anais do Vaticano

E pur si muove

O papa Francisco e as lentas mudanças da Igreja Católica

Alexander Stille
Enquanto aos olhos do público o papa Francisco parece uma figura gentil e paternal, no Vaticano ele tem fama de durão, empenhado em chacoalhar formas tradicionais de governar a Igreja. Em entrevistas, ele já se descreveu como “ingênuo”, mas também como “furbo” – astuto, espero, malandro
Enquanto aos olhos do público o papa Francisco parece uma figura gentil e paternal, no Vaticano ele tem fama de durão, empenhado em chacoalhar formas tradicionais de governar a Igreja. Em entrevistas, ele já se descreveu como “ingênuo”, mas também como “furbo” – astuto, espero, malandro FOTO: MASSIMO VITALI_THE NEW YORKER

Ao ingressar na Cidade do Vaticano pela entrada dos fundos, logo se percebe como o mundo do centro da Igreja Católica é pequeno. Construído em grande parte durante o Renascimento, o complexo de 44 hectares é o quartel-general administrativo e espiritual de uma instituição que conta com 2,1 bilhões de seguidores. A primeira edificação à vista é a Casa Santa Marta: é nela que o papa escolheu morar e trabalhar – num espaço de três cômodos e cerca de 65 metros quadrados –, abrindo mão do tradicional e mais grandioso apartamento papal do Palácio Apostólico.

Ao dobrar uma esquina, o visitante se depara com um edifício amarelo que abriga vários cardeais. Um dos pisos serve de residência ao cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado – o segundo na hierarquia da Igreja – durante o papado de Bento XVI, o predecessor de Francisco. O cardeal Paolo Sardi, tido como um dos adversários políticos de Bertone na Cúria Romana, é seu vizinho de baixo. Uma breve caminhada pelos jardins do Vaticano conduz ao mosteiro Mater Ecclesiae, atual morada de Bento XVI. Ao renunciar, em 2013, Joseph Ratzinger partiu de helicóptero para dar início a uma vida de recolhimento e orações, e muitos pensaram que ele se retirava para um monastério em algum canto de sua Alemanha natal. Mas não, Bento XVI está bem ali. Logo além dos muros do Vaticano, na Piazza della Città Leonina, vê-se um outro edifício de apartamentos destinados aos cardeais. O cardeal Gerhard Müller, sucessor de Bento como prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé – a mais antiga das nove congregações da Cúria Romana, que na Idade Média cuidava da Inquisição –, vive no apartamento que o antecessor ocupava quando ainda era apenas o cardeal Ratzinger. O andar de cima abriga o cardeal Lorenzo Baldisseri.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Alexander Stille

Alexander Stille, jornalista e escritor norte-americano, é professor de jornalismo na Universidade Columbia

Leia também

Últimas Mais Lidas

Respiradores a zap

Como empresários e pesquisadores articulam iniciativas para aumentar a fabricação de ventiladores pulmonares, fundamentais no combate à Covid-19

Maria vai com as outras #4: Profissionais do Cristianismo

Uma pastora Batista e uma freira Agostiniana contam sobre rotina, compromissos, sustento e planejamento quando se trata de uma profissão de fé

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

Um patinho feio na luta contra a Covid-19

Sem experiência no ramo, pequena empresa de Minas recebe autorização para importar e revender testes que detectam anticorpos no organismo de quem entrou em contato com o coronavírus; resultado dos exames sai entre dez e trinta minutos

Amor em tempos de coronavírus

Fronteiras fechadas, travessia dos Andes, drible no Exército boliviano: as idas e vindas de um casal de jornalistas para voltar ao Brasil

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

Foro de Teresina #93: O Brasil de quarentena, o isolamento de Bolsonaro e a economia à deriva

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

(Quase) todos contra um 

Desgastado até entre aliados, Bolsonaro se isola cada vez mais; as 24 horas seguintes ao pronunciamento do presidente tiveram embate com governadores e declaração ambígua de Mourão

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

Mais textos