tribuna livre das eleições

A volta da polarização?

A aliança entre Marina Silva e Eduardo Campos e a nova tática do PT para 2014

Marcos Nobre
Depois do terremoto de junho, o partido de Lula aposta que um grau ainda mais elevado de desorganização vai favorecer quem tiver maior disciplina, organização e recursos. Ou seja, o próprio PT
Depois do terremoto de junho, o partido de Lula aposta que um grau ainda mais elevado de desorganização vai favorecer quem tiver maior disciplina, organização e recursos. Ou seja, o próprio PT ILUSTRAÇÃO: NEGREIROS_2013

Durante a ditadura militar, nos anos 60 e 70, um dos programas mais populares da tevê era o telecatch, a luta livre encenada para toda a família. As figuras bizarras, os vilões e mocinhos de araque, o pastelão mambembe, tudo era devidamente combinado e arranjado. Bem de acordo com os limites repressivos do bipartidarismo rigorosamente controlado pelo regime. Com a redemocratização, esse tipo de programa foi desaparecendo, relegado aos nichos circenses de onde tinha surgido. Luta combinada não ornava com Constituinte e povo na rua.

Dentre as muitas estranhezas da longa transição para a democracia, uma das mais notáveis foi uma espécie de revival tardio do telecatch sob a forma da encenação de polarização política entre o PT e o PSDB depois das eleições de 2006. Ainda mais estranho porque aconteceu depois que a redemocratização se completou formalmente, depois que um presidente legitimamente eleito passou a faixa a um presidente de oposição legitimamente eleito.[1]

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Marcos Nobre

É presidente do Cebrap e professor de filosofia da Unicamp. Publicou Imobilismo em Movimento e Como Nasce o Novo

Leia também

Últimas

Queridos, encolhi o país

Brasil piorou em PIB, renda per capita, indicadores de saúde e educação

Passou a boiada e agora chama a polícia

Bolsonaro desmonta sistema de fiscalização ambiental e, pressionado por Biden, diz que Força Nacional vai combater desmatamento

A cada 15 minutos, um Henry pede socorro

Serviços de saúde atendem por ano quase 33 mil crianças de até 9 anos com sinais de violência física, sexual ou psicológica; em cada quatro agressões, três acontecem dentro de casa

Temas recorrentes, tragédias perenes

A Última Floresta documenta, com olhar antropológico, aldeia na terra Yanomami

É praia, é piscina, é viagem oficial!

As equipes precursoras de Bolsonaro aumentam o número de dias das viagens e aproveitam para fazer turismo às custas do dinheiro público

Sem clima pra boiada

Conferência de chefes de Estado quer metas concretas de redução do desmatamento ilegal; estratégia bolsonarista atropela acordos com Biden

Mais textos