cartas

Correio sentimental

PRAZER

Minha filha me apresentou a piauí.

─ Muito prazer!, eu disse.

Mas… piauí? quê que é isso aí?



Revista mais maluca!

Adorei!

FLAVIA MARIA (AMÊNDOLA) DE OLIVEIRA_EMBU, SP

 

PAIXÃO

O trivial traz percepções especiais. Chicão adolescente, Cássia tão viva e Eugênia-mãe, funcionária pública, linda-rindo-na-foto. Ah! Como é importante a paixão na vida da gente. Eu gozo muito ouvindo Cássia. Ella, Eller, e Ela única!

FABIO EDUARDO BONISSON PAIXÃO_VITÓRIA, ES

 

SACANAGEM

Pra encerrar: é sacanagem terminar a leitura da revista antes do dia 20. Por isso, começo já a campanha: 100 páginas para piauí.

SIMONE SARTORI_SÃO PAULO, SP

 

ÓDIO

A carta é curta. Adoro a piauí. Odeio papel brilhante!

Por favor, permaneçam assim, pra sempre!

MAGDA ZANCHETTA_SÃO PAULO, SP

 

PORRADAS

Os quadrinhos do Gotlib são a coisa mais insuportavelmente sem graça e entediante que já vi. São um apêndice da revista, destoa de todo o resto. Por favor, não torturem mais seus leitores com aquela coisa sem graça.

RENATO ALARCAO_NITERÓI, RJ

 

EU GOSTO É DE BOTECO

Cheguei à conclusão de que não posso freqüentar a boate Pacha porque:
1. Meu cabelo é curto, preto e com ge. Na casa só tem loira, chapada e muita gente de franja nessa vida.
2. Todas as meninas usam shorts branco com salto muito muito muito alto. E eu não tenho shorts, que dirá branco. Posso ir só de salto?

ADRIANA MACHADO_SÃO PAULO, SP

 

A PEDIDOS

Por que eu tenho que ficar agüentando o Steve Martin com tanta gente boa no Brasil e no mundo para escrever? Os textos dele são todos, todos, todos, chatos, chatos, chatos. E a pergunta que não quer calar: afinal, o tal Carlos Arthur Ortenbladt continua escrevendo ou estou ficando mesmo louca?

FLAVIANA SERAFIM_SÃO PAULO, SP

 

INSOFISMÁVEL

Cheguei à conclusão insofismável a respeito do sucesso retumbante desse periódico. piauí é a revista carioca mais paulista já feita no Brasil.

DURVALINO COUTO FILHO_TERESINA, PI

 

MÃO-DE-VACA

A seção Esquina sem seus autores não é legal. É para lhes pagar menos?

PAULO AZEREDO_RIO DE JANEIRO, RJ

NOTA DA REDAÇÃO: como dizem alguns juízes e desembargadores: bingo!

Leia também

Últimas Mais Lidas

Os negócios da pandemia

Mais rápido que o Ministério da Saúde, o da Defesa já gastou quase 100% dos 531 milhões de reais que recebeu para o enfrentamento da Covid-19. Parte do dinheiro se destinou à compra de dezoito caminhonetes que ainda não foram entregues 

Uma facada atrás da outra

Apoiadores de Bolsonaro, inclusive um que foi a Juiz de Fora resgatá-lo depois do atentado, mostram decepção com o presidente e o governo; Flavio pede fé para 2021

Mentira e ilusão

Morador provisório do Palácio da Alvorada fabrica falsidades sem cerimônia

“Mamadeira de piroca” versão 2020

Monitoramento em oito capitais mostra como candidatos conservadores acusaram adversários usando “ideologia de gênero”

Inválidos, Paes e o Bispo

Paes derrota Crivella em todas as 49 zonas eleitorais, mas perde para abstenções em números absolutos

Foro ao vivo no 2º turno: o que concluir das eleições

Podcast de política da piauí fez um balanço do resultado das eleições municipais; a íntegra do programa ao vivo está disponível no YouTube

Mais textos
2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

6

Cirurgia à peruana

Em conversa com Paula Scarpin, Bernardo Esteves fala sobre a Chegada da piauí_100

7

Ministério da Agricultura proíbe promoção de chã, patinho e lagarto

BRASÍLIA - “É um cartel!” Foi assim, com exclamação e tudo, que o ministro da Agricultura e Pecuária, Reinhold Stephanes, abriu a coletiva de imprensa para anunciar as resoluções de sua pasta para o último ano do governo Lula. Entre as principais medidas, a que causou mais impacto foi a proibição da venda de chã, patinho e lagarto por preços iguais. “Faz mais de vinte anos que escuto, nos anúncios dos mercados, que essas três carnes estão em promoção, e mais, vendidas pelo mesmo valor", disse indignado.

8

Hipótese Escorel

Após ler o post de Eduardo Escorel motivado por um debate sobre cinema brasileiro em Porto Alegre, o crítico Jean-Claude Bernardet escreveu-lhe: “Aceito tudo o que você escreve, não me sinto em contradição com você. No entanto, seu texto me deixa insatisfeito, porque eu sinto no teu texto como nos meus que estamos girando em torno de algo que não sabemos o que é, ou preferimos não saber.” 

9

Cinema político (I)

Nós – cineastas, produtores e demais integrantes da comunidade cinematográfica – temos capacidade de interagir com o público através de filmes que reflitam a gravidade da crise que o país atravessa?