diário

Agora o ator sou eu

Os bastidores do teatro inglês nas memórias de um de seus principais dramaturgos

Alan Bennett
Me agrada fazer coisas práticas – como trocar o pneu da bicicleta –, pois não são tarefas associadas a um temperamento como o meu. Tendo a pôr as relações sexuais nessa categoria também
Me agrada fazer coisas práticas – como trocar o pneu da bicicleta –, pois não são tarefas associadas a um temperamento como o meu. Tendo a pôr as relações sexuais nessa categoria também JOHN RAINFORD_WWW.JTPPHOTOGRAPHIC.PHOTOSHELTER.COM

Filho caçula de um açougueiro, Alan Bennett nasceu em Leeds, na Inglaterra, em 1934. Começou a trabalhar ainda criança: de bicicleta, entregava encomendas do comércio do pai. O bom desempenho na escola o levou a ganhar uma bolsa de estudos no Exeter College, da Universidade de Oxford, onde cursou história e também se envolveu com teatro. Chegou a lecionar história medieval, mas desistiu da carreira acadêmica depois do sucesso, em 1960, como autor e ator da revista satírica em esquetes Beyond the Fringe [Para Além do Alternativo], que revolucionou o humor britânico e influenciaria, entre outros, o grupo Monty Python. A partir de então, Bennett passou a se dedicar inteiramente à dramaturgia. Sua primeira peça, Forty Years On [Quarenta Anos Depois], estreou em 1968. Em poucos anos, Bennett se firmou como um dos nomes centrais do palco inglês por seu talento para escrutinar as instituições do país e transformar a vida e as obsessões comuns de seus conterrâneos em dramas afiados e irônicos.

Experimentou diferentes gêneros teatrais e construiu uma obra volumosa, que extravasa o teatro e se espalha por tevê, rádio, literatura e cinema. Junto com David Hare e Tom Stoppard, Bennett compõe a Santíssima Trindade do teatro contemporâneo inglês, sendo que, dos três, ele é o menos conhecido dos brasileiros. É dele o roteiro, entre outros, dos filmes As Loucuras do Rei George (1994, indicado ao Oscar de melhor roteiro adaptado) e A Senhora da Van (2015), baseados em peças que escreveu e dirigidos por Nicholas Hytner, colaborador frequente de Bennett nos palcos. Em 1994, publicou Writing Home, com escritos, críticas e um diário que manteve de 1980 a 1995, do qual piauí publica trechos a seguir. Nos fragmentos do diário, o leitor encontra Bennett por inteiro: sua observação atenta dos fatos e pessoas, seu humor e sua ferina reflexão política – sem falar nas saborosas gossips que ele oferece sobre vários ídolos do teatro e do cinema.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Alan Bennett

Dramaturgo e escritor inglês, é autor de Uma Real Leitora, da Record. Os trechos integram o livro Writing Home, da Faber & Faber

Leia também

Últimas Mais Lidas

Deputados do PSL na China mandam recado para Bolsonaro sobre Previdência

Integrante da comitiva diz que presidente deveria defender grupo das críticas de Olavo de Carvalho e avisa: “FHC perdeu sua reforma por um voto. Quantos votos o governo tem aqui na China?”

Olavo lidera insurgência entre bolsonaristas

Guru da extrema direita ataca comitiva do PSL na China, deputada responde e briga provoca racha em grupos pró-Bolsonaro no WhatsApp

Novo cargo, novo trampolim para Doria no Facebook

Depois de quase dois anos de queda, interações no perfil do tucano mais que dobram após a posse; movimento é atípico em relação a outros governadores

Foro de Teresina #35: O decreto das armas, o teatro de Witzel e a prisão de Battisti

Podcast da piauí discute os fatos da semana na política nacional

Meu Querido Filho – riscos da obsessão paterna

Filme tunisiano reflete sobre a relação entre pais extremados e seus rebentos

“Despetização” de Onyx tem só 1% de petistas

Em uma semana, governo Bolsonaro exonera 293 de cargos de confiança para eliminar quem "tem marca ideológica clara”, mas só 35 são filiados a partidos, dos quais três, ao PT

Foro de Teresina #34: O bate-cabeça de Bolsonaro, os novos escândalos do governo e a crise no Ceará

Podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Mourão não deixou filho desistir de promoção

Vice-presidente insistiu para Antônio Rossell Mourão aceitar cargo no BB, mesmo após a repercussão negativa: "Isso lhe pertence"

Sem médico, até repórter vira “doutor” para indígena na Amazônia

No Alto Solimões, onde 229 aldeias abrigam 70 mil índios de sete etnias, nenhum brasileiro apareceu para as vagas deixadas pelos cubanos

Espanto e incredulidade entre nós

Cultivar o passado ou lidar com a realidade: formas de reagir a novos tempos na política

Mais textos
1

Olavo lidera insurgência entre bolsonaristas

Guru da extrema direita ataca comitiva do PSL na China, deputada responde e briga provoca racha em grupos pró-Bolsonaro no WhatsApp

2

Deputados do PSL na China mandam recado para Bolsonaro sobre Previdência

Integrante da comitiva diz que presidente deveria defender grupo das críticas de Olavo de Carvalho e avisa: “FHC perdeu sua reforma por um voto. Quantos votos o governo tem aqui na China?”

3

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

4

The BolsozApp Herald

A rede social mais patriótica do Brasil

5

Genocídio

Em reportagem de 1969, o extermínio sem fim dos índios no Brasil

7

Povos da megadiversidade

O que mudou na política indigenista no último meio século

8

“Despetização” de Onyx tem só 1% de petistas

Em uma semana, governo Bolsonaro exonera 293 de cargos de confiança para eliminar quem "tem marca ideológica clara”, mas só 35 são filiados a partidos, dos quais três, ao PT

10

Foro de Teresina #35: O decreto das armas, o teatro de Witzel e a prisão de Battisti

Podcast da piauí discute os fatos da semana na política nacional