esquina

Habeas Cannabis

Um jardim no quartinho

Tiago Coelho
ILUSTRAÇÃO_ANDRÉS SANDOVAL_2018

Em abril deste ano, após apresentar à Justiça um receituário médico que atestava as dores crônicas que sente e a necessidade de uma nova terapêutica para seu problema de saúde, o engenheiro elétrico Pedro Zarur, de 56 anos, obteve autorização para plantar maconha em casa.

No quarto de empregada, de 6 metros quadrados, em sua casa na Tijuca, bairro de classe média carioca, Zarur passou então a cultivar dez pequenos vasos de Cannabis sativa (nome de uma das espécies da planta de onde se produz a maconha), cuja muda tem cerca de 40 centímetros de altura. As plantas são tratadas com esmero: a terra é adubada com insumos biológicos de qualidade e o sistema de rega passa por um mecanismo que retira o cloro da água. “Venha ver”, disse, levando o repórter da piauí até os fundos do imóvel, numa noite de meados de agosto. De dentro do aposento, uma luz branca muito forte irradiava de refletores que servem para deixar o local aquecido. “Olha que beleza! Estão pequenininhas ainda. Mas podem atingir quase 2 metros”, previa Zarur. “Colhi há algumas semanas, agora espero o florescimento dessas mudinhas.”

Quando as plantas crescerem, Zarur colherá apenas as flores. Antes de descartar o resto, retirará alguns galhos e os replantará nos vasos. Será a próxima colheita, dentro de dezoito semanas.

Ele pega um dos vasos e o aproxima dos olhos, para ver se descobre na planta alguma praga, mas o pé de maconha está bem saudável. De volta à sala, apanha uma caixa de madeira, de onde retira um vidro com flores de maconha secas. O perfume forte da erva exala de dentro do frasco. Zarur tira uma das flores e a observa com uma lente microscópica portátil, parecida com um monóculo. “Veja essas ceras brilhantes na flor. É o THC. O barato não vem das folhas, vem daí”, diz, soltando uma risadinha. Depois, assume tom mais sério: “Para cultivar Cannabis em casa é preciso ter zelo e capricho, senão você não colhe nada. É algo muito distante do imaginário do maconheiro desleixado, preguiçoso.” De fato, a casa onde ele vive com a mulher e dois filhos jovens – um rapaz de 27 anos e uma moça de 25 – reflete isso: organização e cuidado.

 

Tijucano de nascimento, Zarur contraiu poliomielite antes de completar 1 ano de idade. Com dificuldades para andar, em razão da atrofia das pernas, desenvolveu esporões em diferentes partes do corpo, além de hérnias de discos lombares. Com o tempo, suas dores foram se ampliando, mais ainda ao caminhar, tornando-se às vezes excruciantes.

Foi apenas por distração que Zarur começou a fumar maconha na juventude. Mas percebeu que a erva, além de ser um agradável ansiolítico, contribuía para aliviar as suas dores. Em 2006, em um fórum na internet, conheceu outras pessoas interessadas no plantio. O fórum, além de ser um local em que os cultivadores trocavam informações, servia de canal para a importação de sementes, que chegavam pelo correio, encaminhadas da Inglaterra ou da Holanda. A correspondência nem sempre passava despercebida pela alfândega brasileira. Quando descobriam o conteúdo, o destinatário era convocado para prestar depoimento à Polícia Federal.

Zarur escondeu a primeira muda que plantou num vão livre embaixo da escada da entrada de sua casa. Mulher e filhos sabiam da plantinha florescendo aos seus pés, mas nunca se interessaram muito por aquele cultivo proibido. Quando a vizinha, que era sua amiga de infância, se mudou e um desconhecido passou a morar ao lado, o engenheiro levou a muda para o quarto de empregada.

Como nos últimos dois anos as suas dores se tornaram crônicas, o médico lhe prescreveu um óleo extraído da Cannabis, cujo princípio ativo ajuda a aliviar dores e náuseas, reduz convulsões severas e tem efeito neuroprotetor.

Com a receita em mãos, Zarur fez um pedido à Anvisa para importar o óleo, que é tomado por via oral, puro ou misturado em algum líquido. “Porém, o custo mensal da importação da quantidade de remédio necessária para um homem do meu tamanho e peso é de quase 10 mil reais.” Ele pesa 90 quilos e mede 1,78 metro. Esses custos, então, levaram o engenheiro a ir mais longe: de posse da recomendação médica e alegando não poder arcar com a despesa de importação, ele decidiu pedir um habeas corpus que o autorizasse a cultivar a Cannabis. “Com o cultivo, gasto apenas 600 reais por mês”, calcula.

 

Zarur percebeu que, como ele, um grande número de pessoas tentava obter o medicamento extraído da maconha. Isso o levou a participar, em 2015, da fundação da ABRACannabis, entidade que defende o cultivo da erva e forma uma rede multidisciplinar de apoio a pacientes e familiares que fazem uso terapêutico da planta.

Parceira de centros de pesquisas como a Fiocruz e o Farmacannabis, laboratório da UFRJ que estuda e monitora terapias com produtos medicinais de Cannabis, a ABRACannabis tem cem associados. Mas apenas sete, incluindo Zarur, possuem habeas corpus autorizando o cultivo.

A entidade reúne médicos, professores, advogados e pesquisadores que orientam pacientes na obtenção de respaldo jurídico para a compra do medicamento e para o plantio. A principal demanda do produto vem de familiares de pessoas com autismo, epilepsia de difícil controle, câncer e mal de Parkinson.

Nos últimos tempos, Zarur reduziu bastante o uso do cigarro de maconha. Consome a Cannabis de duas outras formas, dependendo da intensidade da dor. O óleo, que leva três horas para começar a agir, é ingerido duas vezes por dia, de manhã e à noite. Quando a dor ataca de forma mais intensa, recorre ao vaporizador, um aparelho preto parecido com um telefone celular. Abre uma tampa dentro do objeto e coloca um punhado de erva seca em uma caixinha. O vaporizador aquece a maconha e libera o vapor, que o engenheiro aspira. O efeito é imediato.

Ultimamente, o jardim de maconha de Zarur também se tornou uma espécie de horta, pois ele passou a usar a planta em várias receitas culinárias. Entre seus amigos, é famoso o molho pesto que criou com manjericão e Cannabis. Mas o carro-chefe, sem dúvida, é uma lasanha em que mistura a maconha ao molho branco. Os apreciadores da iguaria a batizaram de “lasonha”.

Tiago Coelho

Tiago Coelho é repórter da piauí e roteirista

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

Foro de Teresina #30: A briga pelo Senado, os generais de Bolsonaro e a política do futebol

Podcast da piauí analisa os fatos da semana na política nacional

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

3

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

4

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

5

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

7

Guedes e Itamaraty brigam por comércio exterior

Sem combinar um com o outro, futuros ministros da Economia e das Relações Exteriores incluem sob seu comando a agência de promoção de investimentos fora do país

8

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

9

O homem-viaduto

Sem-teto vive dentro de um buraco no elevado mais famoso de São Paulo; como o Minhocão, 73 pontes e viadutos têm problemas estruturais na cidade

10

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante