poesia

A mentira tem pernas lindas

Luciana Elaiuy

VERBOS NOTURNOS

Uma cama me engoliu com lábios de colchão e cobertor.

A noite mastigou minhas validades,

destruiu meus planos com dentes de despertador.

 

CANDURA

A dureza da palavra está no fato de ser pura.

Rotina de aproximação

Você tem uma bala?

Eu quero uma bala,

você tem uma bala?

Uma bala? Uma bala?

Uma bala? Uma bala?

Bala? Bala? Bala?

Bala, bala, bala, bala,

bala, bla, bla, bla, bla,

bla, bla, bla, bla?

Blá! Blá, blá, blá, blá, blá,

blá, blá, blá, blá, blá, blá, blá.

 

ai = dor

ai ai = amor

ai ai ai = preocupação

ai ai ai ai = música sertaneja

ai ai ai ai ai = música mexicana

 

EME

Mel

Melembra

Melambe.

 

MANCHETE

A bala no ar já é a morte.

Antes de atirar

Ela já se perdeu.

Antes de pensar,

Antes da sorte,

Depois do poste,

Eu.

Vê? A minha defesa é igual a sua.

Morte safada, viu minha vida nua.

E ela é vermelha

A vida ainda é vermelha.

Vê,

Na veia da rua.

 

CALIGRAFIA

Escreva em letra miúda a sua sensação de grandeza.

Num muro, bilhete, na testa, no verso da tristeza.

Mas escreva em letras miúdas para caber

entre os dentes da raiva, entre os tempos da pausa,

entre o peso e a alça, o desejo e a calça.

Nomeie seus instantes.

Para ler com clareza,

não é a letra que

precisa ser grande.

 

VERDADE

A mentira tem pernas lindas.

 

-TE

Tomou em cápsulas para ter coragem,

tomou com água e quis tombar paredes e colunas.

Foi torta e tipicamente tensa na temperatura tonta daquele tempo, mas depois, tranquila,

teceu os fatos, tricotou as tensões e tirou

disso tecidos e tapetes perfeitos para voar.

Tocou o céu e todas as Terras sem tremer,

teimou com as nuvens e entrou pro time dos tristes nunca mais. Testou as últimas chances e tingiu suas

tentativas com cores que antes não tinha nos olhos.

Tinta fresca para novos dias, tempo tenro para tardes

e terraços, trajes tipo preguiça, teatro para todos os tatos, aplausos para todos os toques, temperos para os terços das coisas, tabuleiros para os gestos e detalhes.

E depois de tanto voo, tanto azul, tanto texto, tanta tarde tímida, o túmulo da vergonha transbordou terceiras

intenções e eu também tomei das pequenas cápsulas para tratar as tonturas de ver e nunca ter-te.

 

A TECNOLOGIA DOS FATOS INVOLUNTÁRIOS

Está no dispositivo dos poros exercitando os pelos. Nos retratos invencíveis, e as boas lembranças sempre à espera do pior.

Trabalha no mecanismo das mandíbulas admiradas, nas pálpebras fracas diante da TV.

É o abraço do pugilista no outro pugilista. O sopro na sopa, o soco na boca. O ato do verso, o ato do ver.

Faces longas no pré-choro.

Botões em frangalhos

Arrepender.

 

OVERBODOSE

Overbodose é um verbo viciado na linguagem. Overbodose.

São doze bodes presos? São bodes expiatórios vagando com os meus segredos. O verbo é over, o verbo é óvulo, ovni, é ovo. O verbo é oco.

O indizível é o que mais odeio. Ele me abusa quando não há canetas, me ouve se leio pra dentro. O verbo é vértebra e músculo,

orgânico como a overdose. Obtuso como um devaneio, vai saber.

O verbo sabe ler? Ele é pobre, não escolhe. O verbo é pele. É bobo,

é bento. É a segunda ideia de Deus, é feito de carne, feito de eu.

O verbo não é vantagem, é direito. Em vinagre vigora meus defeitos,

conserva cabeceiras e olheiras quando me deito.

O verbo é a cama, é a grana, e nunca estamos satisfeitos.

 

PARA COLE PORTER

Os insetos sabem se é incesto?

 

O SAL

Saiu pra comprar sal. Nem sempre a doce vida é a melhor vida. Doce enjoa. O sal dá sede. Sal deixa a gente vivo. Ele saiu pra comprar sal.

Deixou a casa acesa. A luz em cima da mesa. A busca é sempre a mesma: levar o sal pra casa, tempero de uma risada, graça até pro copo d’água,

mas a sede é sempre vesga.

Ele cruzou esquinas, cruzou os dedos, mal sabia. O sal era a ausência que

ele deixava quando saía, era o frio de estar sozinho, o sal era só até

a esquina, era ela sentir a falta um pouquinho. E ela sentiu. Por isso temperou os planos pro futuro com têmporas tensas e empolgadas. Visões um tanto salgadas, mão molhada, ela sob a luz daquela mesa. Esfomeada. Esperou. Mais um tanto de espera, mais um tanto de espera, mais um tanto de espera, mais um tanto de espera, ele não voltou. Pesou demais a mão no tempo e o tempero dessalgou.
Ela escreveu na geladeira “o sal acabou”. E saiu pra comprar um doce, mas a busca é sempre amor.

Luciana Elaiuy

Luciana Elaiuy, escritora, tem banda de rock e toca pandeiro. Edita o site do projeto umpontoum.com

Leia também

Últimas Mais Lidas

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Na piauí_163

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta semana

Diário de um reencontro sem abraços

Sônia Braga de luvas de borracha, desinfetante no avião e um samba com Beth Carvalho: a jornada de um roteirista brasileiro para voltar para casa e cuidar dos pais idosos

Cinema e desigualdade – o nó da questão

Salas fechadas acentuam privilégio de quem pode pagar por serviços de streaming

Mais textos
2

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

5

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

6

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

7

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

8

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

9

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

10

A capa que não foi

De novo, a piauí muda a primeira página aos 45 do segundo tempo