horóscopo

Horóscopo por Chantecler

O mar não está para Peixe

Chantecler

Apesar da remuneração pífia, aceitei o convite para escrever o horóscopo deste mês de piauí por duas razões, ambas de cunho materialista, se bem que uma seja utilitária e a outra, política. Primeiro, porque é melhor ganhar um dinheiro medíocre do que nenhum. E depois porque, como ensina o sagitariano Arnaldo Jabor, o zodíaco é terreno apropriado para propagandear a yoga tântrica, em baixa desde a invasão do Iraque, mas ainda assim a única bússola capaz de orientar as massas oprimidas rumo, se não às telenovelas, ao menos a um mensalão, ou a um cargo de confiança ou, para os chegados a uma adrenalina, um a dossiê com razoável chance de comercialização num segundo turno estadual.

ÁRIES [21.03-20.04] Há pessoas por aí com toda espécie de desejos. Elas se chocam o tempo todo, se encontram, experimentam a companhia das outras, e pode ser até que seus desejos sejam compatíveis, ainda que em graus diferentes. Isso está claro, como também está claro que na maioria das vezes as pessoas deixam seus desejos de lado e se acomodam confortavelmente em padrões de relacionamento já experimentados, dos quais se tornam funcionárias. E no meio do caminho elas esquecem de investigar seus desejos mútuos, e sobretudo de explicitar seus próprios desejos para que o outro tenha a opção de saciá-los. E por isso você, ariano (a) inflexível, vai querer simplesmente ficar sozinho (a) de dois em dois anos, se não for forçado a mudar de caminho.

TOURO [21.04-20.05] Cuidado com o excesso de tolerância. Olhe ao redor: você com certeza vive num lugar em que tudo e todos já são suficientemente aceitos. Não faz sentido seguir reivindicando igualdade universal e irrestrita. Com a Lua quarto crescente em Escorpião, o mês será propício para exercer seus preconceitos e tirar do sério algumas minorias que ainda se acham discriminadas. Escolha vítimas de Sagitário, Aquário e Libra, signos que não combinam com o seu.

GÊMEOS [21.05-20.06] Plutão (sim, Plutão!) está passando em sua vida, exercendo o costumeiro efeito devastador. Pode ser uma boa gastar todas as suas economias para mandar reformar, e transportar por milhares de quilômetros, aquele antigo piano no qual você aprendeu a tocar na adolescência. Faça com que seja içado até a janela do seu apartamento e posto na sala de estar. Todo dia, a partir daí, toque o piano de madrugada para sublimar a angústia de estar exatamente aí, neste apartamento, agora, sem dinheiro, neste lugar e em nenhum outro, sendo esta pessoa e não qualquer outra, imaginando como teria sido se tivesse investido dinheiro numa passagem de avião para um país distante, para bem longe da pessoa que está deitada no quarto ao lado, olhando para o teto, comovida com a música que você toca. Ou então dê ouvidos à sua outra metade, compre a tal passagem de avião e suma (de preferência em Paris).



CÂNCER [21.06-22.07] Você quer alguém em quem possa pensar o tempo todo, e essa é uma expectativa deletéria. Não é preciso ir tão longe, nada além de algumas poucas noites em claro, lembrando sempre que o prazer pode ser comparado a disparos de eletricidade que percorrem a pele em circuitos mais ou menos previsíveis, os quais devem ser estudados e explorados. Seu signo é regido pela Lua: aproveite para calcular a posição das janelas e a arrumação dos quartos de maneira que a luz da Lua cheia incida diretamente sobre as camas nas noites de céu limpo. E cuidado com o pâncreas.

LEÃO [23.07-22.08] Haverá diversos mas breves instantes de transcendência nos anos que seguem, e a tarefa mais complicada será sobreviver a eles, ou manter uma visão entusiasmada da existência no meio-tempo entre um e outro. Você gosta de ser o centro das atenções, mas prepare-se para ser esnobado. Distraia-se dos problemas, finja que essa vida de vazio e terror está sob controle. Tome um porre para não pensar em mais nada (mas evite licor de ovo e conhaque de alcatrão) e no dia seguinte passe duas horas praticando seu esporte favorito: imagine que você está segurando a morte pelo pescoço, impedindo que a maldita respire, nem que seja por alguns instantes.

VIRGEM [23.08-22.09] Para os virginianos que adoram ordem no meio da desordem, pequenos rituais individuais são substitutos mais eficientes para os rituais coletivos, que tendem a ser niveladores e dogmáticos. Identifique os pequenos rituais que você já cultiva e não pense duas vezes antes de criar novos. Experimente, por exemplo, passar alguns minutos por dia estourando as bolhinhas de um plástico-bolha – mas nunca, jamais, em dia de Lua nova e na companhia de um sagitariano: as conseqüências podem ser nefastas. Depois de exercitar seus pequenos rituais pessoais, o simples ato de sair para a rua e pegar um ônibus, ou entrar em um shopping, proporcionará aquela fisgada de uma experiência coletiva e sagrada.

LIBRA [23.09-22.10] Olhe para o céu: Vênus está quase apagada. Seu magnetismo está comprometido. Esqueça os rins e as dores na lombar, pois a carência será a grande doença do futuro próximo. Ideais amorosos nunca foram tão traiçoeiros quanto nesses próximos dias. Alivie os sintomas com colo, abraços longos, aconchego. Logo você estará mais preocupado em encontrar a pessoa certa do que em ser a pessoa certa, o que será o passo final para que você se torne um autômato, um pobre coitado definitivamente solitário, ainda que, como sempre, sejam mantidas as aparências.

ESCORPIÃO [23.10-21.11] Para você, sexo é quantidade, intensidade, desempenho, sujeira e degradação. Para o seu parceiro é carinho, respeito, fruto ocasional de uma configuração muito especial de fatores emocionais. Você quer a mão inteira, mas só consegue agradar ao outro com a ponta dos dedos. É hora de tomar uma atitude. Chame uns amigos e alugue uns DVDs.

SAGITÁRIO [22.11-21.12] Pode ser verdade que somos apenas uma combinação particular de átomos imbuídos da ilusão de havermos sido extraídos do resto do universo, que amamos somente aquilo que tememos perder, que estamos permanentemente simulando uma desejada conexão com o que existe fora de nós (a tal epifania que só será alcançada com a morte) e que aí será tarde demais e blablablá, mas o sagitariano, de alguma forma, percebe-se como uma negação de tudo isso. Erro grave. Os eruditos sabem que até Júpiter pode tremer. Atenção: os astros garantem que você ainda é um mortal.

CAPRICÓRNIO [22.12-20.01] Todos os erros que você cometeu na vida foram por excesso de bondade. É hora de errar por maldade, por egoísmo, por insensibilidade. Torre seu dinheiro em benefício próprio. Informe a todos que dependem de você que de agora em diante eles estão sozinhos. Compre um revólver. Compre uma moto. Fique doente e torne-se um fardo. Já está na hora.

AQUÁRIO [21.01-19.02] A qualquer instante, qualquer coisa que pode acontecer tem 50% de chance de acontecer e metade de não acontecer. Qualquer outra estatística é bobagem. Neste exato momento, se você olhar pela janela, há 50% de chance de você ver um cachorro ser atropelado. Se você fechar esta revista e reabri-la, há 50% de chance de dar de cara com esta mesma página. Observe o mundo com distanciamento e verá que isso é verdade. Só não espere que essa revelação torne sua vida mais feliz.

PEIXES [20.02-20.03] Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno, Plutão [sim, Plutão!], o décimo planeta recém-descoberto, o Sol e a Lua desenham um dodecaedro. Hora de repensar suas convicções. Pense bem nos seus livros favoritos, nas músicas que lhe dão vontade de ser um cantor e compositor capaz de suspender a respiração alheia com dois acordes e quatro versos, nos filmes que você comprou para assistir novamente a determinada cena, em todos os fragmentos de verborragia confessional que você despejou num diário, num blog ou no ouvido alheio e pergunte-se: são eles que dizem quem você é ou, é você que cede toda vez mais um pedacinho da sua vida pelo conforto de se ver refletido neles? Quebre todos os espelhos de casa. Evite lanchas, pranchas, veleiros, bóias, corvetas e esquis. O mar não está para Peixes.

Chantecler

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na piauí_167

A capa e os destaques da revista de agosto

Dispositivo de alerta

Morador provisório do Alvorada mostrou não estar à altura do cargo para o qual foi eleito, assim como seu clã de três zeros

Bolsonaro, o favorito?

Se não aumentar atual taxa de aprovação, presidente chegará a 2022 em situação desconfortável; até lá, arma a retranca e joga a torcida contra o juiz

No app da inclusão

Jovens negros da periferia apostam na tecnologia como ferramenta contra o racismo

Foro de Teresina #111: A república rachada de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Álcool, pancadas na cabeça e poluição, novos riscos para o Alzheimer

Teste aponta propensão para a doença vinte anos antes de sintomas aparecerem; estudo inédito identifica três novos fatores a evitar para não desenvolver o mal

Moral religiosa é mais forte no Brasil do que em países com renda parecida 

Diretor de escola de Oxford analisa pesquisa global do Pew Research sobre moralidade e fé e explica por que a cultura brasileira faz do país um ponto fora da curva na questão

Mortes visíveis – o reencontro de Sérgio Ricardo, Dib Lutfi e Glauber Rocha

Contaminados pelo novo coronavírus, milhares de mulheres e homens perderam a vida – morreram de Brasil

De Quixeramobim a Oxford

Como um estudante do interior do Ceará se tornou um dos pesquisadores no rastro do genoma do Sars-CoV-2

Mais textos
2

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

3

A morte e a morte do Capitão América

Baudrillard, o franco-atirador da teoria de que tudo é ilusão, mandou o Capitão América desta para a pior

4

Carbonos do pop

Falsos gringos e indústria cover no lado B da canção brasileira

5

Por que as crianças gostam de Valtidisnei

De como me perdi de minha família ao ver Pinocchio, fui parar num reformatório, e a reencontrei numa sessão de Bambi

6

O taxista carioca

Armando Japiassú dirige com o cotovelo para fora, finge que o ar-condicionado quebrou agorinha mesmo e definitivamente não acredita que a reta seja o caminho mais curto entre dois pontos 

7

Uma arma, dois assassinatos e uma só tragédia no Rio

Como uma mesma pistola 9 mm de uso restrito está diretamente ligada às mortes de um sniper e de um PM em menos de 24 horas na capital carioca

9

A guerra do Cashmere

Como João Doria Júnior se tornou candidato a prefeito e implodiu o PSDB de São Paulo

10

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira