esquina

De tudo um porco

Um banquete cinco estrelas

Rafael Tonon
ANDRÉS SANDOVAL_2018

O chef paulista Cesar Costa entrou na cozinha com uma caixa retangular de inox cheia de pequenos cubos castanhos. Levou um deles à boca, mastigou e fez cara de quem comeu e gostou. Eram pedaços de língua de porco que ele deixara curando por três dias antes de cortá-los milimetricamente – e que, dispostos sobre uma polenta frita feita com milho orgânico e cebola em conserva, serviriam de tira-gosto. Perto dele, o colega Onildo Rocha, de João Pessoa, recheava pequenos buns (pães chineses cozidos no vapor) com tirinhas de tripa de porco frita, que besuntava com maionese de gengibre. Em frente à fritadeira, o carioca Rafael Costa e Silva submergia no óleo quente rolinhos de acelga recheados com ragu de verduras, cozidos no caldo de porco e fritos em massa de tempurá.

Os três e mais outros 28 cozinheiros aceitaram de pronto o convite do chef Jefferson Rueda, feito com meses de antecedência, para celebrar seu aniversário. Ele só completaria 41 anos em 26 de julho, três dias depois daquela segunda-feira, escolhida por ser o dia de folga dos profissionais da área. O mote do festim era, evidentemente, o porco, objeto da dedicação quase que exclusiva do anfitrião nos últimos anos.

No menu habitual d’A Casa do Porco – restaurante que Rueda inaugurou há três anos no Centro de São Paulo –, composto de 49 itens, apenas sete não têm o suíno entre os ingredientes. Naquele dia, porém, não havia exceções: o porco precisava constar de todos os pratos, das entradas às sobremesas. Até um drinque, servido com uma farinha de bacon na borda do copo e preparado pela bartender Néli Pereira, obedeceu ao pré-requisito.

Cada chef elegeu sua própria receita: havia de carpaccio de pé (cozido por três horas e depois congelado para poder ser cortado em lâminas finíssimas) a açaí misturado ao sangue do animal, servido junto com peixe frito (como rege a tradição paraense). Nenhuma parte do corpo foi deixada de fora: do rabo – para engrossar o caldo de feijão – ao pulmão, que Pier Paolo Picchi misturou com o fígado para criar um delicado creme que recheou uma versão salgada dos cannoli, a sobremesa siciliana imortalizada em O Poderoso Chefão.

Foi a primeira vez que a alta gastronomia brasileira – essa cujos integrantes ganham prêmios, aparecem em revistas e viram jurados de competições culinárias na tevê – reuniu tanta gente na mesma bancada: as estrelas Michelin somavam cinco. “A gente se sente até uma rainha”, resumiu a atriz Marisa Orth numa rápida passagem pela cozinha. Ela era um dos sessenta comensais daquela noite, sendo 45 convidados do aniversariante e quinze pagantes, que desembolsaram 380 reais cada um – as vagas acabaram em minutos. “Já que consegui vir, preciso tirar uma foto pra registrar, né”, fazia pose uma senhora loira, tentando enquadrar o máximo de chefs que coubesse no clique.

 

A carne suína é a mais consumida no mundo, embora no Brasil seja apenas a terceira mais popular. Rueda diz que sua paixão pelo animal surgiu ainda na adolescência, quando fez estágio em um açougue em São José do Rio Pardo, sua cidade natal: “O porco tem um jeitão popular e democrático, é consumido em todas as regiões, com aproveitamento de todas as partes”, afirmou. Os pratos de seu restaurante aproveitam inclusive cabeça, rins e gordura abdominal, geralmente desprezados.

No jantar, no entanto, a cabeça do porco foi poupada. A única a prêmio era a do próprio Rueda – servida por um porco numa escultura em fibra de vidro que adorna a porta do restaurante, de autoria do artista plástico Lumumba. Mas naquela segunda-feira, ao menos no início do jantar, Rueda não estava muito disposto a brincadeiras. Cabia a ele organizar o fluxo de trabalho para que seus colegas executassem as receitas a serem servidas às mesas por uma dúzia de garçons. “Sai mais quatro polentas. Cadê os pratos da Talitha que ainda não saíram? Ajudem ela!”, bradava o anfitrião em socorro da paulista Talitha Barros, proprietária do Conceição Discos.

Na cozinha, porém, o clima era de confraternização: enquanto grupos de cozinheiros ajudavam os colegas a finalizar as entradas, três chefs provavam o caldo de feijão preto com pertences criado por Mara Salles, a decana da turma: “Alguém liga o forno para a Mara poder esquentar o rabo!”, brincavam, em tom adolescente. Ela ria. Servidas as treze entradas, era hora de finalizar os pratos. “Agora quem já fez sua parte, pegue o banquinho e saia de mansinho”, cantarolava o anfitrião Rueda, mais relaxado.

Nos momentos mais agitados da noite, a cozinha de 60 metros quadrados chegou a reunir mais de quarenta cozinheiros. Para dar vazão aos serviços e liberar espaço, Rueda providenciou uma tenda na parte de fora do restaurante, com baldinhos de cerveja, bartender e até um banheiro químico. “A balada é lá fora”, apontava para os que insistiam em não sair, tentando orquestrar os 1 680 pratos servidos até as 23h36, quando a última sobremesa foi entregue.

Findo o jantar, Fafá de Belém entrou na cozinha perguntando por Thiago Castanho, chef do Remanso do Bosque, na capital paraense. “Foi o melhor prato”, disse a cantora, referindo-se ao peixe com açaí e sangue preparado por ele. “Isso é bairrismo, não pode não”, protestou a chef Bárbara Verzola, do restaurante Soeta, em Vitória, que serviu uma sobremesa feita com bacon, mel de abelhas nativas e flores.

Fafá riu e subiu ao palco montado no meio do salão para dar uma canja na apresentação das vocalistas do grupo As Bahias e a Cozinha Mineira, escaladas para animar a festa. Para os que iam embora, a chef cuiabana Ariani Malouf, a única que não preparou seu prato na cozinha, entregava uma sacola com delícias do Pantanal para o café da manhã do outro dia, como rapadura de mamão, paçoca de pilão e pixé e uma farofa doce de milho com canela e açúcar. “Já usaram tudo, não sobrou nada do porco”, sorria. Na entrada da cozinha, a chef Carmem Virgínia, jurada de um programa, resumiu a noite: “Nem o espírito, né, meu amor, que todo mundo aqui tem um pouco.”

Rafael Tonon

Leia também

Últimas Mais Lidas

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

3

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

4

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

5

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

6

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

7

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

9

O vice a cavalo

Hamilton Mourão e o lugar dos militares no governo Bolsonaro

10

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília