poesia_FRANCISCO ALVIM

A saíra e o goleirão

Francisco Alvim
ILUSTRAÇÃO: CELA LUZ_2012

PROCURO

um gatinho

chamado Bentinho

PATO SONSO



Levei a tal da mordida

que não mata mas

aleija

Disseram: um pato coxo

Só que não sabiam:

das duas patas

COMPROMISSO

Não tenho com

ninguém

Pai irmão

filho

mulher

A minha família é

de outra ordem é

universal

E AÍ?

Quando eu morrer?

Quem vai tomar conta

de minhas coisas?

SALVA DE SILVOS      

Este cascavel

dobrei-o

contrito

Genuflexo

Carrego-o comigo

em meu bolso-

enrodilhado

Naquele em que jamais

meto a mão

NA GAVETINHA DE CIMA

fulana

onde está

o

raspador

de

osso

, né?

fazêoquê

PASSOS E MÃOS

Cada vez mais

trôpegos

Cada vez mais

trêmulas

O GOLEIRÃO SARKIS

se apertar

confessa

VER

Quem diria

Uma saíra amarela

que mistura as cores de Braque e

Matisse

Há dias

bate com seu biquinho

diminutas, sonoras

pancadinhas
na janela

ampla, iluminada

do novo escritório

Ela parece me dizer

Anda muda logo pra cá

Sai daquele quarto abafado

que não sei por que motivo

entre quatro paredes

nenhuma janela

você escolheu pra trabalhar

Anda sai lá de dentro

Vem cá fora

Vem me ver

Francisco Alvim

Francisco Alvim, diplomata e poeta, publicou a coletânea Poemas (1968–2000), coeditada pela 7Letras e Cosac Naify

Leia também

Últimas Mais Lidas

Vacina a jato

Contra a Covid-19, empresas e OMS analisam liberar produto com 60% de eficácia, mas pesquisadores debatem riscos éticos e sanitários

A Bíblia e a bala

Nas polícias, setores evangélicos pentecostais dão sustentação às posições mais radicais do bolsonarismo

No meio do fogo, entre o atraso e o retardante

Diante do avanço das queimadas no Pantanal, governo de Mato Grosso apela a produto químico de efeitos ainda desconhecidos no meio ambiente após longo tempo de uso

Dois trilhões de suspeitas

Documentos secretos do governo americano mostram como cinco bancos multinacionais ignoraram alertas e movimentaram dois trilhões de dólares de clientes investigados por crimes de todo tipo durante anos

Um calote de R$ 158 milhões

Grupo Schahin usou empresa de fachada para ocultar fortuna em processo de falência; documentos dos FinCEN Files organizados pelo ICIJ embasaram a reportagem

Mais textos
1

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

2

A vida e a morte de uma voz inconformada

Os últimos momentos de Marielle Franco, a vereadora do PSOL executada no meio da rua no Rio de Janeiro sob intervenção

4

Ray Kurzweil e o mundo que nos espera

Uma entrevista com o inventor e futurólogo americano

5

Qu4tro figuras (e mais 2)

Agora só tem o Homem de Ferro em Blu-ray, a privada virou "poltrono", a moça penteia o bigode e Stálin está no armário

6

Juízes vão ganhar auxílio-greve

“Você já viu o preço de um megafone hoje em dia? Sabe quanto custa mandar fazer faixas, camiseta, alugar carro de som?” Com essas palavras o ministro Luiz Fux justificou a aprovação do auxílio-greve para juízes federais que farão parte da mobilização que tenta barrar o fim do auxílio-moradia aos magistrados

7

Pero sin perder la broma

A revista que inferniza a monarquia espanhola se adapta aos tempos de crise

10

Chiclete com Banana adere à gourmetização e muda nome para Shitake com Macadâmia

AMARALINA - Em reformulação desde a saída do vocalista Bell Marques, o grupo Chiclete com Banana resolveu dar uma guinada radical para se adequar aos novos tempos. "Se você é diferenciado / Vem dançar ao som do berimbau goumertizado / Se Caetano estacionou o carro no Leblon / Eu brindo a vida com Paleta e Chandon", cantarolou o novo vocalista da banda, João Doria Junior.