esquina

Da Vinci XI, o cirurgião

Um robô de ponta no SUS

Gustavo Zeitel
CRÉDITO: ANDRÉS SANDOVAL_2020

Um paciente com câncer de próstata é levado em uma maca para o centro cirúrgico do Hospital Universitário Pedro Ernesto, em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Naquela manhã de 5 de fevereiro, quarta-feira, ele será operado pelo robô Da Vinci XI, um robusto aparelho de cor metálica, composto de três partes, uma delas semelhante a um polvo. Com seus quatro tentáculos, Da Vinci XI fará uma prostatectomia radical, ou seja, a remoção da próstata do homem de 58 anos.

A maca estaciona no centro cirúrgico. Dois enfermeiros preparam o paciente e cobrem parte do corpo com um pano azul. Em seguida, separam os materiais em uma mesa retrátil ao lado direito da cama. Feito isso, Da Vinci XI é acionado. O robô emite um bip (como o dos telefones celulares ao serem ligados), e suas três partes entram em sincronia.

À esquerda do leito fica a estrutura vertical em forma de polvo, com os braços argutos – três deles carregam pinças; o quarto, uma microcâmera de vídeo. Em frente, uma estação reproduz as imagens da câmera em resolução 4K (de maior nitidez e com mais detalhes) para que médicos e enfermeiros acompanhem o procedimento. No fundo da sala está a terceira parte de Da Vinci XI: o ponto de controle, de onde o cirurgião José Anacleto Dutra de Resende Júnior terá uma visão tridimensional de todo o processo enquanto dirige o robô. “A chamada cirurgia robótica, na verdade, é controlada pelo médico”, pondera Resende, de 43 anos, líder da equipe de três urologistas que participam da operação.

Antes que Da Vinci XI se ponha a trabalhar, os médicos insuflam o abdômen do paciente com gás carbônico e fazem ali quatro orifícios, entre 5 mm e 12 mm, que serão os caminhos para a entrada dos ganchos. Para ilustrar os benefícios da tecnologia, Resende compara o seu dedo indicador com um dos ganchos. “Veja só, as pontas dele são muito mais finas do que o meu dedo”, explica. “A tecnologia diminui os sangramentos e permite que sejam feitos movimentos com ângulos que não conseguimos.”

Em seguida, o cirurgião vai para o ponto de controle, senta-se e exclama: “Apagar as luzes!” No ambiente às escuras, espalha-se a luz azulada emitida pelo robô. Resende ajeita a cabeça no visor. “É como se eu estivesse em um carro”, afirma o médico. Todos ficam em silêncio. É hora de Da Vinci XI entrar em ação.

 

O Hospital Pedro Ernesto, da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro)  foi a  primeira instituição vinculada ao SUS  a ter um Da Vinci XI. O robô, que custou 16 milhões de reais, chegou ao hospital no início do ano passado. Desde então, é usado diariamente pela urologia e ginecologia, além de atender a demandas da cirurgia geral. Desde sua chegada, Da Vinci XI já fez 158 operações. “Primeiro, capacitamos os médicos para usar o parque tecnológico do hospital. Agora, vamos criar um programa para que os estudantes possam aprender a usar o robô”, conta o diretor do Pedro Ernesto, o médico urologista Ronaldo Damião, de 69 anos.

Damião acomoda-se em uma poltrona à mesa oval do escritório da diretoria, revestido de paredes de madeira e mobiliado com sofás de couro ao estilo da época da inauguração do hospital, em 1950. Ele se mostra satisfeito com os avanços tecnológicos da unidade. “A plataforma xi é a mais avançada, porque o médico tem uma visão 3D das imagens no ponto de controle e o modelo tem um braço a mais que os modelos anteriores”, diz, entre um gole e outro de café.

 

A história dos robôs Da Vinci começa nos Estados Unidos, na década de 1980, com os estudos da SRI International, instituto de pesquisa sem fins lucrativos originalmente ligado à Universidade Stanford. A primeira versão foi lançada em 1999 pela empresa norte-americana Intuitive Surgical, e, hoje, os robôs estão espalhados por cerca de 5 mil hospitais no mundo. No Brasil, existem aproximadamente 55 aparelhos da plataforma XI, quase todos em hospitais privados.

Para a comunidade científica, os robôs Da Vinci são motivo de intensos debates: já foram publicados mais de 18 mil artigos sobre eles. Entre suas especialidades, está a prostatectomia radical, aplicada em pacientes que sofrem de câncer de próstata, o segundo tipo de doença mais comum entre os homens, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer – aproximadamente 66 mil brasileiros devem ser diagnosticados com a doença em 2020.

Enquanto mergulha os olhos no visor 3D, Anacleto Resende segura os dois controles do robô, parecidos com joysticks. Os movimentos realizados pelo médico são mimetizados pelos tentáculos de Da Vinci XI, que começam a se mover com incrível precisão. Os ganchos com a câmera e as pinças penetram nos quatro orifícios feitos no paciente. Quando precisa mudar de tentáculo, Resende simplesmente aciona os pedais no ponto de controle. Da Vinci XI domina o paciente e inicia a longa viagem até a próstata.

O próximo passo é chegar até a glândula e afastá-la da bexiga. As pinças do robô, parecidas com bocas de filhotes de jacarés, seguem em frente, separando as gorduras indesejadas que atrapalham o procedimento. “Essa bexiga está cheia. Vamos esvaziar, por favor?”, diz o médico, ao perceber a dificuldade do robô para acessar o local preciso. Resende e Da Vinci XI vivem uma cena digna de ficção científica, em que já não se consegue distinguir as ações humanas das robóticas, no percurso cheio de desafios até a próstata.

Cada vez que o cirurgião aciona o dispositivo de cauterização de vasos – ação executada por um dos ganchos –, o robô emite um som e o monitor exibe uma luz verde. Apesar da precisão de Da Vinci XI, é normal que sangue espirre na microcâmera. “Vamos limpar a ótica!”, ordena o cirurgião. O braço do robô se move, e a câmera é retirada do abdômen do paciente. Depois de limpa, é introduzida de volta. Quando finalmente avista a próstata, a equipe se espanta. A glândula é pequena, o que dificulta a cirurgia. Após afastar a bexiga, as pinças limpam a região e, mordida após mordida, liberam a parede da uretra.

A operação torna-se mais lenta. Com a ajuda de um beniquê (uma espécie de  sonda) e um clipe de polímero, os tentáculos do robô recolhem a próstata. Após cinco horas, a operação é concluída com sucesso. “Essa foi chatinha”, diz Resende, sorrindo. O suor escorre de sua testa, apesar da temperatura do centro cirúrgico variar entre 17 e 22ºC. Da Vinci XI recolhe seus tentáculos e volta à estrutura vertical, em um movimento de rotação lento e elegante.

Gustavo Zeitel

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro achata a curva

Pesquisa inédita do Ideia Big Data mostra que desaprovação ao governo oscila de 41% para 37% após presidente moderar discurso contra Mandetta e defender a cloroquina

Foro de Teresina #95: Os mitos da pandemia, a queda de braço com Mandetta e o bate-cabeça na economia

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pão ázimo e um computador

Como famílias judaicas contornam o isolamento durante o Pessach, a festa religiosa que celebra a liberdade

Nos presídios, terreno livre para o coronavírus

Superlotação e falta de equipes médicas atrapalham medidas de prevenção da doença

Paulo Freire, um Homem do Mundo – Um sonho da bondade e da beleza

Alvo de ofensa proferida pelo capitão que ocupa o Palácio do Planalto, educador ganha desagravo em documentário

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Mais textos
2

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

3

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

4

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

5

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

6

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução

8

Ciência em Krakatoa

O Brasil vive um transe que mistura Monty Python e Sexta-Feira 13. O que será de nós quando isso acabar, o que faremos com relação a novas epidemias?

9

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

10

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana