esquina

Mendoncinha e sua hora

O DEM ressurge das trevas

Julia Duailibi
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2016

No dia 22 de março, quinze parlamentares do DEM se reuniram no Salão Verde da Câmara. Deputados e senadores posicionaram-se lado a lado, cada um segurando uma folha com a mensagem “DEM, 100% impeachment”. Posaram para fotos e ouviram o presidente do partido, senador José Agripino (RN), anunciar um fato improvável meses atrás: a bancada do DEM na Câmara havia crescido de 21 para 28 deputados. O partido enfim saía do atoleiro. Foram treze anos na oposição, a pão, água e ameaça de extinção. Agora o Democratas, antigo PFL, antigo Arena, via motivos para comemorar.

“Éramos um partido jurado de morte pelo PT. Diziam que não iríamos sobreviver. Mais do que sobreviver, nós crescemos! Esses 28 deputados vão interpretar com fidelidade o sentimento da sociedade, como ao longo desses anos que fizemos oposição”, disse Agripino, sob o olhar discreto do deputado Mendonça Filho (PE), ex-líder do partido na Câmara, líder da oposição no Congresso, coordenador do movimento pró-impeachment e um dos três integrantes do DEM na Comissão Especial que fará o relatório a favor ou contra a cassação de Dilma.

Desde o ano passado, Mendoncinha, como é conhecido, tornou-se uma das principais pontes dos parlamentares com setores favoráveis ao impeachment. Reúne-se em São Paulo com empresários e o pessoal do mercado financeiro, encontra-se com líderes das manifestações contra o governo. Num momento em que os manifestantes chamam os tucanos de “bundões”, como se viu com Aécio Neves e Geraldo Alckmin no protesto de 13 de março, Mendoncinha, com seu estilo low profile, é tratado como celebridade – virou herói quando entrou com a ação que culminou na suspensão da posse do procurador Wellington Lima e Silva como ministro da Justiça.

“Mendonça Filho, que tem agido como se espera de uma oposição em Brasília, convoca o povo para ir às ruas no dia 13 de março. É uma chance gigantesca de tirarmos essa quadrilha do poder”, postou o Movimento Brasil Livre nas redes sociais, às vésperas do protesto. Enquanto os tucanos saíram fugidos, Mendonça foi recebido com aplausos. “Não há espaço para político ficar em cima do muro. Vamos pressionar o Congresso Nacional e tirar o PT do poder”, gritou o deputado, que, deixando de lado o estilo comedido, ficou vermelho e soltou um “Fora, PT”. Foi imediatamente seguido pelo público.



 

Formado em administração de empresas, José Mendonça Bezerra Filho, 49 anos, entrou na política aos 20 anos, pelas mãos do pai, José Mendonça Bezerra, deputado federal por oito mandatos, integrante da base de sustentação do regime militar no Congresso. O filho parece seguir as pegadas paternas: está no quinto mandato, dois como estadual, no terceiro como federal. Nunca abandonou o PFL, que tentou uma repaginação ao se tornar DEM em 2007. Foi ele o autor da emenda à reeleição aprovada em 1997, que permitiu a FHC disputar de novo a Presidência – a aprovação deu origem à denúncia de compra de votos no governo tucano.

Mendoncinha, como muitos outros políticos nordestinos, quase encerrou a carreira no governo Lula, que arregimentou a maior parte das forças oposicionistas da região, antes adversárias do PT. Em 2006 tentou o governo estadual, perdeu para Eduardo Campos (PSB), aliado de Lula. “Foi uma avalanche petista. Para a elite pensante pernambucana e parte da classe média, eu era um bom gestor. Mas pesou para o povão o lado do pragmatismo eleitoral”, disse à piauí no gabinete da liderança do DEM na Câmara, enquanto as cornetadas de manifestantes na Praça dos Três Poderes estrilavam no ambiente.

Em 2008, disputou a prefeitura do Recife e ficou em segundo lugar. Voltou à corrida municipal em 2012, terminou em quarto. Em 2011, em crise de abstinência de poder, caciques do DEM como o ex-prefeito paulistano Gilberto Kassab e o ex-senador Jorge Bornhausen (SC) articularam um movimento de adesão ao governo. Mesmo enfrentando dias difíceis de oposicionista, o deputado fechou com os resistentes. Kassab desertou, fundou o PSD e causou uma sangria quase mortal no DEM. Hoje ministro das Cidades de Dilma, já flerta com um eventual governo Temer.

A sorte favoreceu o pernambucano em 2015, quando assumiu a liderança do DEM na Câmara e o vento passou a soprar contra o PT. Tem brilhado na imprensa como porta-voz da oposição e defensor do fim do “governo corrupto”. Anuncia o “renascimento” do DEM. “Agora, temos expectativa de poder. Infelizmente, o contexto democrático brasileiro é muito dependente das forças do governo. Como éramos tão assumidamente oposicionistas, prefeitos e governadores não queriam se filiar.” Animado, diz se ressentir apenas do “preconceito” de muitos em relação ao ideário do partido, “liberal do ponto de vista econômico” e de “centro-direita”. “Ainda tem uns guetos esquerdopatas e esquerdoides, em que é difícil. Universidade, centro acadêmico de filosofia…”

 

Nos próximos dias, o parlamentar terá a missão de convencer os colegas a abraçar o impeachment. “Cada dia que passa a aprovação fica mais consolidada. É um estouro da boiada. Os indecisos não suportarão a pressão da opinião pública.” E minimiza a participação de Eduardo Cunha, presidente da Câmara e réu na Lava Jato, no processo: “Ele só presidirá a sessão.”

A primavera no DEM tem permitido ao deputado pensar no amanhã. “A forma de sustentação que o DEM dará ao futuro governo…”, afirmou, mas logo se policiou, “ao eventual governo Temer, em ocorrendo o impeachment.” Um assessor nos interrompeu anunciando uma bomba divulgada pelo Jornal Nacional: “Marcelo Odebrecht fez delação premiada.” Perguntei qual a implicação para o DEM. “Espero que nenhuma”, disse, e mudou de assunto.

No dia seguinte vazou a planilha da Odebrecht listando vários políticos, entre os quais ele. Como os colegas, ele alega ter recebido doações legais. Ainda não se sabe se as delações da construtora farão submergir os sobreviventes da avalanche petista ou ceifarão os ramos redivivos da primavera do DEM. Até lá, Mendoncinha e correligionários seguirão colhendo os frutos.

Julia Duailibi

Julia Duailibi trabalhou na piauí, na TV Bandeirantes, na Folha de S.Paulo, na Veja e n’O Estado de S. Paulo

Leia também

Últimas Mais Lidas

Polícia na porta, celular na privada

A prisão do juiz investigado sob suspeita de vender sentença por 6,9  milhões de reais – e que jogou dois telefones no vaso sanitário quando a PF chegou para buscá-lo

Na terra dos sem SUS

Nos Estados Unidos, mães de jovens negros mortos pela polícia enfrentam a epidemia, o desemprego e o racismo

Um idiota perigoso incomoda muita gente

Memórias e reflexões sobre o tempo em que voltamos a empilhar cadáveres por causa de um vírus

Mourão defende manter Pujol no comando do Exército

Vice afirma que general deve permanecer à frente da tropa até o fim do mandato de Bolsonaro, mas admite que não apita nas nomeações do presidente

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

Mais textos
1

A morte e a morte

Jair Bolsonaro entre o gozo e o tédio

2

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

3

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

4

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

5

A solidão de rambo

Suspeitas de corrupção e conluio com as milícias desmontam Wilson Witzel

6

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

7

Tudo acaba em barro

Um coveiro em Manaus conta seu cotidiano durante a pandemia

8

Contra a besta-fera

A luta dos cientistas brasileiros para combater o vírus é dura – vai de propaganda enganosa a ameaça de morte

9

A droga da desinformação

Publicações falsas ou enganosas sobre remédios sem efeito comprovado contra Covid-19 são um terço das verificações do Comprova no último mês

10

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana