chegada

Gigantes do agronegócio, tremei

No seu 5º congresso, o MST inaugura uma nova linha política

Luiz Maklouf Carvalho
Desta vez, os militantes deram nomes aos bois que pretendem enfrentar daqui para a frente. Eles têm pedigree: Monsanto, Syngenta, Cargill, Bunge, ADM, Nestlé, BASF, Bayer, Aracruz, Stora Enzo
Desta vez, os militantes deram nomes aos bois que pretendem enfrentar daqui para a frente. Eles têm pedigree: Monsanto, Syngenta, Cargill, Bunge, ADM, Nestlé, BASF, Bayer, Aracruz, Stora Enzo FOTO: LEONARDO MELGAREJO_2007

Sob o sol forte de uma tarde brasiliense, o gaúcho João Pedro Stédile, já grisalho e com as marcas de seus 53 anos, estava onde gosta: à frente de uma passeata do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, o MST, marchando em direção à Praça dos Três Poderes. O presidente de um dos poderes, Luiz Inácio Lula da Silva, viajara para o Rio. Poderia ter permanecido na capital, recebido uma comissão com Stédile à frente, e até colocado o boné vermelho – como já fez. Pena: perdeu o nascimento de um MST, por assim dizer, pós-moderno.

No Movimento, passeata chama-se marcha, e 17 500 militantes, além de quase 200 convidados do exterior, marcharam na cadência de palavras de ordem. “Alerta, alerta que camina/ la lucha campesina por la América Latina“, entoou o batalhão internacional. “Um, dois, três, quatro, cinco mil/ ou sai reforma agrária ou paramos o Brasil“, rimou a delegação pernambucana. A do Ceará canta Luiz Gonzaga: “Minha vida é andar por esse país…“. O dia da marcha, 14 de junho, coincidiu com a data do nascimento de Che Guevara, que completaria 79 anos. “Mataram o Che/ mas não mataram o fruto/ o MST vai crescendo por minuto“, repetiram outros batalhões.

Stédile veio na primeira fileira, logo atrás da faixa que anunciava o advento, a partir daquele 5º Congresso, da “nova inflexão” no Movimento: “Por uma reforma agrária popular”. A diferença está na última palavra, “popular”. O adversário, agora, são as gigantes multinacionais do agronegócio. Um dos compromissos assumidos foi o de “combater transnacionais como Monsanto, Syngenta, Cargill, Bunge, ADM, Nestlé, Basf, Bayer, Aracruz, Stora Enso, entre outras” e “impedir que continuem explorando nossa natureza, nossa força de trabalho e nosso país”. É a primeira vez que os maiores grupos do PIB agrícola nacional são nomeados por extenso em documento do MST.

Stédile explicou a novidade: “Esses grandes grupos transnacionais têm o controle absoluto sobre a agricultura e sobre todo o processo produtivo brasileiro. Eles controlam os insumos, o pacote tecnológico, dizem como se deve produzir, vendem os agrotóxicos e controlam o mercado. É um inimigo muito mais complicado – ele nos obriga a defender uma outra reforma agrária, que nós chamamos reforma agrária popular. O problema deixou de ser apenas dos sem-terra. Passa a ser de todos os agricultores brasileiros, que devem se unir para enfrentar as transnacionais”.

Stédile esclareceu também o significado prático da mudança: “Além das ocupações, que vão continuar, vamos fazer um movimento de consciência da sociedade, com ações de pedagogia de massa”. Como exemplo da virada, cita a recente ocupação, por um dia, de uma usina da Cargill, no interior de São Paulo. “Era pra tomar a Cevasa? Não. Era pra chamar a atenção da cidade, pelo absurdo da Cargill ser dona de 36 000 hectares de terra em Ribeirão Preto.” Ou seja: a partir de agora, as empresas de agrobusiness, que já foram alvo eventual de ações antes, seguirão a sê-lo, mas na condição de objetivos prioritários. Para rebater as acusações de que o MST atropela o meio ambiente, o 5º Congresso inseriu, na carta final, um compromisso de lutar “contra as derrubadas e queimadas de florestas nativas para a expansão dos latifúndios” e de “exigir dos governos ações contundentes para coibir práticas criminosas ao meio ambiente”. Reafirmou, ainda, a condenação das sementes transgênicas e a difusão das práticas de agroecologia.

Stédile usava sapatos de couro, pretos, calças jeans meio surradas, e camisa xadrez de mangas curtas. Levava a tiracolo, sobre a barriga, a bolsa preta, de pano, que todos os congressistas ganharam. Caminhava calado. Só conversava com quem puxava conversa. Quando a marcha, já pelo sexto quilômetro da ida, chegou à embaixada dos Estados Unidos, havia polícia de sobra protegendo a entrada. A orientação passada e repassada aos militantes foi a de “não aceitar provocações”. Stédile orientou a colocação, no chão, de 30 caixões de madeira, bem em frente à embaixada. Cada um estava coberto por um pano negro com letras brancas formando os nomes dos países invadidos pelos Estados Unidos, e o respectivo número de mortos.

 

Em torno do ginásio em que aconteciam as plenárias, ergueu-se a cidade improvisada das quatro edições anteriores. Ela tinha 31 000 metros quadrados de lona, 200 banheiros químicos, 350 chuveiros, vinte caixas d’água de mil litros e mais 50 caminhões-pipa. A infra-estrutura foi oferecida pelo governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, mais conhecido pela violação do painel eletrônico do Senado, em 2001. O MST também arrecadou recursos nos estados e junto a prefeituras para conseguir os quase 400 ônibus que desaguaram a militância em Brasília.

Na principal praça da capital, os marchadores ergueram uma faixa gigante: “Acusamos os três poderes de impedir a reforma agrária”. Um desses poderes teria mais pecados que os outros? “Não”, respondeu Stédile. “Eles são colegas, primos, casados, mancomunados há 500 anos.”

O Congresso do MST é um pouco como Stédile: sentencioso. Não há debates depois das exposições – nem mesmo entre os expositores. O que conta, mesmo, é o que os seus integrantes chamam de “mística”: longas cerimônias culturais, nas quais as crenças do MST são encenadas à exaustão. Em relação a congressos anteriores, a mística ficou mais eclética: houve poema de Vinicius de Moraes, canção com Maria Bethânia e até o Augusto dos Anjos de “Toma um fósforo. Acende teu cigarro! / O beijo, amigo, é a véspera do escarro / A mão que afaga é a mesma que apedreja.” Stédile ri quando ouve comentários sobre o arejamento cultural da mística. “Estamos avançando”, diz.

O Congresso abraçou outra mudança. A erradicação do analfabetismo nos acampamentos e assentamentos do MST continua a ser um objetivo central. “Quem não estiver estudando não pode ser militante”, disse Stédile, que é economista com pós-graduação pela Universidade Estadual Autônoma do México. Foi formalizada a adoção do programa de alfabetização cubano “Sim, eu posso“. O método, testado na Venezuela, ensinaria a ler em apenas 35 dias. Para solidificar a leitura, contudo, seria preciso dar continuidade ao aprendizado com programas de formação para jovens e adultos. É nessa etapa que precisam entrar os governos estaduais e o Ministério da Educação.

Fernando Haddad, o titular da pasta, foi o único integrante do primeiro escalão do governo Lula a comparecer ao 5º Congresso. Stédile cochichou no seu ouvido: “Marca com a gente, mas fora do ministério, pra gente poder conversar sem frescura”. O ministro respondeu em sintonia: “Tá bom. Nós temos recursos, e onde houver consenso pode haver escala.”

Luiz Maklouf Carvalho

Luiz Maklouf Carvalho, jornalista, é autor de "O Coronel Rompe o Silêncio", da Objetiva, e coautor de "Vultos da República", da Companhia das Letras.

Leia também

Últimas Mais Lidas

O Irlandês – memória e maldição

Filme de Scorsese alcança grandeza ao fazer acerto de contas do diretor com sua obra

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

3

A chicana

Uma floresta contra o autódromo de Crivella e Bolsonaro

4

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

5

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

6

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

8

Começo para uma história sem fim

Como uma foto, um porteiro e um livro de registros complicaram ainda mais a investigação do caso Marielle

9

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

10

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta