esquina

Construção pesada

Uma casa em forma de elefanta

Daniel Camargos
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2017

Seria muito mais fácil para Stamar de Azevedo Júnior ter construído uma casa em homenagem a Sete-de-Ouros, o burrinho pedrês que protagoniza um dos contos de Sagarana, livro de João Guimarães Rosa lançado em 1946. Afinal, o terreno que pertence ao pedreiro de 57 anos localiza-se na avenida São José, distante apenas 1 quilômetro da moradia onde nasceu o célebre escritor, em Cordisburgo, às portas do sertão mineiro.

Mas não. Azevedo quis fazer diferente e fisgar de outra maneira os turistas que acorrem à cidadezinha de 9 mil habitantes para visitar o simpático museu roseano ou a magnífica gruta de Maquiné. Há oito anos, o mestre de obras projetou e começou a erguer uma residência de concreto em forma de elefante. Ou melhor: de elefanta, a Lakshmi. O nome é o mesmo da deusa indiana que personifica a beleza e a prosperidade. O pedreiro decidiu batizar a construção dessa maneira após ver um quadro em que a divindade do hinduísmo aparece junto de outro deus, Ganesha, representado por uma criatura de feições predominantemente humanas, apesar de ostentar quatro braços e cabeça de paquiderme.

Pelo menos do lado de fora, Lakshmi está finalizada. Com 12 metros de comprimento e 8,5 de altura, ocupa toda a área do lote irregular de 74 metros quadrados. Exibe cílios longos, olhos azulados, unhas cor-de-rosa e duas tetas generosas, cujos bicos de arame se posicionam logo acima de quem adentra o terreno. Quando ficar totalmente pronta, a casa irá dispor de um quarto, um banheiro, uma sala e uma pequena cozinha. “Também terá uma capela e uma cascata”, sonha Azevedo, envergando um chapéu Fedora com abas mais curtas que o habitual. Divorciado, pai de cinco filhos e avô de oito netos, ele não disfarça o orgulho sempre que o apontam nas ruas e dizem: “Lá vai o Professor Pardal.”

O mestre de obras calcula que sua criação já consumiu 240 sacos de cimento, três caminhões de areia e um de brita. “Construí tudo sozinho, nos dias de folga”, pavoneia-se. Por enquanto, gastou 63 mil reais do próprio bolso. Um empresário local doou outros 12 mil. De início, Azevedo planejava morar dentro do bicho, mas acabou desistindo. Preferiu transformá-lo em mais um ponto turístico de Cordisburgo.

Ultimamente, o pedreiro – que não completou o ensino fundamental – anda abatido. Recebeu uma multa de 487,81 reais por não cumprir exigências do Corpo de Bombeiros em relação à casa. O contratempo o levou a fechar Lakshmi para visitas. Até o dia 14 de fevereiro, quando se deu a mais recente inspeção, Azevedo cobrava 2 reais de quem desejasse conhecer o interior inacabado da elefanta cinzenta e subir as escadas que conduzem às costas dela, onde há uma espécie de mirante. Agora, resta aos curiosos apenas posar para fotos diante do peculiar imóvel. O fechamento, aliás, ocorreu em péssima hora. Recém-inaugurada, a rodovia LMG-754, que liga Curvelo a Cordisburgo, fez aumentar o fluxo de forasteiros na terra de Guimarães Rosa.

 

O Corpo de Bombeiros de Sete Lagoas, cidade polo da região, alega que Lakshmi – chamada simplesmente de “edificação” na letra fria dos burocratas – não possui o auto de vistoria. O documento atestaria que a residência cumpre os requisitos de segurança previstos na lei estadual nº 14130/01, sobretudo os relativos à prevenção de incêndio e à sinalização de emergência. Para obtê-lo, o mestre de obras precisaria aumentar as escadas de acesso ao lombo do animal, o que significaria abrir um talho de 10 centímetros em cada pata traseira e um buraco considerável na barriga. Azevedo, entretanto, se recusa a mutilar a elefanta.

Os bombeiros a inspecionam desde 2012 e, embora detectem falhas recorrentes, afirmam que nunca a interditaram. Foi o próprio pedreiro que, num gesto dramático, resolveu fechá-la. Irritado com o que tacha de burocracia, cogitou um ato ainda mais grandiloquente. “Pensei em comprar uma lona preta para cobrir Lakshmi de cabo a rabo e mostrar que estou de luto.” Recuou da ideia porque não perdeu completamente a esperança de solucionar o problema à moda dos mineiros – com jogo de cintura e fala mansa.

Entre um trabalho e outro como mestre de obras, Azevedo sempre gostou de esculpir. Fazia peças sacras, anões da Branca de Neve e burrinhos, ainda que não o Sete-de-Ouros. Em 2000, o então prefeito de Cordisburgo o convidou para erigir seis réplicas de animais pré-históricos na praça Otacílio Negrão de Lima, todos do período pleistoceno: uma preguiça-gigante, um tigre-dentes-de-sabre, um toxodonte, um tatu-gigante, uma preguiça-pequena e um mastodonte. Intitulado Zoológico de Pedra Peter Wilhelm Lund, o espaço presta tributo à memória do cientista dinamarquês que inaugurou a paleontologia no Brasil e realizou estudos importantes na gruta de Maquiné. “Houve um tempo em que eu bebia demais”, recorda o pedreiro. “Durante as bebedeiras, costumava prometer que, cedo ou tarde, iria construir uma casa com formato de elefante. A turma gargalhava e dizia: ‘O Stamar está ficando doido.’ Pois vejam o doido agora…”

 

No TripAdvisor, site especializado em turismo, Lakshmi recebeu 59 avaliações. Dez visitantes a consideraram uma atração excelente, 22 a classificaram como muito boa, 24 como razoável e apenas três como ruim. “Amo elefantes e achei tudo maravilhoso – os detalhes, o tamanho e a oportunidade de subir para ver a vista. Fantástico!”, escreveu alguém que se denominou alinearqurbanista.

Quando perguntam ao mestre de obras se existe o risco de as pendências com o Corpo de Bombeiros ganharem proporções maiores e transformarem a elefanta num elefante branco, a resposta é quase ríspida: “Não! Nada de elefante branco! Esse termo se refere a construções públicas que desperdiçam impostos. Não é o caso da Lakshmi. Eu a criei com meu dinheiro e suor. Ela é inteiramente minha!”

Daniel Camargos

Leia também

Últimas Mais Lidas

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Projeto da piauí é um dos vencedores de desafio do Google

"Refinaria de Histórias" vai transformar reportagens em séries, filmes e documentários

Maria Vai Com as Outras #6 – parte II: Trans – Gênero, corpo e trabalho

A advogada Márcia Rocha fala sobre a inserção de pessoas trans no mercado de trabalho formal

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

Mais textos
1

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

2

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

4

PT e aliados preparam campanha Lula-2022

Solto, ex-presidente vai percorrer o país e comandar oposição a Bolsonaro

6

Os donos do Supremo

Professora da FGV critica poder absoluto da presidência da Corte sobre pauta de votação: “Pode levar todo o tribunal para o buraco”

7

Foro de Teresina #76: O mistério da casa 58, o golpismo bolsonarista e o pacote de Paulo Guedes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

8

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

9

Na piauí_158

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

10

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina