anais da literatura e do crime

Amizade bandida

A relação entre Norman Mailer e Jack Abbott, o presidiário-escritor

Alejandro Chacoff
Jack Henry Abbott, de bigode, toma chá em Nova York com Norman Mailer e o editor Erroll McDonald. Mailer ficou impressionado quando começou a trocar cartas com Abbott; achou que ele escrevia “de forma intensa, sem firulas”, com uma “voz única”
Jack Henry Abbott, de bigode, toma chá em Nova York com Norman Mailer e o editor Erroll McDonald. Mailer ficou impressionado quando começou a trocar cartas com Abbott; achou que ele escrevia “de forma intensa, sem firulas”, com uma “voz única” FOTO: JILL KREMENTZ

Em O Dorminhoco, ficção científica dirigida por Woody Allen, há um momento em que o protagonista, interpretado pelo próprio diretor, diz a um cientista: “Norman Mailer doou seu ego para a Escola de Medicina de Harvard.” Se houvesse um critério oficial para definir um passaporte nova-iorquino, acho que seria esse: ser alvo de uma piada de Woody Allen. Em 1973, quando o filme foi lançado, Mailer já era Mailer. Mulherengo, briguento, falastrão, bebum – com um time de adoradores e outro, igualmente forte, de inimigos. Depois do sucesso de seu primeiro romance, Os Nus e os Mortos, em 1948, o escritor havia publicado livros, ensaios, reportagens, biografias, filmes, entrevistas. Com Joan Didion, Tom Wolfe e Truman Capote, era uma das principais figuras do novo jornalismo americano, movimento influente que acolhia e incentivava o uso da subjetividade e técnicas de narrativa ficcional em textos jornalísticos. Em 1969, Mailer havia concorrido à prefeitura de Nova York. Sua campanha tinha como plataforma a secessão da cidade, que constituiria o 51º estado da União. Perdeu feio, mas até alguns de seus detratores passaram a admirá-lo.

Mailer gostava de cartas. Quando conversei com seu biógrafo oficial e amigo de toda a vida, J. Michael Lennon, em março passado, ele me disse que havia em torno de 45 mil cartas no acervo do escritor. Lennon está selecionando a correspondência para um livro a ser lançado pela editora Random House ainda este ano. Das cartas que li, minha preferida é um bilhete que enviou a seu ídolo de juventude, Ernest Hemingway, em junho de 1955.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Alejandro Chacoff

É escritor, ensaísta e crítico literário da piauí. Autor do romance Apátridas (Companhia das Letras)

Leia também

Últimas

Queridos, encolhi o país

Brasil piorou em PIB, renda per capita, indicadores de saúde e educação

Passou a boiada e agora chama a polícia

Bolsonaro desmonta sistema de fiscalização ambiental e, pressionado por Biden, diz que Força Nacional vai combater desmatamento

A cada 15 minutos, um Henry pede socorro

Serviços de saúde atendem por ano quase 33 mil crianças de até 9 anos com sinais de violência física, sexual ou psicológica; em cada quatro agressões, três acontecem dentro de casa

Temas recorrentes, tragédias perenes

A Última Floresta documenta, com olhar antropológico, aldeia na terra Yanomami

É praia, é piscina, é viagem oficial!

As equipes precursoras de Bolsonaro aumentam o número de dias das viagens e aproveitam para fazer turismo às custas do dinheiro público

Sem clima pra boiada

Conferência de chefes de Estado quer metas concretas de redução do desmatamento ilegal; estratégia bolsonarista atropela acordos com Biden

Mais textos