portfólio

A cidade do futuro meio século depois

Imagens da construção de Brasília

Milan Alram
Os prédios de Oscar Niemeyer eram meio diáfanos, desenhados no ar como esqueletos de tábuas. Brotando do chão antes do arruamento, pareciam produtos da terra
Os prédios de Oscar Niemeyer eram meio diáfanos, desenhados no ar como esqueletos de tábuas. Brotando do chão antes do arruamento, pareciam produtos da terra

O fotógrafo Milan Alram viu Brasília pela primeira vez em julho de 1959. A nove meses da inauguração, ela não passava de um vasto canteiro de obras no cerrado agreste, que as máquinas de terraplenagem iam deixando ainda mais desolado. Brasília estava em seu melhor momento, como alegoria dos “Cinquenta anos em cinco”, na palavra de ordem do presidente Juscelino Kubitschek. Ou, como preferiu Oscar Niemeyer, “a meio caminho entre o projeto e a realidade”. Foi isso o que o arquiteto disse sobre o Palácio da Alvorada ao vê-lo sair do molde, no meio do nada. Iluminada por uma nesga de lua, a estrutura de concreto nu, sem “janelas,
acabamentos, vidros”, estava mais pronta naquele instante do que jamais ficaria.

“Nunca mais será como hoje”, previu Niemeyer, ao pé da colina, com o capim batendo-lhe no peito. Pensou que, se pudesse, “deixava ele assim”, como marco definitivo da capital imaginária, onde tudo poderia acontecer – e o Brasil sequer suspeitava das coisas que de fato aconteceriam.

Milan Alram chegou a Brasília naquele momento. Sem saber, fotografou de dia a visão que Niemeyer teve de noite. Ele não estava lá para fazer reportagem. Era um fotógrafo de publicidade, contratado pelas maiores agências da época. Passou uma semana na cidade, hospedado em grande estilo no Hotel Nacional, acompanhado de diretor de arte, redator e contato comercial, a convite da Novacap, a Companhia Urbanizadora da Nova Capital.

As fotografias que ele fez naquela viagem nunca foram publicadas. Teve cópias enviadas a uma agência de Nova York. E, se saíram por lá, ele nem soube. Nas décadas seguintes, com parentes morando em Brasília, viajando diversas vezes à cidade, nunca mais a fotografou. Guardou a primeira impressão, da fase em que o tesoureiro da Novacap acertava os pagamentos da obra em mesas de bordel.

Menos de dois anos depois, com o governo Jânio Quadros abrindo inquéritos sobre as contas de Kubitschek, o tal tesoureiro se suicidou. A cidade que nascia para ser diferente começava a virar uma cidade brasileira habitual. E as fotografias de Milan, entre caixas e caixas de negativos, sumiram em seus arquivos pessoais por quase cinquenta anos.

Milan Alram é francês. Chegou ao Rio de Janeiro aos 13 anos, em 1939. Seu pai, um marceneiro formado
em escola de artes e ofícios, que o habilitara a fabricar artesanalmente até hélices de madeira para aviões, fugiu da sombra da Segunda Guerra que começava a baixar sobre a Europa. Aos 15 anos, Milan já podia se considerar carioca.

Como contínuo da Globo, “a editora de Porto Alegre”, ele ciceroneava fotógrafos como Ed Keffel, enviado da matriz para clicar o Rio. Keffel passaria à posteridade como o fotógrafo de O Cruzeiro, que esgotou várias edições da revista com flagrantes de um disco voador sobrevoando a Barra da Tijuca, nos confins do que então se chamava “o sertão carioca”.

A essa altura, de tanto andar nos calcanhares dos profissionais, Milan tomara gosto pela fotografia técnica. Tornou-se especialista em fotografar, com máquinas de grande formato, equipamentos industriais. Viveu uma fase tão boa para o ofício que, em 1967, irritado com o racionamento de energia elétrica que sabotava a refrigeração de seu estúdio, comprou uma passagem aérea Rio-Nova York-Paris e, quando se deu conta, tinha inaugurado uma carreira internacional.

Passou sete anos na Europa, entre Paris e Milão, fotografando para grandes empresas, como a Air France e a Philips, que um dia lhe enviou pelo correio “o maior cheque de toda a vida”. Só fez as malas de volta para o Brasil por questões de família. Fundou, em 1982, no bairro da Glória, o Kronokroma, o único laboratório fotográfico do Rio capaz de atender a suas exigências, sobretudo na revelação em cores.

Seu filho Marcelo tocou a loja até o ano seguinte, quando Milan escapou de um câncer de garganta com um fio de voz e convencido de que esse era o fim da vida social de um fotógrafo de publicidade. É no Kronokroma que tem passado os últimos 26 anos. O laboratório já foi tão concorrido que os clientes mais assíduos ganhavam a chave de uma caixa, aberta para a rua, onde podiam jogar a qualquer hora os filmes que passariam para buscar na manhã seguinte, já revelados.

Aí veio a fotografia digital. Com ela, de repente, “todo mundo virou fotógrafo”, diz Milan. E sua freguesia foi sumindo. Milan resiste. Mora em Teresópolis só nos fins de semana. Passa os dias úteis no Kronokroma. Almoça no botequim ao lado e, aos 83 anos, encerra no fim da tarde o expediente fumando numa das mesas de plástico que o bar espalha na calçada. Milan não arreda pé do filme, por ser o único meio de guardar uma fotografia por meio século num envelope e publicá-la “sem retoques”. Como no caso de Brasília.

Sob o imenso céu de Brasília, alinham-se pelo Eixo Monumental cinco esqueletos dos dezessete edifícios idênticos da futura Esplanada dos Ministérios. Cinquenta anos depois, cercada por prédios, ela perderia sua imponência.

Para Niemeyer, a cúpula convexa do Senado, menor que a da Câmara, retrataria um local propício para reflexão e o equilíbrio, onde são valorizados o peso da experiência e o ônus da maturdidade. Ele não poderia imaginar as coisas que aconteceriam por lá cinquenta anos depois

A cúpula da Câmara dos Deputados deveria dar a impressão de estar apenas pousada sobre a Esplanada. “O topo é tão fino que ninguém imaginar constituir, internamente, a galeria do público que liga os dois plenários”, escreveu Oscar Niemeyer

A Igreja de Nossa Senhora de Fátima, conhecida como Igrejinha, foi o primeiro templo inaugurado em Brasília, em 1958, como resultado de uma promessa que Dona Sarah Kubischek fez para curar a filha Márcia. O projeto arquitetônico é de Oscar Niemeyer. Athos Bulcão fez os azulejos e Alfredo Volpi, as pinturas internas

O Anexo, composto pelas torres do Congresso, é a construção mais alta da Praça dos Três Poderes. Niemeyer projetou assim a sede do Legislativo para simbolizar a preponderância do poder do povo sobre o Executivo e o Judiciário

Numa península que divide o Lago Paranoá entre o Sul e o Norte, localiza-se o Palácio da Alvorada, com sua capela. Em uma noite de 1959, ao vê-lo sair do molde, Niemeyer disse que, se pudesse, o deixaria assim, “como marco definitivo da capital imaginária”

Milan Alram

Milan Alram é fotógrafo francês e há 26 anos dirige o laboratório fotográfico Kronokroma, no Rio de Janeiro.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Traídas pela Renata

Deputada acusada de usar candidatas laranjas agora quer flexibilizar cotas eleitorais para mulheres; bancada feminina entra em guerra contra “lei da maridocracia”

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

4

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

9

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

10

Cortes de Bolsonaro emperram pesquisa para deter câncer incurável no cérebro

Sem bolsas federais, pesquisadora aprovada em primeiro lugar na UFRJ atrasa estudo sobre vírus da zika como arma contra tumor