esquina

Mão de ferro

A líder da ocupação

Guilherme Novelli
ILUSTRAÇÃO_ANDRÉS SANDOVAL_2018

Numa tarde de junho, uma senhora entrou no escritório do Movimento de Moradia Para Todos (MMPT), no Centro de São Paulo. Queria pagar o aluguel mensal do cômodo onde vive, que fica num prédio ocupado a poucos metros dali, na rua Marconi. “São 215 reais, mais a taxa de reforma, dá um total de 351,50 reais”, explicou a auxiliar administrativa que a atendeu, ela também moradora da ocupação. A senhora pediu ajuda para contar o dinheiro. “Preciso do seu título de eleitor para poder receber”, disse a auxiliar. “É para saber quantos votos a Edinalva vai ter”, completou, mostrando-lhe uma planilha com o número do documento dos demais moradores.

A moça referia-se à líder do MMPT, Edinalva Franco, que nas eleições de outubro vai concorrer à Assembleia Legislativa paulista pelo PT. À frente das quatro ocupações coordenadas pelo movimento, Franco é a responsável por cobrar aluguéis atrasados, além de contratar e pagar empresas para as reformas dos imóveis. Preside as reuniões semanais de boas-vindas, verifica a documentação dos novos moradores e negocia com as autoridades quando algum pedido de reintegração de posse recai sobre as ocupações.

Cabe a ela zelar pelo cumprimento das regras. “Não pode entrar drogado ou alcoolizado e nem roubar ninguém”, explicou. Franco exige atestado de antecedentes criminais dos adultos e cartão de vacinação das crianças. Ninguém pode chegar depois da meia-noite, e os ocupantes têm que participar dos atos e invasões promovidos pelo MMPT. “Eles estão vindo para a luta, não para uma imobiliária”, justificou.

Franco chamou a atenção da imprensa no começo de maio, depois que um edifício ocupado por dezenas de famílias de sem-teto no Largo do Paissandu desabou em decorrência de um incêndio. A ocupação era coordenada pelo Movimento de Luta Social por Moradia, sem ligação com ela ou com o MMPT, mas na esteira do episódio repórteres foram investigar outras ocupações e descobriram a firmeza com que a baiana comandava as suas. Num áudio de WhatsApp vazado na época, ela ameaçava de despejo os moradores inadimplentes. “Nem que for duas da manhã eu vou bater para cobrar”, avisou. Exonerada do cargo de assessora da deputada estadual Márcia Lia após o episódio, Franco justificou a cobrança ao receber a piauí: “Se eu disser ‘A senhora está inadimplente’ eles não vão entender. Tenho que fazer pressão, porque as empresas que prestam serviço para nós não vão esperar.”

 

Edinalva Franco nasceu em Itanhém, na Bahia, há 46 anos, e se mudou para São Paulo ainda criança. Filiada ao PT desde 1991, fez carreira como assessora de políticos – no cargo que ocupava até o mês de maio, o salário era de quase 10 mil reais mensais. Tem uma caminhonete Mitsubishi Triton de 121 mil reais e um apartamento na rua Brigadeiro Tobias, no Centro, com valor declarado de 300 mil reais. Mas prefere morar numa das ocupações que lidera, para manter o controle sobre os moradores. Atualmente reside num prédio da rua Capitão Salomão, a cerca de 100 metros de onde ficava o edifício que desabou no começo do ano.

Franco levou o repórter para conhecer o Edifício São Manuel, imóvel ocupado sob sua gestão na rua Marconi. Naquela tarde ela acompanhou três funcionários da Secretaria Municipal de Habitação que inspecionavam o prédio. Eles estavam preocupados com as condições estruturais do imóvel e o bem-estar dos moradores. Negaram que a visita tivesse alguma relação com o desabamento no Largo do Paissandu.

O MMPT se instalou no Edifício São Manuel em 2012, três anos depois que o último dos seus andares foi desocupado pelo proprietário (os onze donos do imóvel estão em dívida com a prefeitura, que iniciou um processo de desapropriação). O prédio de doze andares, com a fachada pichada e deteriorada, tem um portão de metal pintado de vermelho. No hall, as paredes igualmente vermelhas exibem pôsteres do ex-presidente Lula. Os únicos espaços reformados são uma creche, ainda em obras, e um salão de beleza batizado com o nome do escritor e guerrilheiro Carlos Marighella. Vivem ali 148 famílias de baixa renda, sem condições de pagar aluguel (“Nossas ocupações não são para moradores de rua”, frisou Franco). Estão distribuídas em quartos de aproximadamente 10 metros quadrados – as mais numerosas precisam de um cômodo duplo, e nesse caso o aluguel sai por 430 reais.

Enquanto mostrava a cobertura, Franco chamou a atenção para o estado de conservação do lugar. “Elevador e banheiros reformados, fiação nova, portaria, escritório”, enumerou. “Por isso não aceito que as pessoas digam que a Edinalva está roubando”, protestou. “Quem tem má-fé não é o morador, mas a imprensa que edita tudo para denegrir nosso trabalho.” Descendo as escadas ou percorrendo os corredores movimentados do prédio, Franco era saudada por onde passava. Os moradores pareciam constrangidos com a presença do repórter – a líder os orientara a não falar com jornalistas.

Os ocupantes não são os únicos a se intimidar diante da baiana corpulenta. Ricardo Rodrigues, um dos integrantes da comissão da prefeitura que inspecionou a ocupação, contou que a conheceu dez anos atrás numa delegacia paulistana, após uma reintegração de posse. “Vi o tamanho dela e preferi não discutir”, contou. “Numa eventual briga, eu certamente levaria a pior.” Claudio Pereira da Silva, ex-marido de Franco e ex-prefeito de Paranapuã, conheceu na pele a fúria da ativista. “Dei umas pancadas nele, mas foi por causa de uma traição”, ela admitiu.

De volta ao térreo, a gerente falou de suas pretensões eleitorais. Disse que defende as bandeiras dos movimentos sociais e espera obter os 4 mil votos das ocupações que coordena. Está de olho também nos votos das 45 mil famílias distribuídas pelos 206 imóveis ocupados na capital. “Tenho um vínculo muito forte com minhas famílias”, explicou.

Confrontada com o relato da atendente que pediu o título eleitoral para receber o aluguel de uma moradora, Franco negou que a tivesse instruído a exigir o documento. “Ela pediu o número do título porque essa informação estava pendente no sistema”, alegou.

Guilherme Novelli

Leia também

Últimas Mais Lidas

Pandemônio em Trizidela 

Do interior do Maranhão a celebridade nas redes: prefeito xinga na tevê quem fura quarentena contra covid-19, ameaça jogar spray de pimenta e relata disputa por respirador alugado

Socorro a conta-gotas

Dos R$ 8 bi prometidos para ações de combate à Covid-19, governo federal só repassou R$ 1 bi a estados e municípios

O gás ou a comida

Na periferia de São Paulo, com epidemia de Covid-19, preço do botijão vai a R$ 150 (um quarto do auxílio prometido pelo governo), renda cai e contas continuam chegando

Na piauí_163

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta semana

Diário de um reencontro sem abraços

Sônia Braga de luvas de borracha, desinfetante no avião e um samba com Beth Carvalho: a jornada de um roteirista brasileiro para voltar para casa e cuidar dos pais idosos

Cinema e desigualdade – o nó da questão

Salas fechadas acentuam privilégio de quem pode pagar por serviços de streaming

Bolsonaro aposta no comércio

Presidente visita lojas e, nas redes, organiza movimento contra isolamento social

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

A capa que não foi

De novo, a piauí muda a primeira página aos 45 do segundo tempo

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

Mais textos
2

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

3

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

5

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

6

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

7

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

8

Separados pelo coronavírus

Ao falar contra isolamento, Bolsonaro surpreende até Bannon, favorável à quarentena total; no Brasil, cúpula do Congresso teme autoritarismo e evita confronto direto

9

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

10

Contágio rápido e silencioso: a matemática do coronavírus

Doença pode ser transmitida por pessoas infectadas e sem sintomas; para epidemiologista de Harvard, perspectivas globais são preocupantes, mas no Brasil, é mais provável contrair sarampo