despedida

Arroz de festa à pernambucana

Vai-se Joel Datz – o último dos Irmãos Evento –, que por quatro décadas marcou presença na cena cultural do Recife

Datz, na casa que desocupou e nunca vendeu: o andarilho vivia como se não tivesse nada
Datz, na casa que desocupou e nunca vendeu: o andarilho vivia como se não tivesse nada CREDITO: ADELAIDE IVÁNOVA_2014

Até hoje não entendi o significado deles. Que importância os irmãos tiveram para a cultura da cidade?”, indagou um sujeito numa das diversas postagens que se espalharam pelas redes sociais no Recife no último dia 16 de julho. Museus, galerias, coletivos e artistas, todos homenagearam Joel Datz, morto naquela sexta-feira. O septuagenário figurava entre os rostos mais marcantes da capital pernambucana, sempre com uma barba longa, alva e pitorescamente desgrenhada, que ele só aparava no dia 29 de fevereiro, a cada quatro anos. Os jornais, revistas e portais do estado também lamentaram o falecimento do descendente de judeus, que frequentava a Sinagoga Israelita do Recife, no bairro da Boa Vista. Em nota oficial, a Secretaria de Cultura do município o definiu como “a presença mais cativa” dos eventos recifenses e enfatizou que o carismático personagem deixará “uma cadeira para sempre vazia”.

“Presença mais cativa” não é força de expressão. Com assiduidade espantosa, Datz prestigiava a programação cultural da cidade desde a década de 1980. Começou as incursões ao lado do irmão, Abrahão. Nessa época, ambos ainda moravam em um antigo casarão na Praça Chora Menino, no Centro, onde haviam crescido. Eram engenheiros civis não praticantes. Quando caía a noite, Abrahão tocava violino enquanto Datz o acompanhava no acordeom. Mal os concertos domésticos terminavam, a dupla saía do casarão com fama de mal-assombrado para dar as caras em vernissages, lançamentos de discos, filmes e livros, inaugurações, shows, estreias de peças e toda sorte de festivais. O que se iniciou como simples divertimento logo virou missão. Os dois percorriam o máximo de lugares por noite, prática que lhes garantiu o apelido de Irmãos Evento.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Leia também

Últimas

A morte em segredo

O conhecido médico negacionista Anthony Wong morreu de Covid-19 – mas isso foi escondido por 123 profissionais do hospital da Prevent Senior

Reforma administrativa ameaça democracia

Fim da estabilidade dos servidores, uma das propostas da mudança, fragiliza o Estado e coloca em risco as políticas públicas

Matemática que multiplica horas e projetos

Universitário do interior de Alagoas conta como realizou o sonho de conquistar medalhas em olimpíadas científicas e hoje incentiva outros jovens a participar dos concursos

O fim do dinheiro no país dos pixelados

Com o Pix a pleno vapor, cai a circulação de papel-moeda e bancos fecham cada vez mais agências; economia digital, no entanto, ainda exclui parte dos brasileiros

No rastro da Covaxin

Assim como a PF, a piauí vem investigando a Precisa Medicamentos e o escândalo da vacina indiana. Para entender melhor o caso, confira o roteiro do que já publicamos

Mais textos