esquina

Ele, o “cervochato”

Já não se pode beber em paz

Marcos Nogueira
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2014

“Vem cá, vou te dar um toque”, disse o homem de meia-idade ao rapaz fantasiado de camponês bávaro que lhe servira uma amostra de chope. O moço de olhos arregalados se aproximou quieto em seu Lederhosen – macacão de couro com pernas curtas – para ouvir o que o outro tinha a falar. O cliente apontou um folheto que tinha em mãos. “Aqui está escrito que essa cerveja deve ser servida entre 7 e 8 graus.” Depois indicou o visor luminoso da chopeira. “Ali está marcando 2 graus negativos. Isso estraga o produto. Não dá para sentir nenhum aroma.”

A cena aconteceu em março, no Festival Brasileiro da Cerveja, em Blumenau, onde aparentemente constituía falha grave servir chope gelado. E onde nos estandes, nas filas dos caixas, nos corredores e nos banheiros se tropeçava facilmente num tipo empenhado em estragar o prazer de se beber cerveja: o “cervochato”.

O tipo em questão pode entender ou não de cerveja. O cervochato da cena acima se enquadrava no segundo tipo. Se entendesse de alguma coisa, saberia que nem sempre é idiota quem se veste como tal. Se soubesse de cerveja, reconheceria dentro do macacão de couro um dos responsáveis pelo crescimento do consumo de rótulos artesanais no Brasil: Alexandre Bazzo, dono da Cervejaria Bamberg, em Votorantim, interior de São Paulo. Bazzo é nerd, mas não é cervochato. Desdobra-se para fazer cerveja alemã como os alemães, mas não se incomoda se ela estiver gelada.

O cervochato que migrou para Santa Catarina nos quatro dias do festival é filho bastardo do “enochato” – o esnobe do vinho –, por mais que a comparação o tire do sério. Ele se importa demasiado com premiações, pontuações e medalhas. Segue bovinamente guias e gurus, muitas vezes roubando para si as palavras de seus mestres. Compete com seus pares para identificar o maior número de defeitos numa bebida que deveria ser gostosa. Fala de lúpulo como o enochato fala de terroir. Veste bermuda e camiseta de banda de rock – principal diferença entre o chato desleixado da cerveja e o chato quase sempre engomadinho do vinho.



No festival da cerveja em Blumenau, viu-se muita atividade cervochata. Após uma banca de juízes eleger uma cerveja paraense com açaí a melhor Sweet Stout – austero estilo inglês de cor negra profunda – do país, houve intensa gritaria. Ninguém havia dito ao cervochato que aquela era uma boa cerveja. É possível, aliás, fabricar cerveja de qualidade no Pará? Provavelmente não, portanto o cervochato nunca se dera ao trabalho de provar o rótulo em questão. Com base nas próprias convicções, concluiu que o júri era incompetente ou vendido.

 

O cervochato nunca vai admitir que começou a carreira entornando engradados do líquido que hoje chama, jocosamente, de cerveja de milho. Nessa categoria entram Brahma, Skol, Kaiser e outras marcas populares que usam cereais não maltados e açúcares como substitutos baratos do malte. No máximo, ele reconhecerá que bebe uma Heineken, que é mainstream, mas é puro malte. Isso, claro, quando é condescendente com os amigos que o arrastaram para um boteco desprovido de opções de American IPA ou de Saison belga.

Assim como o festival de Blumenau, o cervochato é fruto de uma transformação brutal e veloz no mercado brasileiro de cervejas. Quinze anos atrás, as opções que o consumidor tinha se limitavam a meia dúzia de cervejas claras, algumas escuras e, se procurasse bem, aquela alemã de trigo que faz um monte de espuma, tem cheiro de cravo e gosto de banana – a Weissbier. As principais marcas eram quase iguais entre si, mas quem gostasse de cerveja deveria escolher a sua e amá-la como se ama a mãe, a pátria ou o time de futebol. As pessoas viajavam centenas de quilômetros para provar a Brahma de Agudos ou a Antarctica de Ribeirão Preto, tidas como muuuuuito melhores que aquelas à venda no boteco da esquina, por causa da água excepcional que abastecia as fábricas. Para tentar se destacar e vender mais, os produtores brigavam pelo recorde de aparições de peitos e traseiros nos comerciais do horário nobre da tevê.

De repente, tudo mudou. A prateleira do empório do bairro ficou abarrotada de garrafas belgas, inglesas, alemãs, holandesas, checas. As melhores cervejas nacionais passaram a ser as fabricadas na menor escala possível. Cerveja leve e refrescante virou coisa da plebe inculta – bom mesmo é o amargor lancinante de algumas Imperial IPAs. Por sinal, não diga “ipa”: o certo é “aipiei”, pois é assim que ingleses e americanos pronunciam as iniciais de India Pale Ale, uma cerveja de alta fermentação e amargor acentuado.

Com um leque tão amplo de informações novas ao seu redor, o cervochato em formação buscou se instruir. Descobriu que houve um Michael Jackson que não dançava, mas entendia tudo de cerveja e uísque; aprendeu a fazer a própria Strong Golden Ale com toneladas de lúpulos americanos cítricos e florais adicionados em dry hopping. Gastou as economias em um curso de sommelier de cerveja para poder falar com propriedade.

Então o cervochato foi para o Festival Brasileiro da Cerveja, em Blumenau – evento que só existe por causa da enxurrada de cervejas novas que apareceram para disputar a fatia de mercado que não pertence à Ambev, pouco mais de 30%. Nos dois gigantescos pavilhões que abrigam também a Oktoberfest – festa cervejeira com uma pegada bem mais, digamos, de micareta –, dezenas de estandes ofereciam 414 rótulos para quem quisesse beber.

O cervochato foi a Blumenau para beber e falar. Reclamou que a cerveja estava gelada demais. Queixou-se do diacetil, do DMS, da oxidação e de outros defeitos de fabricação que acabam com o prazer de beber. Discutiu curvas de brassagem e métodos de sanitização de equipamentos.

Quando terminou de falar, o cervochato voltou sozinho para o hotel. E percebeu que havia se esquecido de beber. E abriu o frigobar de seu quarto para encontrar somente duas latinhas de cerveja de milho. E tomou-as com gosto. Porque, afinal, não havia nenhum outro cervochato no recinto.

Marcos Nogueira

Leia também

Últimas Mais Lidas

Estupro não é sobre desejo, é sobre poder

Em 70% das ocorrências de violência sexual no Brasil em 2019, vítimas eram crianças ou pessoas incapazes de consentir ou resistir - como na acusação contra Robinho na Itália

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

8

Assista a um trecho da mesa com Nikil Saval no Festival Piauí de Jornalismo

Nikil Saval é editor e membro da mesa diretora da revista literária n+1, revista de literatura, cultura e política, publicada em versão impressa três vezes ao ano.
Saval esteve em novembro no Festival Piauí de Jornalismo e conversou com os jornalistas Fernando de Barros e Silva e Flávio Pinheiro. 

9

Histórias da Rússia

Uma viagem pelo país da revolução bolchevique, cem anos depois

10

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia