esquina

Cabelos ao vento

Uma iraniana na Olimpíada do Rio

Mariana Filgueiras

Quando desembarcou em Manaus, vinda de Teerã, a engenheira de computação Fataneh Hassani sabia o de sempre a respeito do Brasil – floresta, frutas, samba, Pelé – e um pouco mais. É que, durante o longo percurso aéreo, se inteirou de algumas novidades: leu sobre o alto índice de mulheres violentadas no país e aprendeu a se proteger do zika vírus. Solteira, pôde viajar apenas depois que seus pais a autorizaram, embora já tenha 42 anos. Se estivesse casada, precisaria conseguir o aval do marido. O do chefe, obteve sem nenhum esforço. Mal tomou conhecimento de que a subordinada pretendia trabalhar na Olimpíada do Rio de Janeiro, ele prometeu estender suas férias caso fosse aceita. Ainda que não soubesse quase nada do Brasil, Hassani sabia muito de seu amor por esportes. Ela corre maratonas desde a adolescência.

Dois meses de férias pagas nos trópicos, com direito à maior celebração esportiva do mundo? Nem em sonho cogitara ganhar um presente desses. Só faltava rejeitarem sua inscrição… Não rejeitaram. A engenheira se tornou, assim, a única voluntária iraniana nos Jogos de 2016. Recebeu, primeiro, a tarefa de assistir fotógrafos da imprensa internacional nas arenas manauaras em que haveria competições. Mais para o final da Olimpíada, iria atuar na cidade-sede.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Mariana Filgueiras

Mariana Filgueiras é jornalista.

Leia também

Últimas

A casa da poesia

Neto do poeta Manoel de Barros põe à venda sobrado onde o avô escreveu a maioria de seus 28 livros; ideia é que o imóvel vire um museu

Down no high society

Em duas das mais influentes famílias paulistanas, Scarpa e Goldman, briga por pensão alimentícia opõe a mãe e os avós paternos de uma criança

Foro de Teresina #148: De Posto Ipiranga a loja de conveniência

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Modi dá lição em Bolsonaro

Como a Índia, novo epicentro da pandemia, convenceu os Estados Unidos a enviarem insumos contra a Covid – algo que o Brasil nunca conseguiu

A genética da Covid e os 400 mil mortos

Pandemia transforma em tragédia almoço de irmãs reunidas durante isolamento; cientistas investigam fatores genéticos da doença

“Precisamos de mais mulheres liderando a ciência”

Pesquisadora coordenou sequenciamento do novo coronavírus no Brasil

Lição de desigualdade

Aluno que desiste das aulas por não ter celular, aluna que liga porque apanha em casa, pais  desempregados que ou pagam a internet ou o gás – histórias da sala de aula em tempos de pandemia

Mais textos