portfólio

Armas de lucro em massa

Enquanto o Congresso americano discute como tirar as tropas do Iraque, empresas continuam a faturar com a guerra

Christopher Griffith

Os números provocam choque e espanto. Segundo o Serviço de Pesquisa do Congresso americano, o custo da guerra do Iraque (Operação Liberdade Iraquiana, no jargão do Pentágono) e das suas congêneres, a Operação Liberdade Duradoura, no Afeganistão, e a Guerra Global ao Terror, podem facilmente ultrapassar, neste ano, a marca de 600 bilhões de dólares. Por mais que o número pareça assombroso, Joseph Stiglitz, ganhador do prêmio Nobel de Economia, e Linda Bilmes, economista de Harvard, calcularam que o custo real já excede 2 trilhões de dólares. O montante que o Congresso destina todos os anos para as guerras ─ o valor médio de 127 bilhões de dólares ─ é maior do que os mercados globais de sabão, heroína ou jogos de azar. Nas contas do Departamento de Defesa, as guerras no Iraque e no Afeganistão custaram, no ano passado, 6,8 bilhões de dólares por mês. No momento, essa cifra está próxima dos 8 bilhões de dólares por mês.

Se fizesse gastos com essa velocidade, em três anos e meio a General Electric não valeria mais coisa alguma, a fortuna pessoal de Bill Gates se evaporaria em sete meses e a Ford, que vem atravessando dificuldades, deixaria de existir em questão de semanas. Se essas guerras fossem bancadas por um cartão de crédito sem limite, o pagamento da fatura demandaria dinheiro equivalente ao PIB de três Irlandas ou onze Kuwaits, ou ao da Holanda ─ e ainda levaria, de quebra, o Sri Lanka.

Entre os maiores fornecedores do governo estão os nomes de sempre. Como a Boeing, que fornece helicópteros Apache ao preço de 32,7 milhões de dólares cada, em contratos que, no ano passado, totalizaram 20,3 bilhões de dólares. Mas o Pentágono também decidiu alistar as pastilhas M&M’s no complexo industrial-militar, destinando, em 2005, 55 milhões de dólares para a fábrica de chocolate Mars. A Monadnock Lifetime Products, pequena indústria de Fitzwilliam, em New Hampshire, que fornece algemas descartáveis de plástico a 1 dólar cada, teve, no ano passado, uma receita de 1,3 milhão de dólares somente com o que vendeu às forças armadas.

Em vários casos, o Departamento de Defesa tem dificuldade para especificar o que comprou de certos fornecedores. Perguntado sobre um pagamento de 321 milhões de dólares à Altria/Kraft, um porta-voz precisou de duas semanas para explicar que era por “alimentos diversos”. A Altria/Kraft foi incapaz de ser mais específica. Um porta-voz do exército repassou os pedidos de informação sobre compras feitas da Tyson Foods e da Dell a um funcionário de relações públicas da Halliburton, explicando que a última era a melhor fonte para a informação.



 

É surpreendente que uma aventura global desse porte, com custos sem precedentes, tenha provocado estragos tão pequenos na economia dos Estados Unidos. Uma das explicações é que, em vez de fazer desembolsos à medida que os gastos são realizados, grande parte da guerra está sendo financiada por meio de endividamento. E a dívida está nas mãos dos grandes protagonistas da economia global: o Japão, a Europa, a Arábia Saudita e a China.

Até alguma coisa mudar, os campos de batalha no Afeganistão e no Iraque representam uma bizarra vitrine e balcão de negócios para vastos setores da economia global. Como o armário dos sonhos de um adolescente rico, repleto de guitarras elétricas reluzentes, os artigos militares deste portfólio são provas cara,s tangíveis e exóticas do que dá para comprar com 2 bilhões de dólares por semana. Os Estados Unidos terão imensos estoques dessas mercadorias por muito tempo, mesmo depois que o conflito se encerrar. Embora muitos possam se opor à atuação dos EUA no Iraque, boa parte do globo também tem interesse em minimizar o impacto dessa política na economia norte-americana. Com tal nível de dispêndio, a noção de vitória ou derrota militar nem vem ao caso. Em algum ponto além dos 600 bilhões de dólares, é a economia global que, tanto quanto a cidade de Bagdá, pode vir a precisar da proteção de uma zona verde.

Christopher Griffith

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

4

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

5

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

6

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

7

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

8

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

9

Falta combinar no WhatsApp

Por 24 horas, a piauí acompanhou quatro grupos de caminhoneiros no aplicativo; viu minuto a minuto eles se insurgirem contra as forças federais, desprezarem o acordo de Temer e se negarem a encerrar a paralisação

10

O matemático que deu profundidade à superfície

Geômetra Manfredo do Carmo, fundador de seu campo de pesquisa no Brasil e pesquisador emérito do Impa, morre aos 89 anos