carta dos Estados Unidos

A pátria americana

De Bush a Obama, tudo muda para continuar igual

Perry Anderson
Para manter a vigilância contra o terrorismo, o governo Obama prorrogou a prática de escutas telefônicas sem mandado judicial. O orçamento militar, cerca de 629 bilhões de dólares quando Bush saiu, aumentou para 707 bilhões em 2012
Para manter a vigilância contra o terrorismo, o governo Obama prorrogou a prática de escutas telefônicas sem mandado judicial. O orçamento militar, cerca de 629 bilhões de dólares quando Bush saiu, aumentou para 707 bilhões em 2012 ILUSTRAÇÃO: DARIO CASTILLEJOS

Desde o ano 2000, a cena política americana vem sendo convencionalmente pintada com cores fortes. Boa parte da opinião pública nativa – para não falar da estrangeira – acha que os Estados Unidos deram um salto acrobático entre um período reacionário brutal, sob um governante que presidiu o desastre dentro e fora de casa, e a mais inspiradora fé no progresso desde o New Deal, sob um presidente que personifica o que a nação oferece de melhor – ou, segundo outros, um espectro que nem americano é. Para outros ainda, a polarização da opinião pública que eles representam é motivo de desespero ou, ao contrário, de alento com o despertar de identidades antes marginalizadas e hoje no limiar de constituir uma nova maioria. As tonalidades mudam conforme a luz em que são vistas.

Para uma visão mais estável da política dos Estados Unidos, a linha é mais confiável do que a cor. São os parâmetros do sistema, e não suas manifestações episódicas, que requerem consideração. Esses parâmetros formam um conjunto de quatro determinantes. A primeira e mais fundamental é o regime histórico de acumulação, que governa o rendimento do capital e a taxa de crescimento da economia. A segunda são alterações estruturais na sociologia do eleitorado dos partidos Democrata e Republicano. A terceira são as mutações culturais no sistema de valores do conjunto da sociedade. A quarta e última determinante – residual – são os objetivos das minorias em atividade na base eleitoral de cada partido. O desfecho político em qualquer ponto do tempo pode ser descrito, em síntese, como uma resultante dos movimentos desse quarteto desigual de forças.

O que permanece imutável, por outro lado, é o universo ideológico monocromático no qual o sistema está mergulhado: uma ordem plenamente capitalista, sem vestígios de debilidade social-democrata ou de organização política independente do trabalho. Os dois partidos que nela habitam trocaram suas bases sociais e regionais mais de uma vez desde a Guerra Civil [1861–65], sem jamais questionar o preceito do capital. Desde 1930, constata-se uma tendência geral, se não invariável: os que estão na base da pirâmide da renda, quando vão às urnas – coisa que muitos deles não fazem –, votam nos democratas; os que estão no topo votam nos republicanos.

Tais preferências refletem as linhas políticas adotadas pelos dois partidos: nas administrações democratas, a redistribuição de renda em direção à base costuma ser maior do que nas republicanas, num alinhamento que acompanha as divisões entre esquerda e direita em outras partes do mundo, sem as reproduzir exatamente. Mas essas diferenças raramente são de princípio. Uma característica marcante do consenso em que se baseia o sistema é a flexibilidade das posições relativas que ele permite. Políticas associadas a um partido podem migrar para o outro, não raro assumindo formas mais radicais do que tinham no hábitat original. Um rápido olhar sobre a história da segunda metade do século XX atesta esse vaivém no interior do sistema.

 

A vitória de Franklin Delano Roosevelt em 1932 inaugurou, como se sabe, uma nova era na política americana. A Depressão, marcando o fim de um regime de acumulação baseado no padrão-ouro,[1] no protecionismo comercial, em impostos baixos e em formas ainda incipientes de produção em massa, desacreditou os republicanos, que havia muito comandavam o país.

Sob o choque da Depressão, a pressão popular – sobretudo as greves trabalhistas iniciadas em 1934 – fez o governo democrata ir além das medidas iniciais para estabilização financeira e ajuda emergencial à população carente, adotando reformas sociais e programas de infraestrutura que consolidaram sua base eleitoral, enquanto continuava a quebradeira das empresas menos competitivas e a concentração corporativa. Quando chega a aguda recessão de 1937, o desemprego logo volta a 14%. O que faria do New Deal um divisor de águas seria a maciça demanda estatal ligada ao rearmamento. Com o auge da economia de guerra, a partir do final de 1941, um novo regime de acumulação atingiu a maioridade.

O padrão-ouro já não existia mais; a carga tributária aumentara; o déficit orçamentário e fiscal deixara de ser tabu; os depósitos haviam sido garantidos e os bancos, regulados; as empresas haviam se concentrado; a demanda do consumidor se expandira. Essas eram condições da transformação. Mas a mudança decisiva veio com o enorme salto nos gastos estatais e na intervenção na economia. Em dois anos, os gastos públicos cresceram de 19% para 47% do Produto Interno Bruto.

Estimulando a inovação tecnológica e eliminando o desemprego, o boom do período de guerra levou à supremacia americana sobre o mundo capitalista depois de 1945. A expansão desencadeada pela economia de guerra prosseguiu durante um quarto de século de altas taxas de crescimento no país e de hegemonia inconteste no exterior.

Depois da guerra, os democratas conservaram o predomínio eleitoral que haviam assegurado nos anos 30, quando conquistaram os que votavam pela primeira vez, os imigrantes de segunda geração, trabalhadores protestantes antes arredios e os negros do Norte do país, mantendo, ao mesmo tempo, firme controle sobre sua fortaleza histórica no Sul racista. Os dois partidos se revezaram na Casa Branca, cada um vencendo três vezes entre 1948 e 1968, mas o Congresso permaneceria um reduto democrata por quase meio século; entre 1932 e 1980, os republicanos obtiveram maioria legislativa apenas duas vezes e por meros quatro anos.

Depois de 1937, quando a greve dos operários do aço foi derrotada e a economia escorregara novamente para a recessão, a insurgência trabalhista que forçara as reformas sociais mais significativas da agenda de Roosevelt estava exaurida. A sindicalização aumentou até o início dos anos 50, mas junto veio a burocratização e a domesticação da central sindical AFL-CIO [American Federation of Labor Congress of Industrial Organizations]. Em 1947, os dois partidos uniram forças para endurecer a legislação contra a militância sindical e as greves.

Uma coisa eram trabalhadores organizados – tinham de ser combatidos onde houvesse risco de saírem do controle. Outra coisa eram os eleitores atomizados – estes deviam ser cortejados até onde se pudesse pagar o preço. Se os gastos estatais em relação ao PIB não estavam mais nos níveis do período de guerra, a longa maré alta dos anos 50 e 60 havia gerado taxas de lucro que garantiam ganhos salariais regulares aos trabalhadores e uma receita fiscal suficiente para que o Estado desse continuidade às obras públicas e aos benefícios sociais, arcando ao mesmo tempo com vultosos orçamentos militares.

Mas nenhum regime de acumulação é estático, e no devido tempo houve uma inflexão. Os planejadores de Washington haviam imaginado um mundo pós-guerra no qual o padrão dólar e o livre-comércio trariam para o capital americano uma prosperidade baseada na exportação, graças à recuperação econômica da Europa e do Japão. Mas a extensão dos danos provocados pela guerra e os imperativos incontornáveis da Guerra Fria forçaram a modificação desse esquema. Para salvar o capitalismo no exterior, o livre-comércio puro teve de ser diluído e governantes de países aliados foram autorizados a implantar certas medidas de proteção a seus mercados, para que não afundassem novamente na depressão.

A recuperação veio e, como esperado, com ela vieram os lucros americanos. Mas, como os custos do trabalho eram menores no exterior, era mais racional para o capital americano produzir no estrangeiro para os mercados locais do que exportar.

Apesar dessa inflexão, enquanto se manteve o sistema geral de acumulação capitalista, o cálculo da competição partidária preservou os parâmetros herdados do New Deal. Com eles, os republicanos foram capazes de fazer até mais do que seus adversários. O democrata Harry Truman reprimiu mais greves do que o republicano Dwight Eisenhower, cuja Lei das Estradas Interestaduais lançou o maior programa de obras públicas desde o New Deal. O ativismo contra a segregação racial e as insurreições nos guetos obrigaram o democrata Lyndon Johnson a assinar a Lei dos Direitos Civis e a lançar a Guerra contra a Pobreza, ambas com uma dinâmica que extrapolou seu mandato. Foi durante o governo do republicano Richard Nixon que houve a maior expansão dos direitos sociais e da regulação econômica da história do pós-guerra nos Estados Unidos.

 

Em todo o mundo capitalista avançado, o boom do pós-guerra teria um fim abrupto no início dos anos 70. A rentabilidade caiu, os salários pararam de subir, a estagflação se instalou. A causa comum estava na competição intercapitalista que se intensificara desde que a Alemanha e o Japão – reerguidos por Washington como postos avançados de defesa do Mundo Livre – haviam voltado com força ao mercado mundial, muitas vezes com estruturas corporativas e bancárias mais robustas. As empresas americanas se defrontaram com margens de lucro menores justo num momento em que, sob um presidente republicano, os gastos sociais e uma regulamentação onerosa chegavam ao seu auge. Como se não bastasse, Nixon rompeu com a nova relação entre o valor do dólar e o ouro que fora estabelecida na Conferência de Bretton Woods, recorrendo a controles de preços e salários para combater a inflação.

Diante dessa combinação de crise econômica e esfacelamento político, o capital – o grande e o pequeno – entrou em ação. Ao longo da década de 70, iria dobrar o número de membros da Câmara de Comércio e da Federação Nacional das Empresas Independentes, enquanto os lobistas empresariais em Washington se multiplicavam mais de dez vezes. Os comitês de ação política[2] ligados ao capital superaram em muito os ligados aos sindicatos. Novos e combativos centros de estudos – American Enterprise Institute, Heritage Foundation, Cato Institute – tomaram posição na arena. O fim do crescimento contínuo gerou uma mobilização sistemática contra o pacto social do pós-guerra.

Esse foi o cenário em que se desenhou a agenda de um novo regime de acumulação. A ordem neoliberal que se seguiu incluiria a desregulamentação dos mercados, a desmobilização dos sindicatos, a redução dos impostos e a redução da oferta de dinheiro – seria, na verdade, uma volta às normas do regime liberal anterior à Depressão, com exceção do padrão-ouro e da proteção tarifária à produção local.

Mas haveria duas diferenças cruciais, na posição da indústria e na natureza do eleitorado. A manufatura sofreu uma contração implacável a partir dos anos 80, sob a pressão da produção estrangeira mais barata. Com isso, o capital foi deslocado para as finanças, que se tornaram o centro de comando da economia, e o trabalho perdeu ainda mais força em relação ao capital. Ao mesmo tempo, as expectativas dos eleitores agora impediam a liquidação generalizada de empresas insolventes ou ineficientes: o desemprego em massa parecia incompatível com uma ordem capitalista estável.

Ocorreram mudanças análogas na maioria dos países capitalistas. Contudo, na ausência de uma tradição significativa de crítica às prerrogativas supremas da propriedade privada e da livre-iniciativa, e dada a erosão estrutural do poder dos trabalhadores, elas adquiriram na América a sua forma mais pura. Os parâmetros do sistema político se deslocaram para a direita em todo o Ocidente, mas não tanto, nem com tão poucos obstáculos, como nos Estados Unidos.

No nível dos partidos, depois de uma maré alta de reformas progressistas sob um presidente republicano, a reação política veio com um democrata na Casa Branca e uma maioria democrata esmagadora no Congresso. Menos Estado, mais mercado – essa era a solução para as misérias da economia. Os pontos principais do governo de Jimmy Carter, a partir de 1977, foram o dinheiro curto e a desregulamentação, para enfraquecer os trabalhadores e fortalecer as empresas. No Congresso, os democratas reduziram o imposto sobre o lucro e aumentaram o imposto sobre os salários. Ao mesmo tempo, rejeitaram a reforma do sistema de saúde, a indexação do salário mínimo, a proteção ao consumidor e o aperfeiçoamento do registro eleitoral.

No Federal Reserve, o banco central americano, Paul Volcker assumiu a tarefa de promover uma forte deflação. O neoliberalismo estava agora no comando. O curto prazo saiu caro para Carter e seu partido, quando as altas taxas de juro – o remédio para a inflação prescrito por Volcker – provocaram uma severa recessão. Mas o problema maior dos democratas residia na falta de uma mensagem ideológica sedutora, algo capaz de dourar a pílula das mudanças em termos menos duros do que a necessidade de apertar o cinto.

A vitória de Ronald Reagan em 1980, tão decisiva quanto a de Roosevelt em 1932, satisfez essa exigência. O neoliberalismo encontrou seu complemento num otimismo de reafirmação nacional e num moralismo que celebrava o esforço individual, temperado – talvez excessivamente – pela fé na Bíblia. Resultou daí uma fórmula ideológica com a qual os democratas teriam grande dificuldade em competir, embora tivessem sido pioneiros na virada neoliberal. Os republicanos se tornaram o partido governista natural num sistema político cujo centro de gravidade havia se deslocado estruturalmente para a direita. O novo regime de acumulação lhes era favorável.

 

Por trás da troca de ascendência partidária havia também mudanças sociológicas. A primeira delas afetou os trabalhadores brancos. A reação do operariado contra as manifestações antiguerra e a integração racial nas escolas já produzira uma votação patriótica e racialmente motivada no governador de Alabama, George Wallace, nas eleições de 1968, e outra maior ainda em Nixon, em 1972. Entretanto, com os salários reais em queda a partir de 1972 e corroídos mais ainda pelos impostos, agora os trabalhadores tinham também menos razões materiais para serem leais ao Partido Democrata. Carter os havia abandonado; em troca, muitos o abandonaram. Em 1980, Reagan recebeu a maior parte dos votos dos trabalhadores; em 1984, ampliou essa maioria.

A segunda mudança foi o deslocamento da população e da riqueza do Nordeste e do Centro do país para o Oeste e o Sudoeste, onde o capital era mais novo e menos atrelado, os padrões urbanos dispersavam a população, os sindicatos tinham menos tradição e o imaginário do desbravador de fronteiras incentivava o individualismo. Na Califórnia, uma revolta dos proprietários contra os impostos imobiliários, financiada pelas construtoras, já havia conseguido limitar essa tributação. Durante um século, a região não produzira nenhum candidato presidencial, mas então, um depois do outro, vieram Barry Goldwater [derrotado por Johnson em 1964], Nixon e Reagan.

Por fim, e mais decisivo, o Sul – sempre a parte mais conservadora do país, na qual, por um século, a lembrança da vitória do republicano Abraham Lincoln na Guerra Civil erguera um bastião democrata – havia começado a se tornar republicano, depois que Lyndon Johnson patrocinou a Lei dos Direitos Civis e a Lei do Direito de Voto. Essa transferência em bloco de um partido para outro ocorreu gradualmente. Trinta anos depois, quando a região exibia o mais rápido crescimento econômico do país, a migração seria quase total.

A vitória arrasadora nas urnas – com a plataforma de libertar as empresas do jugo governamental e de restabelecer tanto o poderio internacional do país como a confiança na América – deu a Reagan cacife para uma mudança radical no que era possível aprovar em Washington. Sem demora, promoveu a mais abrangente reforma tributária de que se tem notícia – reduzindo as alíquotas para todos, mas com forte viés a favor dos ricos – e derrotou a primeira greve nacional em seu mandato, a do Sindicato dos Controladores de Voo. Foram ambas atuações muito populares,
obtendo apoio bipartidário e larga aprovação pública. Mas os cortes de impostos, apesar do êxito político, não remediaram a recessão de Volcker e tiveram de ser parcialmente cancelados, antes de uma nova batalha no segundo mandato de Reagan.

No entanto, as receitas neoliberais já não podiam ser tomadas ao pé da letra, nem no plano econômico, nem no plano ideológico: na prática, foi necessária uma boa dose keynesiana de estímulo militar para manter o crescimento. O aumento nos gastos com a defesa gerou déficits três vezes maiores do que os do governo Carter. Depois de 1985, a desvalorização do dólar, combinada a arrocho salarial e benefícios fiscais, permitiu a recuperação das exportações de manufaturados, restaurando a lucratividade empresarial.

Mesmo assim, não houve melhora substancial no desempenho da economia americana. O dólar ainda alto no início do governo Reagan, atraindo capital estrangeiro, havia acelerado a ascensão do setor financeiro e ampliado o déficit comercial. O crescimento da economia nos anos 80 foi menor do que na década anterior. Até o epílogo da era Reagan, já no governo de George Bush pai, a dívida federal triplicou. O impasse subjacente à longa recessão não fora resolvido.

 

Em paralelo, os democratas iam se adaptando aos parâmetros da nova ordem, tal como os republicanos haviam feito com a anterior. Um ano depois da reeleição de Reagan, em 1984, foi criado o Conselho da Liderança Democrata, para reposicionar o partido diante das exigências da época – descartando compromissos ultrapassados com gastos públicos, trabalhadores ou dependentes dos serviços sociais em favor de um “novo centrismo”, de um Estado mais enxuto internamente e mais resoluto no exterior. Bill Clinton, considerado pela mídia o membro mais confiável do Conselho, conquistou a Presidência em 1992, numa eleição dividida em que Ross Perot, concorrendo como independente, tirou votos do eleitorado republicano num ano de recessão.

Uma vez na Casa Branca, Clinton tomou o caminho oposto ao de Reagan. Aumentou os impostos para reduzir o déficit, na crença de que a chave para fortalecer a confiança do empresariado e religar o motor do crescimento estava no mercado de ações. A reforma da Previdência Social, disciplinando os gastos com os dependentes, enviou aos mercados mais um sinal claro de que aquele era um governo responsável. A recessão foi esmorecendo, o Orçamento entrou no azul e, no final do segundo mandato de Clinton, a economia crescia em ritmo frenético.

Mas o boom não foi mais saudável do que o da era Reagan, visto que, expurgada das contas públicas, a dívida reapareceu significativamente ampliada nas contas privadas, tanto das empresas como dos particulares, na esteira da desregulamentação financeira que se tornaria a principal assinatura do governo Clinton. A revogação da Lei Glass-Steagall acabou com a separação instaurada pelo New Deal entre bancos de investimento e bancos de varejo e foram eliminadas todas as restrições à negociação do mercado de derivativos. Com o retorno à política do dólar forte, o capital estrangeiro inundou o mercado de ações, enquanto a rentabilidade da indústria manufatureira declinava mais uma vez.

Na expansão artificial dos últimos anos do governo Clinton, a dívida hipotecária recebeu generosos incentivos governamentais, as empresas tomavam empréstimos garantidos pela cotação de suas próprias ações, a especulação com as ações de novas empresas de alta tecnologia disparou. O keynesianismo baseado no preço dos ativos havia substituído o keynesianismo baseado nos gastos militares, o que inflou a demanda interna, provocando um breve retorno ao crescimento.

Por trás dessas mudanças estava uma inflexão no regime de acumulação em vigor desde os anos 80, similar à adaptação do regime anterior na década de 50. Novamente, a motivação veio de fora: desta vez foi a entrada da China, com pleno vigor, no mercado mundial. A China reduziu drasticamente os custos trabalhistas em toda a indústria manufatureira; ampliou e ao mesmo tempo financiou o déficit comercial americano; deslocou para seu território as linhas de montagem americanas.

Destinado a revalorizar o dólar desvalorizado na década anterior, o Acordo Reverso do Plaza, de 1985,[3] foi o ponto de inflexão para a transferência da manufatura americana para a China e para a entrada de dinheiro que alimentou as bolhas acionária e imobiliária do final do século XX. Os bancos e as corporações, os fundos de investimento de alto risco [hedge] e as novas empresas de tecnologia colheram os benefícios da expansão planetária da economia capitalista sob domínio da moeda americana, acontecimento exaltado posteriormente como “globalização”.

Politicamente, parecia que o clintonismo havia tornado os democratas competitivos em relação aos republicanos, não só acelerando a financeirização da economia e restaurando o equilíbrio orçamentário, mas também proporcionando um verniz de prosperidade a ricos e remediados. Em 1996, tanto os banqueiros quanto os eleitores deram ao presidente um segundo mandato.

Na campanha de 1996, Clinton captou mais dinheiro em Wall Street do que o rival Bob Dole e triunfou em 31 estados, obtendo quase a metade dos votos. No plano ideológico, o discurso de uma Terceira Via que reconciliasse liberdade econômica e coesão social, benesses para os ricos e benefícios laterais para os pobres, tinha mais apelo num mundo pós-Guerra Fria, agora que, com o desaparecimento do Império do Mal, a incontestável primazia americana tornara a autoafirmação nacional uma questão menos premente no sentimento popular. Segundo qualquer critério, viria em seguida um novo triunfo democrata.

O sexo oral de Clinton na Casa Branca, entretanto, custou ao partido a eleição de 2000. A contingência de uma “mancha” sexual levou os republicanos de volta à Casa Branca por uma margem infinitesimal. Ainda assim, essa vitória obtida em circunstâncias tão fortuitas cristalizava uma divisão de valores que vinha se intensificando. Desde os anos 60, desenvolvera-se no país uma contracultura mais ou menos boêmia, em oposição aos costumes e crenças convencionais. Radicalizada pela oposição à guerra no Vietnã, ela serviria como um alvo conveniente a Nixon, que assim arregimentou para sua causa uma maioria silenciosa de patriotas ordeiros e cumpridores da lei.

Quando a guerra na Indochina deixou de ser um problema, o terreno do comportamento se despolitizou. A partir do final dos anos 70, boa parte do que representava a contracultura migrou para um setor da vida burguesa menos rígido e vagamente bien pensant, no qual as forças do mercado transformaram o desafio aos tabus em formas lucrativas de dessublimar a repressão. Essa mutação catalisou uma reação veemente nas fileiras das denominações religiosas menos tradicionais, colocando em antagonismo uma maioria “moral” – na realidade, outra minoria, a dos evangélicos – e a subversão profana dos costumes. Autodefinindo-se conservadores, esses grupos se tornaram, com o tempo, as tropas de choque da mobilização eleitoral republicana, impelindo para o campo democrata as forças contrárias, que hoje encontrariam uma síntese na simpatia pelo movimento LGBT. Aqui, acredita-se, está uma das raízes da crescente polarização do sistema político.

 

Em 2000, Bush foi beneficiário dessa tensão. Mas sua campanha teve um tom moderado e seu sucesso não se deveu a um apelo evidente à religiosidade. Foi a conquista de eleitores independentes, e não o comparecimento às urnas dos já comprometidos, que lhe deu a Casa Branca. Em 2004, isso mudou: a vitória por uma margem de 3 milhões de votos ocorreu, em boa parte, graças à mobilização comandada pela base evangélica do Partido Republicano. Mas entre a base e o alto comando do partido ainda havia uma distância significativa. Desmentindo sua reputação de direita radical, a Presidência de Bush foi, em linhas gerais, pragmática em nível nacional, adaptando-se à inflexão da acumulação neoliberal – e sua legitimação – legada por Clinton.

Bush se defrontou com as mesmas dificuldades econômicas de seus dois antecessores: no início, uma recessão cíclica, e, no decorrer de todo o mandato, as pressões intratáveis do longo declínio econômico. Nessas condições, seu governo recorreu à combinação de benefícios tributários e keynesianismo militar de Reagan com o keynesianismo da valorização de ativos de Clinton. Os resultados foram déficits públicos três vezes maiores do que os de Reagan e outro boom das hipotecas imobiliárias, elevando a dívida habitacional para 11 trilhões de dólares, num momento em que o PIB estava por volta de 14 trilhões.

Três cortes de impostos ultrapassaram em volume, se não exatamente em extensão, o recorde de Reagan na inclinação em favor dos ricos. As leis de falência tornaram-se mais severas, beneficiando os credores. Um esforço agressivo para privatizar certas áreas da Previdência Social, ideia já aventada por Clinton, não deu em nada. Com apoio bipartidário, as liberdades civis foram reduzidas e os gastos com a defesa dobraram.

No âmbito doméstico, o neoliberalismo do regime republicano também exigiu seu complemento ideológico. As hipotecas com alto risco de inadimplência – maná para banqueiros e operadores financeiros apresentado como ajuda aos desfavorecidos – representavam uma típica herança de Clinton. Bush, por sua vez, foi eleito com uma plataforma de “conservadorismo compassivo” e rendeu homenagem a ela. Os gastos com educação aumentaram mais do que em qualquer governo desde a Guerra contra a Pobreza de Lyndon Johnson. A distribuição gratuita de remédios para os usuários do Medicare, o seguro de saúde público para os idosos, foi a maior expansão da assistência médica desde a época de Johnson. Na esteira dos megaescândalos deixados pela desregulamentação financeira, como a falência da Enron, foram instituídos alguns controles, fracos, sobre a fraude empresarial.

Na macroeconomia, a direção foi dada pelo Banco Central, cujo presidente, Alan Greenspan, apoiou a nova rodada de cortes de impostos como estímulo ao crescimento, baixou os juros repetidas vezes para elevar a cotação das ações e encorajou os contratos hipotecários de alto risco. Mas a bolha financeira criada nos anos 90 não poderia ser prolongada para sempre. Em setembro de 2008 chegou a hora da verdade. Em meio ao pânico geral que se seguiu à concordata do banco Lehman Brothers, o colapso do sistema bancário só foi evitado mediante a aquisição de emergência, pelo Tesouro, de 400 bilhões de dólares em ativos de Wall Street. A debacle, produto final da era Clinton, garantiria a derrota cabal do republicano John McCain algumas semanas depois.

 

Mas a vitória do Partido Democrata nas urnas foi mais que um reflexo do naufrágio da economia. Ela correspondeu a uma mudança notável e gradual na sociologia do eleitorado, em curso desde os anos 90. O operariado branco conquistado por Nixon e Reagan havia encolhido: entre 1980 e 2010, a proporção de brancos sem nível superior caiu de 70% para 40%. Enquanto isso, o eleitorado não branco – negros, hispânicos e asiáticos – havia dobrado, de 13% para 26%, desde 1992, quando Clinton conquistou os votos desses segmentos.

Dali em diante, nenhum republicano obteve a maioria dos votos dos hispânicos, o segmento de mais rápido crescimento. E o mais importante: as mulheres começaram a votar em maior número do que os homens na década de 80 e, a partir dos anos 90, uma grande maioria delas vota invariavelmente nos democratas.

A esses dividendos demográficos, somaram-se os efeitos cumulativos da desregulamentação cultural, com uma queda brusca nos índices de casamento e de adesão a uma fé religiosa.

Nos anos 50, mais de 90% dos eleitores americanos de menos de 30 anos eram casados; hoje eles são menos de 30%. Os pares casados formam agora apenas 45% dos lares, e os que têm filhos, apenas 20%. Mais de um quarto da população já não se considera cristã. Essa liberalização dos costumes – compatível com o conformismo pró-mercado – foi mais longe entre os jovens e os profissionais liberais abastados, que tendem a votar nos democratas. A Califórnia, o estado mais populoso do país, tornou-se democrata, por maioria absoluta, em meados dos anos 90.

O efeito final dessas mudanças foi substituir uma política baseada grosso modo nas classes sociais por outra baseada nas identidades. As tendências tradicionais do eleitorado perderam importância ou deram uma guinada de 180 graus. Em 2008, a maioria dos eleitores brancos que ganhavam menos de 50 mil dólares por ano votou em McCain; a maioria dos que ganhavam mais de 200 mil dólares votou em Obama. Quatro anos depois, oito dos dez municípios mais ricos do país votaram em Obama.

Crise financeira, mudanças demográficas, permutação sociocultural: no final do governo Bush, tudo favorecia os democratas. A esses fatores, o candidato acrescentou sua própria carga simbólica. Obama foi escolhido candidato em 2008 porque, pela primeira vez, o Partido Democrata exigiu a representação proporcional em todas as suas primárias. Caso tivessem valido as regras de sempre, segundo as quais o vencedor em cada estado leva todos os delegados locais, Hillary Clinton – que venceu em sete dos dez estados com maior delegação na Convenção Nacional Democrata – teria ganhado facilmente a disputa no partido.

A mudança das regras produziu o candidato perfeito para a ocasião: não só mais jovem, mais frio e mais eloquente, como também magnético para as minorias das quais dependia a vitória. Personificação do triunfo nacional sobre o preconceito racial; demonstração do sonho americano do sucesso possível para todos; portador da esperança para os esquecidos e os aflitos – Obama podia se encaixar em qualquer uma dessas imagens edificantes. Uma vez investido no cargo, sua aparência e desenvoltura geraram um governante tipo celebridade – uma espécie de John Kennedy para uma época multicultural.

No eleitorado em geral, a cor continua sendo um fator de divisão, mas as equações mudaram. O racismo que ainda é muito comum, embora não declarado, deixou de ser uma vantagem implícita e passou a ser uma nítida desvantagem na disputa política. Entre os eleitores, a perspectiva de ter um presidente apenas metade branco gerou menos hostilidade do que o entusiasmo despertado pelo primeiro presidente metade negro.

A importância da cor, que foi crítica para dar a vitória a Obama nas urnas, tem sido mínima na sua atuação no cargo. No seu governo, um em cada cinco homens negros continua a ser encarcerado em algum momento da vida. Os índices de desemprego e pobreza entre os negros não mudaram. Os interesses do governo democrata têm se concentrado em outras áreas. Sua primeira preocupação foi, necessariamente, conter a crise financeira: os bancos tinham sido socorridos no governo Bush, mas a economia estava em queda livre.

Para deter a crise, um pacote de estímulo de emergência de 800 bilhões de dólares foi aprovado no Congresso. Mais uma vez, os cortes de impostos formavam o maior componente do estímulo (37%). Mas, desta vez, despesas variadas em infraestrutura, pesquisa, energia e programas sociais compunham quase metade do total (45%), num pacote saudado por seus admiradores como “um novo New Deal”.

A reforma da saúde, na qual Clinton tinha fracassado, foi a próxima prioridade. Com maioria no Congresso, Obama pôde aprovar o chamado Obamacare, buscando universalizar a cobertura de saúde ao mesmo tempo que reduzia seus custos, de modo que a reforma pudesse se pagar.

Para evitar mais caos financeiro, a Lei Dodd-Frank multiplicou os órgãos de fiscalização de Wall Street e os deveres dos órgãos já existentes. Para manter a vigilância contra o terrorismo, o governo prorrogou a prática de escutas telefônicas sem mandado judicial. Igualmente importante: o orçamento militar, por volta de 629 bilhões de dólares quando Bush deixou o cargo, aumentou ainda mais no governo Obama, para 707 bilhões em 2012. A dívida pública, de 10,7 trilhões de dólares em 2008, saltou para quase 16 trilhões no final do seu primeiro mandato.

 

O fato de que os parâmetros do sistema político mudaram muito pouco com a volta dos democratas à Casa Branca pode ser constatado na continuidade dos programas dos governos de Bush e de Obama. Ambos os presidentes, como Reagan antes deles, tomaram posse numa recessão e reagiram com cortes de impostos para estimular a economia. Ambos aprovaram medidas fracas para conter os excessos financeiros. Ambos ampliaram os benefícios de saúde para ganhar apoio social. Ambos aumentaram o financiamento federal para a educação. Ambos aumentaram os gastos militares e limitaram as liberdades civis. Ambos fizeram o déficit disparar.

A principal diferença fica por conta do volume e da direção dos benefícios laterais, que cada partido distribui segundo as próprias bases. Mas nem Bush nem Obama se afastaram de um quadro delimitado pela necessidade de garantir a confiança do mundo dos negócios, de um lado, e apaziguar os eleitores, do outro. Sob o republicano, os complementos ideológicos de sustentação do regime resultaram num nacionalismo hiperbólico, alimentando a reação aos ataques do 11 de Setembro e encobrindo o viés tributário favorável aos mais ricos. Sob o democrata, os resultados de sucessivas expedições ultramarinas tinham esgotado essa fórmula, abrindo espaço para uma alternativa ideológica que, no jargão local, poderia ser chamada de “liberalismo compassivo”, incluindo um aumento nos gastos públicos e um regime tributário favorável aos menos abastados.

A diferença política foi suficiente para manter Obama na Casa Branca na eleição de 2012. Mas ela dificilmente altera os limites do regime de acumulação em vigor desde os dias de Carter e Reagan. As verbas dispersas do pacote de estímulo federal, muitas vezes anuladas por cortes de gastos dos governos estaduais, não mudaram a vida de seus destinatários. O Obamacare é muito mais ambicioso do que o projeto de Bush de subsidiar os medicamentos dos idosos. No entanto, as duas legislações foram feitas nos mesmos moldes: a extensão dos benefícios sociais se dá em troca de uma mina de ouro para a indústria privada de saúde – num caso, garantindo aos laboratórios, com seus remédios a preços extorsivos, um mercado subsidiado pelo Estado; no outro caso, ampliando a clientela explorada pelas seguradoras de saúde.

Quando chegou o ano eleitoral de 2012, o governo Obama já estava muito consciente do apelo popular modesto da reforma da saúde e dos parcos efeitos do pacote de estímulo na população mais afetada pela crise. Sua resposta foi passar ao ataque contra as políticas republicanas que beneficiaram os mais ricos, o que teve um efeito muito maior. Essa virada retórica foi fundamental, ideologicamente, para a reeleição de Obama, mas teve importância prática limitada: um aumento de meros 5% na alíquota máxima do imposto de renda pago pelos muito ricos, ainda assim compensado pela continuidade dos cortes tributários de Bush para todos os que ganham menos de 400 mil dólares anuais.

 

Obama ajudou a impedir que a economia americana entrasse em queda livre em 2010: segundo estimativas convencionais, as medidas tomadas por seu governo salvaram cerca de 3 milhões de empregos e 6% do PIB. O crescimento continuou anêmico – pouco mais de 2% durante todo o primeiro mandato – e o desemprego elevado, oficialmente calculado em cerca de 12 milhões de pessoas, ou 8% da força de trabalho. Mas, dado que a quebra financeira de 2008 foi um choque maior do que o sofrido por qualquer outro grande país capitalista, a reação em curto prazo foi eficaz.

Com menos ativos em risco, os principais países europeus tiveram desempenho pior: ao longo do mesmo período de crise, o crescimento médio na Alemanha foi de 0,7%; na França, de 0,075%; na Grã-Bretanha, de -0,2%; e na Itália, de -1,45%. O desempenho acompanhou as medidas adotadas: austeridade fiscal para equilibrar os orçamentos na Europa, abundância fiscal para frear a recessão nos Estados Unidos.

Mas a chave para a sobrevivência política de Obama foi o privilégio dos Estados Unidos como detentor da moeda internacional de reserva. Isso lhe dá a capacidade que nenhum outro país tem de incorrer no déficit que quiser sem grande risco de assustar os detentores estrangeiros de títulos americanos. Mesmo enquanto seu déficit comercial cresce sem parar e sua dívida pública aumenta, os Estados Unidos continuam sendo a fortaleza central da economia capitalista mundial e, em tempos de incerteza geral, o refúgio mais seguro para quem tem dinheiro para aplicar. Embora as medidas tomadas pelo governo democrata tenham sido do tipo tapa-buraco, o fato é que o buraco onde a economia americana corria o risco de cair foi evitado.

As tendências de longo prazo da economia são outra questão. Na campanha pela reeleição, Obama criticou o abismo entre os super-ricos e a “classe média” – o eufemismo do país para designar o resto da população, já que a sociedade americana, por definição, não tem classes baixas. Ele prometeu endireitar essa situação com impostos mais justos. A retórica tem tido pouca relação com a realidade. No governo Obama, a desigualdade continuou a crescer. Um ano depois do pacote de estímulo, Wall Street distribuiu a seus altos executivos o segundo maior volume de bônus de que há registro – 140 bilhões de dólares. Em 2011, enquanto 45 milhões de americanos recebiam cupons de alimentação e os salários medianos caíam 2,7%, os lucros empresariais eram 50% maiores do que em 2008, e a desigualdade, medida pelo índice de Gini, registrava seu maior aumento desde 2003.

Até agora tem havido poucos protestos populares. A única tentativa de despertá-los, o movimento Occupy, não conseguiu insuflar uma reação em massa. Mesmo quando seus slogans foram incorporados aos discursos presidenciais, seus efeitos foram limitados. Uma campanha destacando a arrogância e o egoísmo dos ricos, personificados por Mitt Romney, seu oponente bilionário, manteve Obama no cargo. Mas não galvanizou uma mobilização popular. Menos pessoas se deram ao trabalho de votar do que em 2008; o titular do cargo perdeu cerca de 4 milhões de apoiadores; seu adversário ganhou meio milhão. Assim como seus predecessores, o presidente voltou à Casa Branca com a concordância de cerca de um quarto da população adulta. O clima predominante continua não sendo de indignação nem de entusiasmo, mas sim de apatia despolitizada.

 

É exatamente esse clima de apatia que concede às minorias ativas um poder no sistema político superior ao seu contingente numérico. A polarização dos pontos de vista é justamente o que interessa a essas minorias. No vácuo criado pela maioria – um conjunto desorganizado de cidadãos passivos, dispersos por um vasto continente –, as paixões de uns poucos, aqueles com vontade e meios para se mobilizar, assumem uma intensidade peculiar, pouco afetada pela dormência circundante.

Mas, como já foi muito observado, a polarização foi assimétrica. Do lado democrata, a posição se manteve mais ou menos onde tem estado desde o fim da era do New Deal: um centrismo agora animado por uma repulsa a seu oponente muito maior do que antes, mas de resto pouco radicalizado em questões substanciais, exceto nas culturais. No lado republicano, ao contrário, a radicalização tem sido bem marcada, numa inclinação para a direita que já atraiu uma grande literatura. O que explica essa assimetria?

Ela não é nova. A estrutura do universo ideológico totalmente capitalista – um firmamento mental em que a santidade da propriedade privada e a superioridade da iniciativa privada são consideradas verdades absolutas por todas as forças na arena política – é tal que, em qualquer tempo, a tendência é haver mais elasticidade para a direita do seu centro de gravidade do que para a esquerda. É na direita que esse sistema de convicções básicas se presta a uma articulação mais forte, e a um apelo mais imediato. Isso não ocorreu nas emergências da Depressão e da guerra nos anos 30 e 40, quando o papel do Estado na sustentação do mercado e na defesa da nação era demasiado evidente para ser negado. Assim que a paz voltou, começou a reação.

Desde então, quatro características vieram diferenciar a cultura política da base republicana da de qualquer partido conservador europeu. A primeira e mais fundamental é o grau de hostilidade em relação ao Estado. A segunda foi o desenvolvimento de um tipo de nacionalismo peculiar aos Estados Unidos, mais hiperbólico do que o de qualquer outra sociedade ocidental. A terceira foi a captura do Sul pelo Partido Republicano, a solidez de um racismo do Novo Mundo, originário de uma sociedade escravagista colonial que se tornou um item não declarado no portfólio afetivo do partido. A quarta compreende os novos rótulos no antigo mercado da intolerância religiosa, que se aproximaram da causa republicana à medida que a secularização tomou conta do eleitorado democrata.

Dois dos quatro fatores – a raça e a religião – foram transferências tardias do bloco democrático, no qual antes se abrigavam o chamado Cinturão da Bíblia e as leis racistas. Até mesmo um terceiro fator, o nacionalismo expansionista, foi apenas uma paixão intermitente: os dirigentes republicanos do início do século XX eram isolacionistas, não imperialistas. No seu devido tempo, a Guerra Fria trouxe o imperialismo, o democrata Lyndon Johnson perdeu o Sul ao aprovar a Lei dos Direitos Civis e a Lei do Direito de Voto, e o televangelista Jerry Falwell [um dos fundadores da Maioria Moral] chamou Deus para o Partido Republicano.

Esse coquetel se destinava a inebriar as bases republicanas. O alto comando, que desde o século XIX estava solidamente ancorado nas grandes empresas, permaneceu mais sóbrio. Seguindo um padrão que começou nos anos 50, os surtos de extravagância vindos de baixo seriam freados pelos realistas de cima. O senador Joseph McCarthy foi vencido pela Comissão Watkins, que investigou sua caça às bruxas. Os radicais anticomunistas da Birch Society foram isolados pelo influente [colunista conservador] William Buckley. Até Reagan, para os puristas, decepcionou no final. Newt Gingrich [que conduziu os republicanos na conquista da maioria legislativa, em 1994] desinflou. A turbulência mais recente, a do Tea Party, provavelmente não será mais duradoura.

Mesmo no ano passado, quando os comentaristas afirmaram que o Partido Republicano vivia um surto de demência coletiva, nenhum candidato mais exaltado chegou nem perto de vencer a disputa interna pela candidatura presidencial, que terminou com uma vitória fácil para o candidato mais convencional disponível [Romney].

Isso não quer dizer que pouco tenha mudado desde os anos 90. O maior peso do Sul no bloco republicano e a perda da Costa Oeste serviram para endurecer e estreitar o conservadorismo americano. Mas as cartas da raça e da religião não vencem uma partida; e o imperialismo passou para as mãos do seu oponente. Como apelo, continua o antiestatismo, com o próprio Tea Party passando do fanatismo moral para o fanatismo fiscal. Nos Estados Unidos, onde há mais proprietários de pequenas empresas do que sindicalistas, existe uma base social para isso no estrato dos pequenos empregadores que povoam o Tea Party e compõem 40% da nova bancada republicana na Câmara. Mas a rejeição aos impostos perdeu atração, e agora funciona mais como um slogan de defesa do que de ataque.

Desanimado com a derrota de 2012, mas não suficientemente chacoalhado por um resultado nacional que, estatisticamente, ainda foi bastante apertado, é bem claro que o Partido Republicano perdeu o rumo. Mas as carreiras terão mais importância do que as convicções, à medida que a nova realidade eleitoral se imponha. O oportunismo não é monopólio dos democratas. No passado, as conversões eleitoreiras transformaram muitos ex-republicanos moderados em conservadores intransigentes. Podemos esperar correções de rumo na direção oposta entre os ultraconservadores de hoje.

 

Enquanto isso, os democratas estão no comando. As projeções demográficas os favorecem, agora que a presença dos jovens e dos hispânicos aumenta cada vez mais no eleitorado.

A vantagem ideológica também sopra a seu favor, uma vez que a raça e a religião se tornam obstáculos para a construção de uma maioria eleitoral. Após a vitória fortuita de Bush em 2000, a “guerra contra o terror” favoreceu a consolidação do poder republicano em 2004. Com o esfriamento dessa batalha, a administração do império deixa de exigir um clima de emergência nacional. Assim como nos anos 90 Clinton promoveu um reajuste social da fórmula de governo neoliberal, hoje Obama pode dar uma virada no aspecto cultural, sem medo de ser derrotado em um leilão da segurança do império.

Ampliando a vantagem democrata está seu predomínio sobre a grande mídia. Os programas de rádio e tevê que servem de megafones aos republicanos hoje só pregam para os convertidos. A formação da opinião pública onde ela importa – entre os abastados e instruídos e no segmento independente do eleitorado – é o território da grande mídia impressa. Se vigora um regime de partido único nos estados de domínio republicano, na capital do país quase 90% dos chefes de redação votaram em Clinton em 1996. Os departamentos universitários são só um pouco menos monolíticos, com quase 80% de eleitores de John Kerry em 2004. Em 2012, os principais jornais de todas as cidades importantes, excluindo o Sul – Nova York, Los Angeles, Chicago, Filadélfia, Denver, Boston, Washington –, apoiaram Obama.

A demografia e a ideologia não são os únicos terrenos em que o equilíbrio de forças se alterou. Em meados dos anos 70, os custos de uma campanha bem-sucedida para o Congresso giravam em torno de 100 mil dólares; em 2002, chegaram a 1,5 milhão de dólares. O gasto total nas campanhas presidenciais subiu de maneira mais gradual, passando de uma base de 300 milhões de dólares nas décadas de 80 e 90 para 400 milhões de dólares em 2000, e saltando para 850 milhões de dólares em 2004, quando Bush e Kerry arrecadaram quase 400 milhões cada um.

Quatro anos mais tarde, Obama abriu mão do financiamento público de campanha – e das restrições que o acompanham – e amealhou cerca de 800 milhões de dólares, esmagando McCain na maior vitória financeira da história americana: uma margem de 68% para 32%, muito maior do que sua margem de votos nas urnas. Uma vez no cargo, o presidente não perdeu tempo, batendo mais um recorde na busca pelo dinheiro. Cinco meses após a posse, Obama já estava novamente solicitando doações. Em meados de 2011, com a reeleição a mais de um ano de distância, ele participou de mais eventos para arrecadar fundos do que Carter, Reagan, o primeiro presidente Bush e Clinton juntos, e estava a caminho de ultrapassar todos os seus cinco antecessores combinados – incluindo o segundo Bush – em suas campanhas de reeleição. Na campanha de 2012, Obama mais uma vez dobrou sua arrecadação, dessa vez igualado por Romney. Os dois candidatos, juntos, levantaram 3,2 bilhões de dólares em seu próprio nome e no de suas respectivas organizações – um total de 7 bilhões.

Nesse dilúvio de dinheiro, o Partido Democrata também está na dianteira. Já em 2004 o Comitê Nacional Democrata arrecadou mais que o republicano. Aos seus doadores tradicionais – a indústria do entretenimento, os advogados criminalistas, os sindicatos, o Vale do Silício –, o partido agregou um fluxo de caixa vindo de uma base leal na internet e uma chuva de fundos dos setores imobiliário, bancário e de saúde. Os laços com o setor financeiro, formados na década de 90, se fortaleceram.

A mudança na preferência do empresariado é, em parte, um simples reconhecimento de qual partido está em ascensão e em condições de retornar mais favores. Mas também reflete cálculos racionais sobre qual dos dois é melhor para estabilizar o capitalismo num período de turbulência, quando a economia precisa de mais injeções de dinheiro e a sociedade, de uma retórica de diversidade e inclusão. Do seu lado, o Partido Democrata está usando sua riqueza recém-adquirida para construir uma máquina partidária mais poderosa do que qualquer coisa que esteja nos planos dos republicanos. Para isso, converteu a máquina da campanha de Obama em uma organização “sem fins lucrativos”, destinada a manter seus partidários a postos durante todo o mandato. Seus estrategistas preveem uma era duradoura de domínio político.

 

Consideradas em si mesmas, as duas vitórias de Obama não chegam a configurar uma virada no sistema político. Nem sua escala nem seu contexto se comparam, como marcos históricos, aos da vitória de Roosevelt ou de Reagan. A margem de vitória de Obama não só foi menor, como caiu depois do primeiro mandato, enquanto a de Roosevelt e a de Reagan aumentaram. Isso não impede uma posterior consolidação dinástica sob Hillary Clinton.

A diferença mais importante reside no contexto estrutural do governo Obama. Roosevelt e Reagan assumiram o cargo quando o regime anterior de acumulação se esgotara e os contornos de um novo regime apenas se esboçavam. Nos anos 30 não havia escassez de ideias – Escola de Estocolmo, John Maynard Keynes, Hjalmar Schacht – para vencer a Depressão, embora o New Deal levasse algum tempo para recorrer a elas. Na década de 80, havia muito se preparava um contra-ataque neoliberal – os austríacos, a Escola de Chicago –, com um arsenal de receitas para lidar com a ameaça da estagflação. Hoje o regime de acumulação local está em crise. Objetivamente, porém, ainda não se trata de crise aguda, e subjetivamente a paisagem está nua de ideias em condições de delinear um novo regime. É esse impasse subjacente que produziu um cenário político profundamente dividido.

Nos Estados Unidos, as dificuldades imediatas foram enfrentadas com remédios de tipo keynesiano: excesso de gastos públicos em relação às receitas, ajuda às empresas. Na Europa, que não goza da prerrogativa imperial de imprimir dinheiro, a crise foi combatida com receitas semiaustríacas. Nenhum desses remédios oferece resposta à prolongada desaceleração das economias capitalistas avançadas, iniciada quarenta anos atrás. O que há é uma fuite en avant, para evitar o perigo de um colapso traumático. É um regime de acumulação que enriqueceu alguns extraordinariamente, mas não conseguiu restaurar o dinamismo no mundo atlântico nem na sua extensão, o Japão.

No momento de seu triunfo político, o governo Obama enfrenta pressões econômicas que abrem poucas oportunidades seja para as reformas sociais de Roosevelt, seja para a generosidade fiscal de Reagan: déficits ameaçadores, custo crescente dos benefícios sociais, crescimento fraco. Os substitutos culturais oferecem uma saída temporária: mudanças que custam pouco ou nada – legalização de imigrantes em situação irregular, controle de armas, casamento para todos. Para além delas, a margem de manobra parece pequena.

Desde o surgimento de um novo regime de acumulação, nos anos 80, os sistemas políticos do Atlântico conheceram dois tipos de hegemonia: por meio de uma fórmula orgânica para o governo neoliberal ou de uma nítida vitória eleitoral. Os dois tipos podem coincidir ou divergir. A expressão mais coerente e eficaz de uma ideologia e uma vitória decisiva nas urnas nem sempre são a mesma coisa. Na Grã-Bretanha, que foi pioneira nessa virada, Margaret Thatcher conseguiu uma hegemonia abrangente sem jamais conquistar a maioria do eleitorado, com o seu Partido Conservador nunca recebendo na época mais de 44% dos votos. Nos Estados Unidos, onde o terreno era mais favorável, Reagan combinou uma fórmula orgânica com amplas maiorias eleitorais.

Na década de 90, os regimes da Terceira Via de Clinton e Tony Blair ofereceram variantes ao legado dos antecessores, servindo, ao mesmo tempo, para aprofundá-lo e anestesiar seu impacto. Ambas foram “hegemonias sem peso”. Hoje, vitórias eleitorais como as de Clinton e Blair são comuns na Europa, sem que os eleitos consigam se consolidar nos governos. Muitas dessas vitórias refletem sobretudo uma reação quase instintiva à crise, e não tanto a convicção sobre como sair dela.

Nos Estados Unidos, o privilégio de deter a moeda de reserva vem mitigando os efeitos da crise. Mas o impasse no regime de acumulação persiste em todo o sistema, e, na falta de alternativas mais abrangentes que sirvam à disputa política, as guerras culturais relativas à cor e aos costumes ganham uma importância desproporcional. O resultado é a polarização de que hoje se ocupam com tanta insistência os comentaristas. A ordem neoliberal se tornou uma terra de ninguém onde nenhuma fórmula orgânica de governo está à vista.

[1] O padrão-ouro limitava a autonomia para a emissão de moeda porque estipulava um câmbio fixo baseado nas reservas do metal.

[2] Grupos de interesse formados para financiar campanhas eleitorais.

[3] Acordo assinado entre os países do G-5 que se comprometeram a tomar medidas para reduzir a cotação do dólar visando salvar a indústria americana. O acordo estipulou um prazo de dez anos para efetivar uma desvalorização contínua do dólar em relação ao iene e ao marco alemão, acompanhada de uma década de congelamento de salários.

Perry Anderson

Perry Anderson, historiador inglês, é autor de Espectro e Afinidades Seletivas, pela Boitempo.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Mais textos
1

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

4

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

6

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

9

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

10

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde