questões existenciais

Elogio ao tédio

Um hino à falta de sentido das coisas

Joseph Brodsky
O tédio representa o tempo em seu estado puro, sem diluição, em todo o seu esplendor repetitivo, redundante, monótono. E nos ensina a lição mais valiosa da vida: nossa absoluta irrelevância
O tédio representa o tempo em seu estado puro, sem diluição, em todo o seu esplendor repetitivo, redundante, monótono. E nos ensina a lição mais valiosa da vida: nossa absoluta irrelevância FOTO: POPPERFOTO_GETTYIMAGES

Mas caso não consigas
manter teu reino,
E, como teu pai antes de ti, vieres
Aonde o pensamento acusa
e o sentimento zomba,
Crê em tua dor…
H. Auden, “Alonso to Ferdinand”

Boa parte do futuro que vocês têm pela frente será tomada pelo tédio.[1] Falo isso hoje, nesta ocasião solene, porque penso que nenhuma faculdade de artes e humanidades prepara as pessoas para essa experiência. Dartmouth não foge à regra. Nem as humanidades nem as ciências oferecem disciplinas sobre o tédio – quando muito, os cursos, entediantes que são, podem nos familiarizar com a sensação. Mas o que é um contato fortuito comparado a um mal-estar incurável? Nem o falatório insuportavelmente chato de um conferencista ou a linguagem empolada e monótona dos livros didáticos chega perto do deserto psicológico que, partindo do quarto de vocês, desdenha do futuro.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Joseph Brodsky

Poeta russo, ganhou o Prêmio Nobel de Literatura em 1987. Seu livro de ensaios Menos que Um foi editado no Brasil pela Companhia das Letras

Leia também

Últimas

A casa da poesia

Neto do poeta Manoel de Barros põe à venda sobrado onde o avô escreveu a maioria de seus 28 livros; ideia é que o imóvel vire um museu

Down no high society

Em duas das mais influentes famílias paulistanas, Scarpa e Goldman, briga por pensão alimentícia opõe a mãe e os avós paternos de uma criança

Foro de Teresina #148: De Posto Ipiranga a loja de conveniência

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Modi dá lição em Bolsonaro

Como a Índia, novo epicentro da pandemia, convenceu os Estados Unidos a enviarem insumos contra a Covid – algo que o Brasil nunca conseguiu

A genética da Covid e os 400 mil mortos

Pandemia transforma em tragédia almoço de irmãs reunidas durante isolamento; cientistas investigam fatores genéticos da doença

“Precisamos de mais mulheres liderando a ciência”

Pesquisadora coordenou sequenciamento do novo coronavírus no Brasil

Lição de desigualdade

Aluno que desiste das aulas por não ter celular, aluna que liga porque apanha em casa, pais  desempregados que ou pagam a internet ou o gás – histórias da sala de aula em tempos de pandemia

Mais textos