poesia

Americanas

Quatro poemas existenciais

Arthur Nestrovski
ILUSTRAÇÃO: LIVREMENTE INSPIRADA NO POSTER OLIVETTI LETTERA 22 DE GIOVANNI PINTORI_1953

A poeta americana Louise Glück foi a vencedora do prêmio Nobel de Literatura de 2020. O anúncio foi feito nesta quinta (8 de outubro de 2020) pela Academia Sueca. Glück, de 77 anos, é professora da Universidade Yale, nos Estados Unidos. Não há livros seus traduzidos no Brasil. A piauí publicou em 2018 poemas de quatro americanas, Glück entre elas. 

“Uma das mais puras sensibilidades poéticas que se pode encontrar no mundo hoje”, escreveu sobre a poeta o crítico Daniel Mendelssohn. O elogio se explica, em parte, pelo fato de Mendelssohn ser também um renomado professor de literatura clássica. A poesia de Glück, habitualmente descrita como uma reflexão sobre a família, o casamento, a relação mãe-e-filha e a passagem do tempo, não menos habitualmente é descrita também como arte “clássica”, uma poesia de elegância e controle, com muitas referências a figuras da literatura antiga, especialmente femininas (Penélope e Perséfone, por exemplo).
Já outro crítico importante, Dwight Garner, fala de seu livro Ararat como “brutal, carregado de sofrimento”.  O contraste entre as citações não chega ser uma contradição. Glück parece ao mesmo tempo controladamente classicista e desesperadamente íntima, um tanto à maneira de Sophia de Mello Breyner Andresen, talvez quem mais se aproxime dela, em língua portuguesa. Uma e outra dimensão estão presentes nesse “Fragmento Arcaico”, que saiu (em tradução minha) na piauí em fevereiro de 2018, quando seu nome ainda era pouco conhecido entre nós.

(Atualização em 8 de outubro de 2020) 

*

POETRY



I, too, dislike it.
Reading it, however, with a perfect
contempt for it, one discovers in
it, after all, a place for the genuine.

 

POESIA 

Também não gosto.
Isto posto, pode-se ler com puro
desgosto e intuir no
fundo, a contragosto, um lugar do genuíno.

– MARIANNE MOORE (1887–1972)

 

IN THIS DREAM 

In this dream the typewriter
is a piano    and I play
with unplanned accuracy and
such fluency you would think
I was a Southerner whose tradition
recommended continuous telling

or an Englishwoman home at last
writing    writing in English     you
would think that I was one
of the persons in charge of this
language    owning it from infancy
if this piano    on which I have learned
to play preludes nicely    if
this piano were a typewriter

 

NESTE SONHO 

Neste sonho a máquina de escrever
é um piano    e eu toco
com precisão espontânea e
fluência tal que seria de pensar
que eu fosse uma daquelas mulheres do Sul
que têm tradição de falar muito e bem

ou uma inglesa finalmente em casa
escrevendo   escrevendo em inglês   seria
de pensar que eu fosse
uma das pessoas encarregadas desta
língua    dominada desde a infância
se este piano     em que dou conta
de tocar alguns prelúdios   se
este piano fosse uma máquina de escrever

– GRACE PALEY (1922–2007)

 

ARCHAIC FRAGMENT 

I was trying to love matter.
I taped a sign over the mirror:
You cannot hate matter and love form.

It was a beautiful day, though cold.
This was, for me, an extravagantly emotional gesture.

……. your poem:
tried, but could not.

I taped a sign over the first sign:
Cry, weep, thrash yourself, rend your garments –

List of things to love:
dirt, food, shells, human hair.

……. said
tasteless excess. Then I

rent the signs.
AIAIAIAI cried
the naked mirror.

 

FRAGMENTO ARCAICO 

Tentava ter amor pela matéria.
Colei uma frase no espelho:
Não se pode odiar a matéria e amar a forma. 

Fazia um dia lindo, mas frio.
Isso, para mim, era um gesto de extravagância emocional.

……. teu poema:
tentei, mas não deu.

Colei outra frase em cima da primeira:
Grita, chora, te escabela, rasga tuas roupas 

Lista de coisas para se amar:
Sujeira, comida, conchas, cabelos

……. disse
excesso de mau gosto. Então

arranquei as frases.

AIAIAI gritou
o espelho cristalino.

– LOUISE GLÜCK (1943)

 

EXSANGUINATION

Life as it unfolds
ever more eludes
examination.

We wonder what is best –
exsanguination in a rush,
or in 1,000 small slashes.

 

SANGRADURA

A vida que vai se desenrolando
vai cada vez mais escapando
à compreensão.

A gente se pergunta o que é melhor:
uma sangradura só,
mil pequenos talhos, ou não.

– JOYCE CAROL OATES (1938)

Arthur Nestrovski

Compositor, violonista e crítico literário e musical, é diretor artístico da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo.

Leia também

Últimas Mais Lidas

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Editoras na berlinda

As editoras de revistas científicas foram objeto de uma polêmica inflamada na internet durante a semana que passou. A discussão foi desencadeada por uma coluna do ambientalista George Monbiot no jornal The Guardian, que as definiu como “os capitalistas mais impiedosos do mundo ocidental” e as acusou de violar o direito humano de acesso ao conhecimento. A mais ácida das reações despertadas pelo artigo veio de um editor do grupo Nature, para quem Monbiot usou argumentos simplistas e ignorou mudanças recentes do mercado editorial.

9

Crise na Bahia: Cláudia Leitte rouba sotaque de Ivete Sangalo

TODOS OS SANTOS - A greve de policiais na Bahia gerou uma onda de saques, pânico e rebolation nunca antes registrada. Em Itapuã, foram surrupiados o torso de seda, o brinco de ouro, o pano-da-costa, a bata engomada e a sandália enfeitada que a baiana tinha. Denúncias anônimas dão conta de que onomatopeias de Carlinhos Brown são traficadas à luz do Farol da Barra. Já em Amaralina, duas rimas de Caetano Veloso foram furtadas. Ou não.

10

Cremosa como um brie

Água incolor, insípida e inodora é para deseducados