramos jovens, cheios de certezas, temerários, hipócritas, valentes, tolos, teimosos e amedrontadores.

E nós estávamos certos.

© ROBERT ALTMAN_WWW.ALTMANPHOTO.COM_CORTESIA DE SANTA MONICA PRESS_WWW.SANTAMONICAPRESS.COM
Festa de Pintura Corporal, Baía de San Francisco, Califórnia, abril de 1971

© ROBERT ALTMAN
Manifestante e policial, People’s Park Insurrection, Berkeley, Califórnia, maio de 1969

© ROBERT ALTMAN
Celebremos!, talvez a primeira festa rave, Boulder, Colorado, agosto de 1970

FOTOS DE MISHA ANISKT. IMAGENS DO LIVRO VIETNAM ZIPPOS, DE SHERRY BUCHANAN_COM A COLABORAÇÃO DE BRADFORD EDWARDS_PUBLICADO POR ASA INK E VISIONARY WORLD, 2007
O isqueiro ideal para uma guerra: “Você e seus malditos lanchinhos no meio da noite”

FOTOS DE MISHA ANISKT. IMAGENS DO LIVRO VIETNAM ZIPPOS, DE SHERRY BUCHANAN_COM A COLABORAÇÃO DE BRADFORD EDWARDS_PUBLICADO POR ASA INK E VISIONARY WORLD, 2007

FOTOS DE MISHA ANISKT. IMAGENS DO LIVRO VIETNAM ZIPPOS, DE SHERRY BUCHANAN_COM A COLABORAÇÃO DE BRADFORD EDWARDS_PUBLICADO POR ASA INK E VISIONARY WORLD, 2007

FOTOS DE MISHA ANISKT. IMAGENS DO LIVRO VIETNAM ZIPPOS, DE SHERRY BUCHANAN_COM A COLABORAÇÃO DE BRADFORD EDWARDS_PUBLICADO POR ASA INK E VISIONARY WORLD, 2007

FOTOS DE MISHA ANISKT. IMAGENS DO LIVRO VIETNAM ZIPPOS, DE SHERRY BUCHANAN_COM A COLABORAÇÃO DE BRADFORD EDWARDS_PUBLICADO POR ASA INK E VISIONARY WORLD, 2007
Os Zippos serviram de fóruns em miniatura para os sentimentos dos soldados americanos na guerra: sexo, drogas, frustração, desejo, esperança, raiva, amor

© ROBERT ALTMAN
Levitar o Pentágono, protesto contra a guerra no Vietnã, Washington, 21 de outubro de 1967

Misha Ankst

Robert Altman

Leia também

Últimas Mais Lidas

Arco-íris na urna

Pelo menos 89 pessoas LGBT foram eleitas para as Câmaras Municipais em 69 cidades

A hora do Arenão

DEM e PP, oriundos do partido que deu sustentação à ditadura, elegem 1 140 prefeitos e lideram crescimento da velha direita

Sobra eficácia, faltam vacinas

Vacinas da Moderna e da Pfizer contra Sars-CoV-2 protegem 95 em cada 100 imunizados, mas primeiras doses já estão encomendadas para poucos e ricos países

Moral, religião e voto

O que continua igual e o que está mudando nas candidaturas religiosas

Empate e luto no sertão

Numa cidade paraibana, dois candidatos a prefeito recebem o mesmo número de votos; vereador sofre infarto durante apuração

Foro de Teresina #127: Maré alta contra Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
2

O funcionário que não pediu perdão

Condenado por cumplicidade em crimes contra a humanidade, Maurice Papon é enterrado com a Légion d'honneur no peito

5

Renan, o flexível

Em meio à crise, o presidente do Senado ora dá conselhos a Dilma, ora confabula com a oposição

6

A era dos supermarqueteiros

A prisão de João Santana reorganizará o mercado das campanhas eleitorais, que já opera de sobreaviso desde a proibição, no ano passado, do financiamento empresarial

8

Godard antissemita? (3)

Para Richard Brody, Nossa música, de 2004, “é um filme de preconceitos pré-guerra enfeitados com ressentimentos pós-guerra – e, como muitas outras coisas na história do antissemitismo, com frustrações pessoais.” Nada convence Brody do contrário, nem mesmo o “simbolismo pessoal” indicado por Godard em entrevistas citadas pelo próprio Brody na biografia “Everything is Cinema The Working Life of Jean-Luc Godard” (sem edição brasileira).

9

“Chegou sem vida” 

As últimas horas de Dennys Franco, uma das nove vítimas de Paraisópolis, até dar entrada morto no hospital