esquina

Cuidado com os dentinhos

Banhistas de uma lagoa no Piauí viram tira-gosto de piranhas

Natacha Maranhão
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2007

Às margens da lagoa do Portinho, no município de Parnaíba, no norte do Piauí, o pescador Francisco de Assis Araújo conta uma, duas, três, quatro, cinco, dez, quinze, vinte, vinte e cinco, trinta, quarenta… cinqüenta piranhas. Umas três ou quatro tilápias. Cará não tem, tucunaré também não. Ele já sabe que será dia de recalmação em casa. “A mulher não gosta, não. Fica danada quando eu chego com esse monte de piranha, diz que não agüenta mais.” A vida anda perigosa para os lados de Parnaíba

Não era para ser assim. Afinal, a lagoa é descrita em guias como “local de prazer e entretenimento” onde “as dunas sinuosas e brancas contrastam com as águas escuras e uma densa vegetação”. O perigo não mora na densa vegetação, muito menos nas dunas sinuosas e brancas, mas nas tais águas escuras. De uns tempos para cá, piranhas deram para percorrer a lagoa, como gangues de delinqüentes rondam certos bairros do Rio, de São Paulo ou da capital federal. No rádio, o locutor avisa que uma criança teve dois dedos dilacerados pelos peixes. São mais de sessenta ocorrências em menos de três meses.

Piranhas sempre viveram na lagoa do Portinho. Há pouco tempo acabou o entente cordiale entre elas e os humanos. O armistício terminou em dezembro, sem motivo aparente. Naquele mês, elas resolveram mostrar os dentes.

 

Em 1978, o diretor estreante Joe Dante lançou Piranha, que de tão ruim é bom. Nele, um cardume de piranhas escapa de um laboratório do Exército americano e vai dar num lago repleto de crianças em férias. Talvez por não compreender de que maneira um cardume logra escapar de um laboratório de pesquisas, a Finlândia proibiu o filme. Mas isso não vem ao caso. O importante é perceber que, como o Piauí não conta com laboratórios secretos, sejam do Exército americano ou não, o enredo de Piranha é irrelevante para o entendimento do fenômeno do Portinho. Quando mais não fosse, ao menos por isto: ao contrário do que prega o filme, uma piranha raramente se comporta como uma besta celerada.



Piranhas não atacam em cardume nem devoram bichos ou pessoas assim, zás-trás. Tampouco voam na jugular de suas vítimas. Em condições normais, são modorrentas, nadam mal e, como boa parte dos seres humanos, detestam trabalhar. Preferem comer peixes moribundos ou ir atrás daqueles que nadam pior do que elas, como as pobres tilápias. As piranhas do Portinho são da espécie Pygocentrus nattereri, as piranhas-vermelhas. Têm boca pequena e dentinhos triangulares, projetados para arrancar pedaços de pele em rápidas mordiscadas. Evidentemente, podem se tornar agressivas, mas somente em situações extremas, quando se sentem ameaçadas. Nesses casos, arreganham os caninos e partem para a ignorância.

O professor Hamilton Gondim, do curso de engenharia de pesca da Universidade Federal do Piauí, explica que não é da natureza das piranhas nadar furiosamente atrás de coisa nenhuma. Elas não perambulam pela lagoa com a bocarra escancarada, à cata de dedinhos incautos. “Não, elas ficam quietas. Se passa um peixe doente, nadando devagar, vão lá e comem, mas não fazem perseguições fantásticas nem sentem cheiro de carne humana, como muita gente pensa. E muito menos trituram ossos em questão de segundos, feito umas loucas.”

Mas se as piranhas são serenas e preguiçosas, por que estariam atacando os banhistas? Gondim tem uma hipótese. Ele pondera que o ecossistema da lagoa não está equilibrado, e atribui o comportamento hostil dos peixes a uma salinização anormal da água. “No período de estiagem a lagoa recebe pouca água”, diz o professor. “No ano passado, isso se agravou porque uma duna gigante tapou a foz do rio. A água mudou, ficou salobra e depois salgada, irritando os peixes, que preferem água doce. Para completar, o número de presas em potencial da piranha também diminuiu, justamente por causa da estiagem.” O professor acredita que o desequilíbrio já ocorreu antes ─ também com ataques ─, há cerca de vinte anos. Até aí, tudo bem, trata-se de um ciclo natural. A má notícia é que o desmatamento deve encurtar o intervalo entre os períodos de estiagem. Sem mata densa que lhes faça frente, as dunas sinuosas e brancas avançarão sobre as vias fluviais que alimentam a lagoa. Com a casa bagunçada e o cardápio cada vez mais minguado, as piranhas se verão mais e mais pressionadas a abocanhar qualquer coisa que se mexa.

Má notícia sobretudo para os participantes das competições de jet-ski, lancha e windsurfe que contribuem para o visual jovem e movimentado da lagoa. Para tenta restabelecer o equilíbrio natural de piranhas, turistas e jet-skis, um pool de dez instituições públicas piauienses começou um processo de “peixamento” da lagoa. Uma tropa de 30 mil peixinhos do modelo curimatá foram arremessados n’água, para fazerem o papel de “bois de piranha”. Gondim diz que a outra ajuda mais preciosa deve vir dos céus. “Se chover, a água doce em abundância normalizará a lagoa e as piranhas retornarão ao seu estado natural de tranqüilidade.” Com o sistema ecológico em dia, a vida se regularizará e piranhas sem alma ficarão confinadas ao filme de Dante. Com bom senso e mais vigilância dos órgãos responsáveis por fiscalizar a integridade das matas ciliares, meninos voltarão a pôr o dedinho na água, jet-skis continuarão a emprestar seu visual jovem à lagoa. E a esposa de Francisco de Assis não mais terá nas piranhas uma fonte de aborrecimento.

Natacha Maranhão

Leia também

Últimas Mais Lidas

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

3

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

4

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

5

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

6

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

7

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

8

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

10

De volta à Rua do Ouvidor

Uma pequena livraria no Centro do Rio sobrevive à catástrofe econômica causada pela quarentena