tribuna livre da luta de classes

A armadilha em que a esquerda se meteu

Se o objetivo é reduzir a pobreza e a desigualdade, não há alternativa ao projeto social-democrata de FHC

Samuel Pessôa
ILUSTRAÇÃO: ROBERTO NEGREIROS_2016

Cresci numa família paulistana de classe média alta em que o nome do Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo, quando pronunciado, gerava reações de reverência do tipo que no passado provavelmente era reservado a santos ou cardeais. Tínhamos a impressão, na década de 80, de que as teorias e interpretações que saíam da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas ainda eram capazes de deixar os franceses de queixo caído. Anos antes, aquela havia sido a escola do “seminário Marx” – quando professores da casa se dedicaram a ler em detalhe e interpretar de maneira inovadora a complexa obra do pensador alemão. Era também, como sabíamos, a escola de Marilena Chaui, uma das maiores especialistas em Spinoza; de José Arthur Giannotti e Ruy Fausto, os grandes conhecedores de Marx; de Paulo Arantes, autoridade em Hegel. Ainda hoje não sei dizer se a imagem de excelência que associávamos àquele departamento, na minha juventude, correspondia à verdade. Com o passar dos anos ficou-me a impressão de certo provincianismo paulista nos festejos. Seja como for, a importância do departamento para a profissionalização da filosofia no Brasil é inegável.

Assim, quando comecei a ler o artigo de Ruy Fausto na piauí de outubro – “Reconstruir a esquerda” –, imaginei que dificilmente alguém teria melhores credenciais intelectuais para fazer a reflexão a que ele se propunha: analisar a crise da esquerda brasileira. A reflexão é oportuna e, pelo que indicam os resultados eleitorais recentes, inevitável. O problema é que o professor emérito da USP recai em seu texto na mesma dificuldade em que, voluntariamente, a maior parte da esquerda brasileira tem se lançado nos últimos vinte anos: a demonização do governo de Fernando Henrique Cardoso e, consequentemente, a incapacidade de avaliar corretamente a experiência social-democrata de seus dois mandatos.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Samuel Pessôa

Samuel de Abreu Pessôa é sócio da consultoria Reliance e pesquisador associado do Instituto Brasileiro de Economia da FGV

Leia também

Últimas Mais Lidas

FORO DE TERESINA AO VIVO NO SEGUNDO TURNO

Saiba como acompanhar a transmissão.

PT reelege, mas não renova

Se não fosse pelos prefeitos com mandato renovado, partido de Lula definharia ainda mais; siglas de direita como o Democratas avançam sobre adversários

Arco-íris na urna

Pelo menos 89 pessoas LGBT foram eleitas para as Câmaras Municipais em 69 cidades

A hora do Arenão

DEM e PP, oriundos do partido que deu sustentação à ditadura, elegem 1 140 prefeitos e lideram crescimento da velha direita

Sobra eficácia, faltam vacinas

Vacinas da Moderna e da Pfizer contra Sars-CoV-2 protegem 95 em cada 100 imunizados, mas primeiras doses já estão encomendadas para poucos e ricos países

Moral, religião e voto

O que continua igual e o que está mudando nas candidaturas religiosas

Mais textos
1

O funcionário que não pediu perdão

Condenado por cumplicidade em crimes contra a humanidade, Maurice Papon é enterrado com a Légion d'honneur no peito

2

Posteridade!

Futuro da nação começa mal, mas acaba entrando nos trilhos

3

Eleições – porque política se aprende no colégio

Documentário usa disputa por grêmio escolar para discutir condições de ensino, democracia e conjuntura  

5

Charles Cosac decreta falência da Biblioteca Mário de Andrade

Recém-nomeado diretor da Biblioteca Mário de Andrade, a segunda maior do país, Charles Cosac decretou a falência da instituição em seu primeiro despacho, publicado em latim no Diário Oficial da Cidade de São Paulo e depositado sob a forma de livro-objeto na encruzilhada da avenida São Luiz com a rua da Consolação

6

Bate-boca entre MBL e bolsonaristas alimenta racha no antipetismo

Ofensas nas redes sociais explicitam a dificuldade em abraçar um mesmo candidato no início do ano eleitoral

7

Dilma tem reunião secreta com Diogo Mainardi em Veneza

TERRA DO NUNCA - Após o vazamento de uma reunião secreta de Dilma Rousseff com Ricardo Lewandowski e José Eduardo Cardozo, uma CPI foi instalada no Congresso para investigar o que faz Dilma nas horas vagas de suas viagens internacionais. "Num relatório preliminar, já descobrimos que Dilma foi a um show da Miley Cirus nos Estados Unidos, andou conspirando por uma nova Perestroika com Gorbachev na Rússia e vêm seguindo clandestinamente a turnê de Caetano e Gil pela Europa", denunciou Agripino Maia.

8

Molho rápido de atum

Hoje o almoço precisava sair num relâmpago e optamos por um clássico do tempo apertado, o molho de atum. As quantidades da receita abaixo podem ser dobradas e temos uma população flutuante – e hoje foram dezesseis pessoas. Usamos quatro latas de atum sólido para quase dois pacotes de massa. Mas bem que poderíamos ter usado cinco ou seis, pois quanto mais atum, melhor.

9

Sem almoço no FT

Martin Wolf alerta para os perigos da aliança entre a classe trabalhadora e a direita xenófoba

10

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi