chegada

Mais fortes são os poderes do corpo

Francisco prega uma Igreja na rua, que beije e toque

Mario Sergio Conti
Sem proximidade, a Igreja é como uma mãe que só se comunica com os filhos por cartas
Sem proximidade, a Igreja é como uma mãe que só se comunica com os filhos por cartas ILUSTRAÇÃO: ENCONTRO DE ANA E JOAQUIM NA PORTA DOURADA, AFRESCO DE GIOTTO NA CAPELA SCROVEGNI EM PÁDUA_1305

O papa Francisco usou a tecnologia de comunicações durante a sua visita ao Brasil. Ele falou ao repórter Gerson Camarotti, da Rede Globo, que um dos problemas maiores da Igreja Católica é a sua distância dos fiéis. A palavra-chave, sustentou, é “proximidade”. Isso, disse Francisco, “porque a Igreja é mãe, e nem você nem eu conhecemos uma mãe por correspondência. A mãe dá carinho, toca, beija, ama. Quando a Igreja, ocupada com mil coisas, se descuida dessa proximidade, se descuida disso e só se comunica com documentos, é como uma mãe que se comunica com seu filho por carta”.

Enquanto falava, Francisco fazia gestos de quem abraça e acaricia. O que vale, insistiu, são os corpos que se tocam aqui e agora. A proximidade possibilita a verdadeira comunicação, palavra que tem a mesma raiz de comunhão – receber e integrar-se ao outro. E, no entanto, lá estava o papa, falando a um portentoso aparato tecnológico que levou a sua imagem a milhões de pessoas distantes, e não próximas. A ambiguidade esteve no coração da entrevista à Globo. Ela foi uma operação de relações públicas de massa, possibilitada pela técnica, cujo conteúdo foi a defesa da intimidade entre pessoas de carne e osso.

 

A Igreja Católica é uma monarquia de direito divino que surgiu na Antiguidade e virou potência na Idade Média. Seus primeiros dogmas foram codificados por meio de cartas, o meio de comunicação criticado por Francisco, enviadas pelo apóstolo Paulo a comunidades cristãs de Roma, Corinto e Éfeso. A sua pregação tinha maior alcance que a de Jesus, que nem sabia escrever.

Foi por meio de cartas, bulas e encíclicas que o poder do papado se consolidou. Elas foram escritas no idioma internacional de então, o latim. Com o tempo, o latim perdeu espaço para línguas regionais, que eram faladas pela maioria dos católicos, gente pobre e analfabeta. O cisma provocado pela Reforma teve como pivô a defesa de Martinho Lutero de que o clero usasse traduções da Bíblia.

Mais tarde, o papado veio a permitir as traduções. Mas só há cerca de cinquenta anos, com João XXIII, autorizou que as missas fossem rezadas no vernáculo. Começou a diminuir a distância que separava a corte vaticana dos fiéis. A pompa medieval, as batinas rebuscadas, as marcas da riqueza da monarquia foram paulatinamente reduzidas, em benefício do despojamento estabelecido pelo Concílio Vaticano II.

A emergência de sociedades de massa, bem como a disputa pelo rebanho católico, acossado por forças seculares e de outras religiões, obrigou o Vaticano a recorrer aos novos recursos tecnológicos. João Paulo II foi o primeiro papa midiático. Ator na juventude, ele parecia ter sempre em mente as câmeras de tevê nas suas incessantes viagens internacionais, que se assemelhavam a turnês de astros pop. Francisco é o segundo pontífice midiático. O uso que o argentino faz da tecnologia, no entanto, é diferente da do polonês.

Na chegada ao Rio, Francisco não se prostrou para beijar o chão como João Paulo II, gesto inócuo mas que propicia boas fotos. Abriu a janela do carro num engarrafamento, sabendo, como disse à Globo, que poderia ser agredido. O polonês abençoou Lula e outros sindicalistas de oposição em plena ditadura. E o argentino, mesmo afirmando que não entendia direito as manifestações de rua brasileiras, conclamou os jovens a delas participar. O primeiro papa pregou de cima para baixo e deu lições. O outro reconheceu que não sabia mais que ninguém e falou como que a iguais.

 

Francisco contou em sua entrevista à tevê que foi morar na Casa de Santa Marta porque detesta ficar sozinho. O homem gosta de gente. Reconheceu a importância do Vatileaks e deixou no ar que simpatizava com a derrama de documentos internos do Vaticano. Não cogitou preservar segredos e tramoias de sacristia. Ao contrário, tuitou e deu entrevista.

As atitudes do papa não mudam a substância da igreja. O papa escolhe os cardeais que elegerão os seus sucessores em conclaves iluminados por uma figura da trindade, o Espírito Santo. A pedra da igreja fundada por Pedro é a submissão, ainda que voluntária. A monarquia divina não pretende se democratizar.

O que chegou com Francisco não foi a democratização. Foi o apelo explícito à participação direta, de corpo presente. O papa usou a tecnologia como um meio para incentivar a proximidade, o que é sempre um risco para os poderes constituídos. Para eles, seria melhor que o povo, atomizado na frente de computadores, enviasse e-mails com petições a quem de direito. Assim não haveria manifestações de rua, que, no entanto, continuam a acontecer. A tecnologia – redes sociais, celulares, minicâmeras – serve para convocá-las e difundi-las. Mas o que conta mesmo, como disse o arruaceiro Francisco, é estar ali de corpo presente, hic et nunc.

Mario Sergio Conti

Mario Sergio Conti é jornalista e autor de Notícias do Planalto, da Companhia das Letras. Foi diretor de redação de piauí de 2006 a 2011

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #8: Feminismo negro

A socióloga Márcia Lima encerra a terceira temporada numa gravação especial com participação da plateia

China leva churrasco brasileiro

Peste dizima rebanho suíno chinês; para suprir demanda externa, picanha bovina sobe até 33% nos supermercados do Brasil

Uísque com sopapos

Presidente da Firjan consegue aprovar mudança em regra eleitoral que lhe permite disputar nono mandato; disputa sucessória causa confusão em happy hour de empresários

Foro de Teresina #80: A tragédia em Paraisópolis, o desaforo de Trump e a cultura do desaforo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Conversão na fé ou na marra

Diante da ameaça de facção criminosa no Acre, integrantes de grupo rival têm de optar entre aderir a invasores ou entrar para igrejas evangélicas – e gravar vídeos como prova

2020 – Esperança vã

Propósito deliberado do governo Bolsonaro é asfixiar atividade cinematográfica

Na piauí_159

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

O sapo escaldado da democracia

Prisão de brigadistas aumenta mais um grau em ambiente de autoritarismo lento e irrestrito  

Mais textos
1

Conversão na fé ou na marra

Diante da ameaça de facção criminosa no Acre, integrantes de grupo rival têm de optar entre aderir a invasores ou entrar para igrejas evangélicas – e gravar vídeos como prova

2

China leva churrasco brasileiro

Peste dizima rebanho suíno chinês; para suprir demanda externa, picanha bovina sobe até 33% nos supermercados do Brasil

4

Contagem regressiva

A responsabilidade do campo democrático para evitar a catástrofe

5

O sapo escaldado da democracia

Prisão de brigadistas aumenta mais um grau em ambiente de autoritarismo lento e irrestrito  

7

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

8

Uísque com sopapos

Presidente da Firjan consegue aprovar mudança em regra eleitoral que lhe permite disputar nono mandato; disputa sucessória causa confusão em happy hour de empresários

9

Na piauí_159

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas

10

Foro de Teresina #80: A tragédia em Paraisópolis, o desaforo de Trump e a cultura do desaforo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana