poesia

A vida não tem agenda própria

Zulmira Ribeiro Tavares
ILUSTRAÇÃO: TRACCIAMENTI

INSTRUÇÕES AMOROSAS

Telefona-me a horas mortas
e em tempo de frio.
Estarei hibernando como as marmotas
ainda que cave meu abrigo sob edredons
fêmea que sou de um outro hemisfério.

Meu celular,
pequeno como o lóbulo de minha orelha,
ficará aberto o tempo em que as marmotas dormem
no subsolo do mundo.

E no celular que te envio,
do tamanho da unha de teu polegar,
digita o meu número,
acessa o meu nome.

 

MULHERINHA MULHERANDO

Três coisas nela são frias:
– o dedo dos pés
– a ponta do nariz
– o bico das tetas.
De quente ela traz o hálito
… e ofega.
O que tem de quente
e o que tem de frio
fazem as duas metades da noite.
Ela espanta as dores do mundo
e acende as luzes da cidade.



 

OS HOMENS DA PREFEITURA

Um poema escondido atrás de caixas
como ratos espreitando por baixo de fogões.

É um poema, e o seu pelo docemente cai
ao sopro do veneno que os homens põem
no coração das coisas.

Não são os homens da Prefeitura
chegando com suas pérolas confeitadas
que matam dentro do doce – Ouça
o poema uma vez e outra

como ratos miúdos e prolíficos
sujos da miséria de seus ventres envenenados
ao morrer.

 

MODO

Viveu a dura vida –
a dura vida calada.
Como um sapato vazio
sem cadarço viveu.
Um sapato cambaio
à deriva
sem ele dentro. Viveu
fora de si
a dura simples vida.
Descalçou-se para dormir
na pedra. Sem um ai –
um som de queda.

 

AGENDAS

O que me intriga na vida
É ela não ter agenda própria.

Escrevo eu em uma agenda
Ela por cima escreve a sua.

Por isso eu gosto da vida.
Porque não se leva a sério.

Porque me atraiçoa.

 

O ARQUITETO E A BAILARINA

Como um compasso
as pernas de aço abertas

Primeiro uma perna no chão
a outra perna na barra

Depois a troca das duas
pontas da sapatilha

Com os pés em ponta ela faz
aquilo que ele lhe ensina

O compasso nas mãos que o seguram
se abre e desenha um círculo

No umbigo ele a beija com a língua
como ajusta um parafuso

Sem exasperar a pressão
insiste e abre caminho

Avança seguro e cego –
na reta o ponto de fuga

Depois com mãos que arquejam
desenha a planta do mundo.

 

TRAVESTI

Prendeu a roupa no varal
e do outro lado dos lençóis
o mundo.

Esconde-se no branco lavado.
Não quer que o mundo, os outros a revelem

no sol que a incendeia.
E o seu nome é Radiância.

Quem o deu foi o doutor do Abrigo
sabedor dos que trazem na matalotagem
assombramento e luz.

Tendo por nome de chegada Cipriano
vindo da Paraíba ele
para São Paulo – Hoje

…Radiância ela,
no lusco-fusco das esquinas
Rainha.

Zulmira Ribeiro Tavares

Zulmira Ribeiro Tavares é escritora e poeta

Leia também

Últimas Mais Lidas

PT reelege, mas não renova

Se não fosse pelos prefeitos com mandato renovado, partido de Lula definharia ainda mais; siglas de direita como o Democratas avançam sobre adversários

Arco-íris na urna

Pelo menos 89 pessoas LGBT foram eleitas para as Câmaras Municipais em 69 cidades

A hora do Arenão

DEM e PP, oriundos do partido que deu sustentação à ditadura, elegem 1 140 prefeitos e lideram crescimento da velha direita

Sobra eficácia, faltam vacinas

Vacinas da Moderna e da Pfizer contra Sars-CoV-2 protegem 95 em cada 100 imunizados, mas primeiras doses já estão encomendadas para poucos e ricos países

Moral, religião e voto

O que continua igual e o que está mudando nas candidaturas religiosas

Empate e luto no sertão

Numa cidade paraibana, dois candidatos a prefeito recebem o mesmo número de votos; vereador sofre infarto durante apuração

Mais textos
2

O funcionário que não pediu perdão

Condenado por cumplicidade em crimes contra a humanidade, Maurice Papon é enterrado com a Légion d'honneur no peito

5

Renan, o flexível

Em meio à crise, o presidente do Senado ora dá conselhos a Dilma, ora confabula com a oposição

6

A era dos supermarqueteiros

A prisão de João Santana reorganizará o mercado das campanhas eleitorais, que já opera de sobreaviso desde a proibição, no ano passado, do financiamento empresarial

8

Godard antissemita? (3)

Para Richard Brody, Nossa música, de 2004, “é um filme de preconceitos pré-guerra enfeitados com ressentimentos pós-guerra – e, como muitas outras coisas na história do antissemitismo, com frustrações pessoais.” Nada convence Brody do contrário, nem mesmo o “simbolismo pessoal” indicado por Godard em entrevistas citadas pelo próprio Brody na biografia “Everything is Cinema The Working Life of Jean-Luc Godard” (sem edição brasileira).

9

“Chegou sem vida” 

As últimas horas de Dennys Franco, uma das nove vítimas de Paraisópolis, até dar entrada morto no hospital