questões paleontológicas

É osso

Agruras de um pesquisador dos répteis extintos

Bernardo Esteves
O paleontólogo Alexander Kellner é o principal estudioso dos pterossauros encontrados na Chapada do Araripe, no Nordeste brasileiro, onde está um dos mais ricos depósitos de fósseis de répteis extintos em todo o mundo. Suas pesquisas já lhe renderam mal-entendidos e até uma prisão
O paleontólogo Alexander Kellner é o principal estudioso dos pterossauros encontrados na Chapada do Araripe, no Nordeste brasileiro, onde está um dos mais ricos depósitos de fósseis de répteis extintos em todo o mundo. Suas pesquisas já lhe renderam mal-entendidos e até uma prisão FOTO: LARA VELHO_2011

No ano passado, o site de leilões eBay pôs à venda o esqueleto de um fóssil brasileiro. Era um pterossauro, um réptil voador que viveu há 120 milhões de anos no território hoje ocupado pela chapada do Araripe, na região que abrange o sul do Ceará e parte de Pernambuco e Piauí. O esqueleto, com 1 metro de altura e 3 de envergadura, parecia em notável estado de conservação. Apenas um terço dele era composto por fósseis de verdade – os outros ossos eram réplicas de material sintético.

Anunciado por uma loja chamada Geofossiles, sediada no interior da França, o pterossauro pertencia a um colecionador particular que o deixou em consignação para que fosse vendido – pedia 250 mil dólares. O responsável pelo estabelecimento, David Guery, disse ter recebido ofertas sérias de dois museus, um da Europa e outro do Rio de Janeiro. Como os valores eram bem inferiores ao lance inicial, o negócio não foi fechado.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Bernardo Esteves

Repórter da piauí desde 2010, é autor do livro Domingo É Dia de Ciência, da Azougue Editorial