colaboradores

Cineasta, diplomata, crítico, desenhista

Noma Bar [Capa] é artista israelense radicado em Londres.

Vanessa Barbara [O sem-carro], jornalista, escritora e colunista da Folha de S.Paulo, publicou O Livro Amarelo do Terminal, da Cosac Naify. Ilustração de Reinaldo Figueiredo, autor de Noite
de Autógrafos
, da Desiderata.

Marcos de Azambuja [A encrenca], diplomata, foi secretário-geral do Itamaraty e embaixador do Brasil em Buenos Aires e Paris.

Plínio Fraga [O político apolítico] é jornalista de piauí. Fotografia de Egberto Nogueira.



Jean-Jacques Sempé [Cartuns ], desenhista francês, é o autor da série Pequeno Nicolau, da Martins Fontes, e de Raul Taburin, da Cosac Naify. Os desenhos foram tirados do livro Quelques Médias et Médiatisés, das Éditions Denoël.

Dilma Rousseff [Formei a mesa de tranca] é presidenta da República. Seu ghost-writer não autorizado é o repórter Renato Terra, de piauí. Ilustração de Caco Galhardo, quadrinista e cartunista da Folha de S.Paulo.

Dorrit Harazim [Com a mão na massa (cerebral)], editora de piauí, codirigiu com Arthur Fontes o documentário Dois Tempos, ganhador do prêmio de melhor filme no Festival É Tudo Verdade. Fotografia de Rogério Reis.

Daniela Pinheiro [O presidente], jornalista de piauí, é coautora de Vultos da República, da Companhia das Letras. Ilustração de Gonzalo Cárcamo.

Julio Cortázar (1914–84) [Misteriosa entrega e mudança de si mesmo], escritor argentino que se radicou em Paris, autor de O Jogo da Amarelinha, da Civilização Brasileira. A correspondência foi publicada no livro Cartas a los Jonquières, da Alfaguara, inédito no Brasil. Tradução de Josely Vianna Baptista e introdução do crítico literário e ensaísta Davi Arrigucci Jr., autor de O Escorpião Encalacrado, da Companhia das Letras.

Eduardo Escorel [Sarcasmo e reverência] é cineasta e ensaísta. Editou Terra em Transe, de Glauber Rocha, e dirigiu Vocação do Poder. Ilustração de Caio Borges.

Daniel Pellizzari [Dublin assombrada secreta], escritor e tradutor gaúcho, publicou Dedo Negro com Unha, pela DBA. A ficção é trecho de um romance que será lançado em breve.

Jorge Semprún (1923–2011) [De bazuca em Buchenwald], escritor espanhol de língua francesa, autor de A Segunda Morte de Ramon Mercader, da Paz e Terra. Tradução de Josely Vianna Baptista.

Ilustrações de Esquina de Andrés Sandoval.

 

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #113: Bolsonaro fura o teto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Agonia da Cinemateca Brasileira

Desgoverno atual da República não nos anima a ter esperanças

Vacina, pressa e propaganda

No Brasil, governos prometem vacinação em massa contra Covid-19 para logo, mas laboratórios programam terminar fase de testes entre outubro de 2021 e novembro de 2022 

Compras que desmancham no ar

Durante a pandemia, denúncias de golpes em falsos leilões virtuais aumentam nove vezes em relação ao semestre anterior

Reciclando a estrada alheia

Redes bolsonaristas usam fotos antigas para atribuir ao governo Bolsonaro obras de outras gestões

A tropa de choque de Bolsonaro

Pesquisa inédita traça perfil de policiais que, em postagens públicas nas redes, defendem ideias como fechamento do Supremo e do Congresso

Uma floresta mais perto do fim

Audiência pública virtual para discutir o autódromo que destruirá Floresta do Camboatá volta a ser permitida pela Justiça na reta final

Foro de Teresina #112: A metamorfose de Bolsonaro

podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Minotauro da fronteira 

Como um dos chefes do PCC deixou um rastro de mortes e corrupção no Paraguai

Mais textos
4

A dupla exclusão

Como a quarentena joga luz sobre as crises do clima e das cidades

5

O jogo dos dois erros

Por que Bolsonaro se equivoca ao minimizar a pandemia e ao tentar se eximir da crise econômica

6

De braços cruzados na Guanabara

Sem renda na pandemia, guias de turismo dependem de cestas básicas para sobreviver

7

O caseiro

De como todos os poderes da República - Executivo, Legislativo, Judiciário, polícia, imprensa, governo, oposição - moeram Francenildo dos Santos Costa

9

120 batimentos por minuto, o corpo individual e coletivo em ação

Filme sobre grupo de militância contra HIV causa poderosa impressão de autenticidade documental e ganha força ao individualizar personagens

10

A voz chegou à praça…

A erupção que abalou o mundo árabe e a história dando um de seus saltos mais singulares