esquina

Chute em cachorro morto

Uma crise de animais insepultos no Distrito Federal

Graça Ramos
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2006

Nas superquadras que formam o Plano Piloto de Brasília, um contêiner de lixo instalado próximo ao Clube Social Unidade de Vizinhança Número 1, localizado na entrequadra 108/109 Sul, exibe o corpo sem vida de um cachorro da raça bassê, de pêlo castanho. Como não há indício de atropelamento, parece que alguém decidiu se desfazer do seu bicho de estimação.

Garis comentam que aumentou o número de caixas e sacos de lixo arremessados nos gramados do Plano Piloto com um corpo de animal dentro. “Espeto muito cachorro morto”, diz Altair Xavier de Lima, uma gari cearense de 43 anos. Segundo o serviço de limpeza urbana da capital, até maio eram recolhidos em média 240 cachorros mortos por mês.

Parte das carcaças vem da classe média. São animais de gente que compõe o mais alto Índice de Desenvolvimento Humano do Brasil, mas não tem onde enterrar seus bichos. A cidade tem 2,2 milhões de humanos e 300 mil cães e gatos. Desde maio, estão suspensos os sepultamentos no cemitério público para animais.Depois de trinta anos de existência, descobriu-se que era clandestino; estava em área não regularizada na Gerência de Controle de Reservatório e Zoonose da Secretaria de Estado de Saúde.

Muitos Rexs, Ladys, Bolas, Sigfrieds e Lulus estão sepultados ali. Calcula-se em quatro mil o número de sepulturas edificadas, sem contar as covas rasas. Por mês eram enterrados cerca de noventa corpos.

Em nome da lei, o Ministério Público determinou a remoção do cemitério. Argumentou que em terreno contíguo, em área cedida pela mesma Secretaria de Saúde, está sendo erguido um hospital para tratamento do câncer infantil. A proximidade dos túmulos seria danosa aos pacientes, em termos sanitários e emocionais. Com o encerramento das atividades, as clínicas veterinárias começaram a receber outro tipo de demanda de seus clientes. “Os proprietários querem saber onde enterrar os animais”, diz o veterinário Ricardo da Costa Guerra Martins, dono de uma clínica na Asa Norte. “Já cheguei a contratar um carroceiro para enterrar cães de grande porte”, relata Jarí Martins Batista, dono de outras duas clínicas. Um veterinário que atende no exclusivo bairro do Lago Sul e prefere não ser identificado conta que já fez o favor de enterrar alguns corpos de ex-pacientes na chácara que tem em Sobradinho.

Quando morrem nas clínicas veterinárias e o corpo não é reivindicado pelos donos, os animais são encaminhados para o lixo hospitalar da Gerência de Zoonoses e de lá seguem para a incineração na cidade de Ceilândia. Muitos proprietários não concordam com o procedimento. Para aumentar o deus-nos-acuda, a boca do forno do incinerador tem apenas 30 centímetros de diâmetro e animais com mais de dez quilos não passam por ele. “Mandamos uma carta aos proprietários de clínicas veterinárias, pedindo que esquartejassem os animais grandes antes de enviá-los para a incineração”, diz Expedito Apolinário Silva, responsável pela Superintendência de Orientação, Controle e Fiscalização da Limpeza Urbana.

Veterinários que tiveram conhecimento do teor da carta rebelaram-se. “Não temos que fazer esse tipo de trabalho”, disse Ricardo Martins. O Conselho Regional de Veterinária precisou intervir. Ficou decidido que a única obrigação dos veterinários é acondicionar corretamente os corpos. Diante da resistência dos profissionais em despedaçar cadáver de ex-paciente, o governo resolveu enterrar os cachorros de grande porte num depósito de lixo, situado entre o Plano Piloto e a cidade de Taguatinga.

O remendo de solução poderá trazer novos perigos: “Eles estão jogando os corpos a céu aberto no lixão e o risco de termos problemas ambientais é grande”, denuncia a presidente da Associação Protetora dos Animais do DF, Simone Gonçalves de Lima, bióloga e professora da Universidade de Brasília. O corpo de um animal com virose pode contaminar o lençol freático.

Desde 1998, vigora uma lei que estipula a criação de um cemitério público para animais no Distrito Federal. No dia 18 de outubro, o governo do DF finalmente anunciou já ter um endereço para o novo cemitério, mas ainda serão necessários estudos de impacto ambiental e sanitário para avaliar se o local é adequado. Enquanto a solução não vem, vigora o ditado popular: estão chutando cachorro morto em Brasília.

O corpo insepulto do bassê encontrado na lata de lixo não terá direito às lápides e epitáfios do velho cemitério — “Lobo, nunca esqueceremos de sua fidelidade”, ou “Baby, por toda a minha vida, sei que vou te amar”. Por ter morrido em meio a uma batalha sem desfecho, ele chegará anônimo ao seu destino final, atirado num lixão de periferia.

Graça Ramos

Graça Ramos, piauiense radicada em Brasília, é jornalista e doutora em história da arte. Autora de Ironia à brasileira (Paulicéia).

Leia também

Últimas Mais Lidas

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Na piauí_163

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta semana

Diário de um reencontro sem abraços

Sônia Braga de luvas de borracha, desinfetante no avião e um samba com Beth Carvalho: a jornada de um roteirista brasileiro para voltar para casa e cuidar dos pais idosos

Cinema e desigualdade – o nó da questão

Salas fechadas acentuam privilégio de quem pode pagar por serviços de streaming

Bolsonaro aposta no comércio

Presidente visita lojas e, nas redes, organiza movimento contra isolamento social

Mais textos
2

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

3

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

5

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

6

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

8

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

9

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

10

A capa que não foi

De novo, a piauí muda a primeira página aos 45 do segundo tempo