colaboradores

Cineasta, diplomata, crítico, desenhista

Noma Bar [Capa] é artista israelense radicado em Londres.

Vanessa Barbara [O sem-carro], jornalista, escritora e colunista da Folha de S.Paulo, publicou O Livro Amarelo do Terminal, da Cosac Naify. Ilustração de Reinaldo Figueiredo, autor de Noite
de Autógrafos
, da Desiderata.

Marcos de Azambuja [A encrenca], diplomata, foi secretário-geral do Itamaraty e embaixador do Brasil em Buenos Aires e Paris.

Plínio Fraga [O político apolítico] é jornalista de piauí. Fotografia de Egberto Nogueira.

Jean-Jacques Sempé [Cartuns ], desenhista francês, é o autor da série Pequeno Nicolau, da Martins Fontes, e de Raul Taburin, da Cosac Naify. Os desenhos foram tirados do livro Quelques Médias et Médiatisés, das Éditions Denoël.

Dilma Rousseff [Formei a mesa de tranca] é presidenta da República. Seu ghost-writer não autorizado é o repórter Renato Terra, de piauí. Ilustração de Caco Galhardo, quadrinista e cartunista da Folha de S.Paulo.

Dorrit Harazim [Com a mão na massa (cerebral)], editora de piauí, codirigiu com Arthur Fontes o documentário Dois Tempos, ganhador do prêmio de melhor filme no Festival É Tudo Verdade. Fotografia de Rogério Reis.

Daniela Pinheiro [O presidente], jornalista de piauí, é coautora de Vultos da República, da Companhia das Letras. Ilustração de Gonzalo Cárcamo.

Julio Cortázar (1914–84) [Misteriosa entrega e mudança de si mesmo], escritor argentino que se radicou em Paris, autor de O Jogo da Amarelinha, da Civilização Brasileira. A correspondência foi publicada no livro Cartas a los Jonquières, da Alfaguara, inédito no Brasil. Tradução de Josely Vianna Baptista e introdução do crítico literário e ensaísta Davi Arrigucci Jr., autor de O Escorpião Encalacrado, da Companhia das Letras.

Eduardo Escorel [Sarcasmo e reverência] é cineasta e ensaísta. Editou Terra em Transe, de Glauber Rocha, e dirigiu Vocação do Poder. Ilustração de Caio Borges.

Daniel Pellizzari [Dublin assombrada secreta], escritor e tradutor gaúcho, publicou Dedo Negro com Unha, pela DBA. A ficção é trecho de um romance que será lançado em breve.

Jorge Semprún (1923–2011) [De bazuca em Buchenwald], escritor espanhol de língua francesa, autor de A Segunda Morte de Ramon Mercader, da Paz e Terra. Tradução de Josely Vianna Baptista.

Ilustrações de Esquina de Andrés Sandoval.

 

Leia também

Últimas Mais Lidas

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Na piauí_163

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta semana

Diário de um reencontro sem abraços

Sônia Braga de luvas de borracha, desinfetante no avião e um samba com Beth Carvalho: a jornada de um roteirista brasileiro para voltar para casa e cuidar dos pais idosos

Cinema e desigualdade – o nó da questão

Salas fechadas acentuam privilégio de quem pode pagar por serviços de streaming

Bolsonaro aposta no comércio

Presidente visita lojas e, nas redes, organiza movimento contra isolamento social

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

A capa que não foi

De novo, a piauí muda a primeira página aos 45 do segundo tempo

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

Mais textos
2

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

3

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

5

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

6

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

7

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

8

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

9

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

10

Contágio rápido e silencioso: a matemática do coronavírus

Doença pode ser transmitida por pessoas infectadas e sem sintomas; para epidemiologista de Harvard, perspectivas globais são preocupantes, mas no Brasil, é mais provável contrair sarampo