esquina

Coronalive

Um vereador de Minas Gerais e sua quarentena virtual

Malu Gaspar
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2020

“Foi o diagnóstico mais injusto”, disse o médico do vereador Gabriel Azevedo quando soube do resultado positivo para o teste de Covid-19. Isso porque o político do Patriota em Belo Horizonte andava tão preocupado com o avanço do vírus que adotara uma série de providências para evitar a contaminação.

No dia 12 de março, ao tomar conhecimento que a Organização Mundial da Saúde tinha declarado que o mundo vivia uma pandemia, Azevedo mandou os oito funcionários do gabinete trabalharem em casa. Depois, ligou para o pai, de 79 anos, e o chamou para ficar isolado com ele. Era o dia do aniversário de 34 anos do vereador, que tinha programado um happy hour com a família e a equipe, mas, por precaução, acabou trocando o programa por um jantar só com os pais e a tia.

No dia seguinte, mesmo sem ninguém apresentar sintomas, marcou um teste num laboratório privado para os pais, a tia, a avó e os funcionários.

Na segunda-feira, dia 16, participou da primeira reunião da comissão da Câmara Municipal criada para discutir o enfrentamento da pandemia em Belo Horizonte. À tarde, ficou sabendo que o deputado federal Tiago Mitraud (Novo), com quem havia se encontrado na sexta-feira, dia 13, estava doente. Imediatamente, fechou-se em casa e postou no Instagram uma foto trabalhando de calça jeans e chinelos na biblioteca de seu apartamento, tendo a seus pés o buldogue Winston Churchill: “Estou entrando em quarentena. Não sinto nada, mas abracei o deputado federal @TiagoMitraud na festa do @MateusSimoesBH na sexta-feira e uma notícia acaba de ser publicada afirmando que ele é um caso suspeito de coronavírus.”

Na terça-feira, Azevedo recebeu uma ligação do laboratório. E soube que, de seu grupo de testes, ele era o único contaminado.

 

Primeiro, o vereador se sentiu mal. “Fiquei péssimo. Eu tinha colocado meu pai no meu apartamento para protegê-lo, e sem querer o expus ao vírus!” Depois, pediu a um amigo que abrigasse Churchill e seu outro cão, Charles de Gaulle, com medo de transmitir o vírus aos bichos. A seguir, voltou ao Instagram, onde tem 42 mil seguidores, e postou uma foto do teste e um vídeo com uma explicação em tom grave. Ao fundo, viam-se as bandeiras do Brasil, de Minas Gerais e de Belo Horizonte. “Importante deixar claro: o Brasil está em guerra. Nosso adversário é invisível e pode ser letal. Estudei sete anos em escola militar de Belo Horizonte e aprendi que a palavra convence, mas o exemplo arrasta. O que posso fornecer de mais precioso a vocês neste momento é o meu exemplo.”

Após reconstituir a rotina dos dias anteriores, Azevedo concluiu que havia boas chances de ter contraído o vírus na noite de sexta-feira, 13 de março. Foi quando ele compareceu à festa de aniversário de Mateus Simões, seu amigo e secretário de governo de Romeu Zema, e encontrou não só o governador, mas parlamentares que na véspera tinham se reunido com o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, Flávio Roscoe – um dos 23 integrantes da comitiva de Jair Bolsonaro aos Estados Unidos que pegou a doença. Outros sete convidados foram contaminados. Embora já houvesse mais casos do novo coronavírus na capital mineira, o de Azevedo foi o primeiro de transmissão comunitária, uma vez que ele não havia viajado para o exterior nem tido contato direto com ninguém que chegara do estrangeiro.

Dado o risco, a Câmara foi fechada ao público e passou a funcionar online. Do “gabinete virtual” instalado na sua biblioteca, Azevedo, ainda sem sintomas, passou a receber uma enxurrada de mensagens em suas redes sociais e no aplicativo desenvolvido pelo gabinete, o Meu Vereador. Em 21 dias de confinamento, foram mais de 3 mil mensagens – o quíntuplo do normal. Quase todas sobre a doença e muitas de gente que dizia estar infectada e sofrendo preconceito. “Nessa hora, o que as pessoas mais precisam é falar com as outras, porque sempre há discriminação. Uma moça me contou ter sido chamada de irresponsável na empresa em que trabalhava. Outra estava mal porque foi xingada e hostilizada pelos parentes.”

O próprio Azevedo passou por um episódio incômodo. “Vereador que está com coronavírus fez festa para duzentas pessoas há seis dias”, dizia o título de uma reportagem publicada no UOL e reproduzida em vários sites. Da forma como estava redigido, o título parecia sugerir que Azevedo havia espalhado o vírus, o que lhe expôs aos ataques das redes sociais. A festa, porém, não fora no dia 12, como dizia a matéria, e sim no dia 7, dez dias antes de Azevedo ter os primeiros sintomas.

As imagens do aniversário, também publicadas pelo vereador no Instagram, mostravam vários políticos e colunáveis de Belo Horizonte se divertindo num grande baile de Carnaval à fantasia: Azevedo de bobo da corte, o senador Antonio Anastasia (PSD) de sultão. Naquela noite, uma partida entre Atlético e Cruzeiro reuniu mais de 53 mil pessoas no Mineirão. O Brasil registrava apenas treze casos da doença e nenhum em Belo Horizonte. Azevedo procurou os veículos que publicaram a matéria e conseguiu que a informação sobre a data da festa fosse corrigida. Ele diz que também entrou em contato com dezenas de convidados, por telefone e via redes sociais, e não encontrou ninguém que tivesse contraído o vírus.

 

A febre, os calafrios, a tosse e uma forte dor no peito vieram em 19 de março, dois dias depois do diagnóstico. O vereador caiu de cama. Os antipiréticos não funcionavam. “Senti uma solidão terrível.” Na porta de seu apartamento, os vizinhos e amigos deixavam comida, oração, cartinhas, livros. “Lá dentro, era só eu e meus anticorpos.” Emocionado, postou um agradecimento no Instagram. Depois, afastou-se das redes sociais – por ordem do médico, que receitou apenas descanso, paracetamol e boa alimentação. Nada de hidroxicloroquina.

Ao voltar às redes, já visivelmente melhor, mas ainda fraco, Azevedo exibiu a cabeça raspada. Também informou que seu pai tinha contraído uma pneumonia bacteriana e estava internado. Não era o novo coronavírus.

Apesar da preocupação, o vereador seguiu publicando alertas sobre a Covid-19, fotos e indicações de livros de sua biblioteca. No sábado à noite, dia 4 de abril, ainda isolado, mas cheio de animação, postou um vídeo em que, sem camisa, cantava Eu Te Amo, Te Amo, Te Amo, de Roberto e Erasmo Carlos, a plenos pulmões. Sucesso de público, o vídeo também rendeu muitas cantadas virtuais. Estava já claramente recuperado, mas só deixaria o isolamento no dia 9 de abril.

Nesse dia, recebeu o resultado de um novo exame, agora mostrando que não tinha mais a doença. Colocou uma máscara de tecido militar camuflado, pegou a bicicleta e foi fazer uma radiografia, para completar o check-up. E descobriu que os pulmões ainda guardavam resquícios de infecção, o que o obrigaria a tomar antibióticos e permanecer mais algum tempo em casa. Foi o que ele explicou ao postar nas redes sociais a imagem radiológica, assim como a foto do ecocardiograma e o vídeo da retirada do sangue. “Sou um homem transparente”, escreveu ele, no post. “E de carne e osso.”

Malu Gaspar

Repórter da piauí, é autora do livro Tudo ou Nada: Eike Batista e a Verdadeira História do Grupo X, da Editora Record

Leia também

Últimas Mais Lidas

Às vésperas de protestos, PM associa “antifas” à violência

Polícia mineira usa símbolos e bandeiras do movimento antifascista para “reconhecimento de  possíveis manifestantes violentos”

Aula de longe, mas ao pé do ouvido

Municípios do Rio Grande do Norte apostam no rádio para manter ensino durante a quarentena e atraem adultos de volta à escola

Foro de Teresina #103: As ameaças contra Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

“Tive Covid, e agora?”

Moradora da periferia de São Paulo relata como enfrentou a doença e as dificuldades para voltar ao trabalho

Na piauí_165

A capa e os destaques da revista de junho

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

Oxigênio e sobrevivência

Prioridades na Cinemateca Brasileira e na vida

Máscara, gás e pimenta

Epidemia amplia tensões sociais e eleva risco de confrontos

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

A Terra é redonda: Desnorteados

Hospitais saturados, indígenas ameaçados, desmatamento em alta: como a pandemia está afetando os povos e ecossistemas da Amazônia

Mais textos
1

O piloto, o PCC e o voo da morte

Como a investigação da Polícia Federal chegou a um personagem central num crime que abalou a cúpula da facção

2

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

3

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

4

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

6

“Eu não aguento mais chorar!”

Fragmentos de revolta contra o assassinato de negros pela polícia explodem em manifestação no Rio

7

A gestação do menino diabo

Como traduzir Memórias Póstumas de Brás Cubas para o inglês com dicionários frágeis e bases de dados gigantescas

8

Alexandre de Moraes absolve Alexandre de Moraes em caso de plágio

Antenado com o espírito de seu tempo, Alexandre de Moraes, recém-aprovado como ministro do Supremo Tribunal Federal, usou de suas prerrogativas para se defender das acusações de plágio. "Vou escolher meu julgador. Nesse caso, serei eu mesmo."

9

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

10

O que é fascismo

Quando uma palavra se transforma em palavrão