diário

“Eu não me interessava por nada comum”

Os relatos íntimos de um grande ator anterior à era da celebridade instantânea

Richard Burton
“Como a imprensa pode ser baixa ─ em especial a inglesa. São maldosos, dissimulados, petulantes e provincianos. Não têm aquela alegria pornográfica dos italianos. São apenas velhacos.”
“Como a imprensa pode ser baixa ─ em especial a inglesa. São maldosos, dissimulados, petulantes e provincianos. Não têm aquela alegria pornográfica dos italianos. São apenas velhacos.” FOTO: BERT STERN_1962

Em telegrama a seu advogado, que lhe perguntara se estaria escrevendo uma autobiografia, o ator inglês RICHARD BURTON respondeu: “Meu diário é um bem exclusivamente pessoal e não é lido por ninguém salvo Elizabeth. Por razões óbvias, não é publicável, a não ser em versão emasculada daqui a uns 100 anos, quando estivermos todos mortos. Eu mesmo nunca o releio. É um mero exercício cotidiano para mitigar a frustração.”

Quando morreu, em 1984, Burton tinha 58 anos. Havia se casado cinco vezes – duas delas com Elizabeth Taylor – e deixara centenas de páginas que cobriam todo o seu histórico de galã de cinema e teatro e frequentador do jet set internacional. Contudo, não é do mundo glamouroso das celebridades que vem a surpresa maior de seus diários. Publicados em 2012 pela editora da Universidade Yale, eles revelam um homem inteligente e culto que trocaria todos os holofotes pelo sossego de sua biblioteca nas montanhas suíças, onde fixou residência para escapar do fisco de Sua Majestade. A mãe de Burton era garçonete e o pai trabalhava nas minas de carvão do País de Gales. Tiveram treze filhos. Richard, o décimo segundo, virou o “milionário beberrão” que, em luta constante com as potencialidades não realizadas de seu talento e de sua vida, tinha igual prazer em adquirir uma gramática húngara ou em comprar um avião para presentear a sua amada Elizabeth.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Richard Burton

Richard Burton (1925–84) foi um ator britânico.

Leia também

Últimas Mais Lidas

“Mamadeira de piroca” versão 2020

Monitoramento em oito capitais mostra como candidatos conservadores acusaram adversários usando “ideologia de gênero”

Inválidos, Paes e o Bispo

Paes derrota Crivella em todas as 49 zonas eleitorais, mas perde para abstenções em números absolutos

Foro ao vivo no 2º turno: o que concluir das eleições

Podcast de política da piauí fez um balanço do resultado das eleições municipais; a íntegra do programa ao vivo está disponível no YouTube

Jogada pela direita rumo a 2022

DEM e MDB saem fortalecidos do segundo turno diante de derrotas petistas e de um bolsonarismo menos enraizado do que se previa em 2018

PT saudações

Partido do ex-presidente Lula perde prefeituras e vereadores e fica fora das capitais; para cientista político, "polarização afetiva" ajuda a explicar rejeição à legenda

Nas redes, deu Boulos; nas urnas, Covas

Candidato do Psol foi maior surpresa das mídias sociais na eleição este ano 

Redes bolsonaristas mentem mais sobre eleição

Boatos sobre fraudes na votação e nas urnas eletrônicas se espalharam em novembro, estimulados por apoiadores do presidente e pelo próprio Bolsonaro

Mais textos
2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

3

Lições de literatura e sociedade

Antonio Candido fala sobre o fazendeiro Pio e a invasão da USP

4

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

7

Incompreendido e compreendido

A briga, a separação, começam aí, assim, entre dois filmes como que realizados a quatro mãos, até que a fita de celuloide que os unia, se parta e as luzes se acendam.

8

Um teto todo seu

Conquistas de uma blogueira

9

Departamento de apelidos da Odebrecht exportará tecnologia

A capacidade produtiva do departamento de apelidos da Odebrecht chamou atenção do mercado internacional.