esquina

Estado inexistente

Piauienses, vamos curar essa crise de auto-estima!

Consuelo Dieguez
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2007

O mapa não mente. O Piauí é uma das 27 unidades federativas do Brasil e está localizado na região Nordeste. É limitado, ao norte, pelo Oceano Atlântico; a leste, pelo Ceará e por Pernambuco; ao sul, pela Bahia; a sudoeste, pelo Tocantins, e, a oeste, pelo Maranhão.

Mas não adiantou. A edição 2007 do Guia Quatro Rodas, a principal publicação de turismo brasileira, ignorou o estado na sua seção Roteiro de Viagens, a mais nobre do guia. Das dezoito páginas dedicadas ao Nordeste – todas com fotos grandiosas, mapas minuciosos e dicas imperdíveis –, oito são gastas com as praias e as chapadas da Bahia. Duas falam de Sergipe e Alagoas, “gigantes no turismo”. Pernambuco surge como o estado que abriga “algumas das praias mais bonitas do país”. A Paraíba e o Rio Grande do Norte “têm atrações para todos os gostos”. No Ceará, “a vida é boa”. Até aí, tudo bem. Mas justo na hora de cruzar a fronteira e entrar no Piauí, o guia dá um salto e aterrissa, sem escalas, no Maranhão. Os 251 529 quilômetros quadrados de área (pouco maior que uma Grã-Bretanha), os 66 quilômetros de praias, as 223 cidades e os 3 milhões de habitantes simplesmente evaporaram.

Os piauienses sentiram o golpe. Há anos eles têm a sensação de não existir. Já se tornou tristemente célebre o episódio de 1998, quando um livro didático de geografia, editado no Paraná, simplesmente elidiu o estado. Não deixou nem uma nesga de solo piauiense para contar história. O traçado revelava um gigantesco Maranhão colado à Bahia e ao Ceará. O pobre piauiensezinho que se dispusesse a achar o seu torrão natal se descobriria um desterrado. Sem estado, sem naturalidade e até sem o rio Parnaíba – o que, no mesmo golpe, ainda transformou Torquato Neto, o famoso poeta piauiense morto em 1972, num dedicado discípulo do surrealismo: “Ê, São João, ê Pacatuba/ rua do Barrocão/ Parnaíba passando/Separando a minha rua/Das outras do Maranhão”.

Os piauienses não se conformam de serem sempre ignorados quando o assunto é turismo. Faz pouco tempo, a Globo fez uma enorme reportagem sobre as atrações nordestinas. Neca de Piauí. “Essa sensação de exclusão é muito dolorosa. É muito comum esquecerem de nós. Tanto nos livros escolares como nos roteiros turísticos”, suspira Sílvio Leite, o secretário de Turismo do estado. ”



Só lembram quando o assunto é fome ou miséria.”

 

L

eite não tem dúvida de que esse descaso nacional afetou a psique dos cidadãos: “O piauiense sofre de baixa auto-estima”. É um diagnóstico inescapável. “Enquanto os outros estados nordestinos divulgam suas maravilhas, no Piauí, o turista, quando chega, é imediatamente levado para comer sanduíche do McDonald’s no shopping”, lamenta. “E olha que aqui nós temos uma culinária original, que inclui buchada de bode, panelada e galinha caipira.” O estado também conta com a escola cujos alunos obtiveram a maior nota no Enem de todo o país, mas nem isso serviu para mitigar a dor. Segundo pensa, o sentimento de rejeição é tão forte que os próprios piauienses acabam convencidos de que o estado é sem graça. O caso é sério. Tanto assim, que o estado resolveu lançar uma grande campanha para levantar o astral da população. O lema é direto: “Piauí: é feliz quem vive aqui”. Sílvio Leite acredita que o piauiense haverá de reagir e desfraldará o seu orgulho: “Precisamos gritar para o mundo que o Piauí existe”.

A direção do Guia Quatro Rodas afirma que há um mal-entendido. “Todo ano nós renovamos os roteiros de sugestões de viagens. Não é demérito nenhum o Piauí ter ficado de fora. Outros estados também ficaram e em nenhum deles houve essa celeuma”, argumenta José Eduardo Camargo, editor da publicação. O diretor do Quatro Rodas, Caco de Paula, aproveita para fazer um afago no estado: “No guia, nós citamos inúmeras atrações locais. Eles só ficaram de fora do Roteiro de Viagens. Adoramos o Piauí e os piauienses. Eles moram, de pijaminha, no nosso coração”, diz ele. Estará sendo irônico?

Nem tudo são flores no Piauí, reconheça-se. Pelos dados do IBGE, a renda per capita dos piauienses só ganha dos maranhenses, dona da pior marca entre as 27 unidades da Federação. “Já faz um tempinho que o Piauí ocupa lugar de destaque no anedotário nacional”, reclama o professor de português e produtor cultural Cinéas Santos, de Teresina, estudioso da história piauiense. “Além de arrastarmos a nossa auto-estima na palmilha do sapato, nossos representantes no Congresso são áulicos bisonhos. Assim, vamos ficando à margem de tudo, seja de um guia, seja de um livro didático.” Santos reclama que “a face luminosa do Piauí” – a cultura que se produz ali – nunca é mostrada. “Que nos deixem de fora de um guia turístico, dói um pouco. Mas o que dói de verdade é a deliberada ignorância sobre o que fomos e o que somos”. Ele desafia: “Alguém sabe que a Batalha do Jenipapo foi travada aqui?”.

Nós não sabíamos. Mas fomos nos informar. Eis algumas sugestões espetaculares de viagem. No litoral, na fronteira com o Maranhão, não deixe de conhecer o Delta do Parnaíba, o único em mar aberto das Américas. O Parque Nacional de Sete Cidades, em Piracuruca, próximo à divisa com o Ceará, é outra atração de dar gosto; nesta, que é uma das mais belas concentrações rochosas do Brasil, o turista se deleitará não só com a paisagem em geral, mas também com a fauna e a flora bem preservadas. Mais ao sul, visite o Parque Nacional da Serra da Capivara – patrimônio cultural da humanidade –, em São Raimundo Nonato, e o Parque Nacional da Serra das Confusões, em Caracol, que vale a pena só pelo nome. O Piauí existe e é legal.

Consuelo Dieguez

Repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Um satélite oculto

Governo declara sigilo sobre decisões de Junta que analisa gastos públicos e complica a mal contada história do equipamento de 145 milhões para monitorar a Amazônia

Cresce força de PMs na política

Entre profissionais da segurança pública que se candidataram, proporção de eleitos triplicou de 2010 a 2018

Mais textos
5

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

6

Lucrativa como chocolate

Ex-investidores de Wall Street e os herdeiros de Bob Marley disputam os bilhões da cannabis legalizada nos Estados Unidos

7

O labor de Papai Noel

Papai Noel demais em uma única noite de Natal

8

Temer estuda pedir Estados Unidos em casamento para Brasil não quebrar

Uma ideia ousada surgiu numa reunião de Michel Temer com seus assessores mais próximos nesta tarde. Moreira Franco sugeriu que “já está na hora de o Brasil arrumar um esposo” para não correr o risco de quebrar.

10

A hora mais escura – exigências da verdade

O filme dirigido por Kathryn Bigelow a partir do roteiro de Mark Boal tem duas fragilidades – a legenda na abertura e o close final de Maya, a analista da CIA interpretada por Jessica Chastain. Entre esses dois extremos, porém, há duas horas e meia de bom cinema.