vultos da república

Chega de pá, pá, pá

Como Alexandre Kalil, o prefeito de Belo Horizonte, está comendo pelas beiradas

Karla Monteiro
Kalil, com a neta Catarina, em seu apartamento: “Vinham falar comigo de Cingapura. Que Cingapura era adensada. Então me financia o metrô de Cingapura? A estupidez dos ricos…”
Kalil, com a neta Catarina, em seu apartamento: “Vinham falar comigo de Cingapura. Que Cingapura era adensada. Então me financia o metrô de Cingapura? A estupidez dos ricos…” CREDITO: ANA LAENDER_2020

“Será que só eu sou o cagalhão? O bobalhão? Esse povo não tem medo de enfiar um tubo goela abaixo?” O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), estava indignado com a resistência contra as medidas para conter a disseminação do coronavírus. Havia mais de um mês, não via nenhuma das quatro netas – Bianca, Catarina, Helena e Eduarda –, trancado no amplo apartamento da Praça Marília de Dirceu, no bairro de Lourdes, o Leblon da capital mineira. Sentado diante do computador, falava com a piauí por videoconferência. Às suas costas, muitos retratos de família e, emoldurada, a camisa 10 de Ronaldinho Gaúcho, na sua encarnação como craque do Atlético Mineiro.

Pela quarta vez, desde o início da pandemia, Kalil mandara fechar tudo na cidade em resposta ao aumento dos casos. Com isso, vinha conseguindo manter Belo Horizonte com o menor número de mortos pela Covid-19 entre as capitais com mais de 1 milhão de habitantes. Mas as pressões partiam de todos os lados. Dos gritos de “Fora, Kalil”, emitidos pelos manifestantes que diariamente se concentravam debaixo da janela do seu apartamento no 9º andar, às quedas de braço com o governador Romeu Zema, do Partido Novo, e a chamada bancada “bolsonovista” da Câmara Municipal. “Fora, Kalil?”, perguntou o prefeito. “Fui reeleito em primeiro turno, com 63,36% dos votos, sentado aqui, nesta cadeira. Fora, o cacete.”

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Karla Monteiro

Karla Monteiro, jornalista, é autora de Karmatopia e Sob Pressão. Em outubro lança pela Companhia das Letras a biografia do jornalista Samuel Wainer

Leia também

Últimas

Um país que vai ficando sem ar

Confira o ritmo das 500 mil mortes pela Covid-19 no Brasil

Séculos de escuridão nas Forças Armadas

Se uma mesma pessoa pedisse acesso a todos os documentos desclassificados pelo Exército desde 2013, levaria 695 anos para receber todas as respostas

Cinco anos para protestos de junho de 2013, sigilo eterno para a exportação de armas

Documentos com informações sobre junho de 2013 ficaram ocultos até 2018; dados sobre armas vendidas ao Zimbábue permanecem sob sigilo industrial

A história do coveiro filósofo

Sepultador narra de que forma a filosofia alemã o ajuda a enfrentar os horrores da pandemia, como tirar o caixão de um filho das mãos da mãe ou enterrar doze pessoas no mesmo dia

Foro de Teresina #155: O apagão de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Quinze anos de sigilo sobre “reunião da boiada” e cinco anos para relatórios do Ministério da Justiça sobre rolezinhos

Monitoramento de rolezinhos de jovens mereceu segredo por cinco anos; vídeo da reunião ministerial de abril de 2020, pelo triplo desse tempo

Candidato a animador

A não candidatura que promoveu Luciano Huck das tardes de sábado para as de domingo na Globo

Foro de Teresina ao vivo

Podcast de política da piauí terá edição especial em vídeo

Cinco anos de segredo para presos no Haiti e mortes no Jacarezinho

Sigilo de cinco anos protege documentos sem novidade, como sobre detentos haitianos, e outros sobre os quais pouco se sabe, como as mortes no Jacarezinho

“Sou um homem e amo outro homem”

No mês do orgulho LGBTQ+, o estilista Ronaldo Fraga conta como se apaixonou por um rapaz após dois casamentos com mulheres e critica retrocesso no governo Bolsonaro

Mais textos