esquina

Menino do Rio

Um urbanista praiano nas alterosas

Bianca Magela Melo
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2014

A mesa principal estava pronta para mais uma reunião do Conselho Municipal de Política Urbana de Belo Horizonte. Entre os cerca de 150 ouvintes circulavam cochichos sobre a ausência do “secretário carioca”. Logo que o microfone foi aberto à participação popular, um dos presentes reclamou do comportamento dele na reunião anterior. Na ocasião, a sessão foi encerrada com presença da Polícia Militar, convocada depois que Marcello Faulhaber, o funcionário em questão, mostrou o dedo médio para uma das espectadoras.

Faulhaber, secretário adjunto de Planejamento Urbano da capital mineira, evocou o episódio numa entrevista na sala de reuniões de sua repartição, no Centro da cidade. Em tom sereno, alegou que não foi treinado para receber xingamento. “Me chamaram de carioca nojento e disseram para eu voltar para o Rio”, contou. No dia do tumulto, Faulhaber estava sentado de frente para o auditório, e podia ouvir as provocações do público. A coisa esquentou quando ele se levantou para ir ao banheiro. “Quando saí da mesa, uma manifestante me chamou de safado na minha cara.”

A destinatária do gesto de Faulhaber foi a arquiteta Fernanda Maia, de 32 anos. Ela confirmou que alguns espectadores estavam mesmo “gritando coisas para ele”, mas ressalvou que não os conhecia. “Ele começou a mandar beijos e foi irônico”, disse Fernanda. “Isso é estranho para um servidor público.” A arquiteta admitiu que o chamou de safado. “Ele passou do meu lado e olhou para mim de um jeito que me incomodou”, justificou-se. “Mas fiquei com muita vergonha quando ele reagiu.”

Por trás da polêmica está o projeto Nova BH, que pretende estabelecer uma parceria com a iniciativa privada para financiar a construção de praças, parques, passarelas, ciclovias, áreas de lazer e corredores verdes na cidade. Para atrair as empresas, a prefeitura acena com benefícios, como o direito de erguer e comercializar prédios em áreas próximas à oferta de transporte coletivo. O projeto deve levar à verticalização e modificar a paisagem de algumas áreas da capital mineira.

Para que o projeto siga adiante, um estudo de impacto sobre a vizinhança precisa ser aprovado pelo conselho de política urbana. Sob pressão de órgãos como o Ministério Público Estadual e o Instituto dos Arquitetos do Brasil, a votação foi suspensa três vezes. Na segunda tentativa de aprovação, uma conselheira disse que estava com muitas dúvidas e que não tinha tido tempo para ler as 1 500 páginas do projeto. Faulhaber calculou que, até a terceira reunião, os conselheiros desfrutaram de 68 dias na companhia do dossiê – tempo suficiente para sua leitura e digestão.

A pressão vem também de moradores que lotaram as últimas reuniões do conselho. Alguns são ligados a grupos defensores de áreas tradicionais de Belo Horizonte e movimentos pela democratização do espaço urbano. Em textos que circulam nas redes sociais, o secretário – às vezes chamado de “menino do Rio” – é apresentado como mentor de uma política de favorecimento ao mercado imobiliário e descaracterização da paisagem da capital.

 

Aos 42 anos, Marcello Faulhaber tem experiência com operações urbanas em parceria com a iniciativa privada. Antes de se mudar para Belo Horizonte, ajudou a tirar do papel uma iniciativa semelhante em sua cidade natal, o projeto Porto Maravilha. Foi coordenador do programa de governo do primeiro mandato de Eduardo Paes e depois subchefe da Casa Civil da prefeitura. Só não tinha experimentado tamanha impopularidade. No Rio, reconheceu, “a resistência era bem menor”.

O secretário disse que conduziu os estudos e planos necessários para montar o projeto Nova BH, mas negou sua paternidade. “Não sou dono nem criador dessa iniciativa. Quando cheguei, já havia a determinação de implantá-la.” Afirmou ainda que as críticas ao projeto partem de pessoas ligadas a partidos de oposição ao prefeito Marcio Lacerda, do PSB, aliado do senador e presidenciável tucano Aécio Neves. Sua percepção é que está havendo uma “fulanização” da discussão, com a criação de um personagem para derrubar a empreitada.

Faulhaber defende que o projeto vai ordenar o crescimento da cidade e gerar novos espaços públicos. Sobre o incentivo à construção de mais prédios, afirmou que “existe a verticalização do bem e a do mal”. O bairro de Copacabana, no Rio, apertado como ônibus na hora do rush, seria o exemplo a evitar. Os novos edifícios da capital mineira serão diferentes, disse, com faixas de terreno livres para lazer e convivência. (No Rio, o projeto do conjunto de edifícios na zona portuária que abrigará as vilas de árbitros e de mídia da Olimpíada – e cujos apartamentos depois serão vendidos – previa espaços comuns abertos ao público, mas foi modificado para criar um condomínio fechado.)

O secretário recorreu à imagem didática de um casal de namorados para explicar sua função no projeto. “Ela quer ir ao balé, e ele, ao futebol.” Faulhaber é aquele que sugere um cinema: “Meu papel é conciliar.” No caso da Nova BH, isso significaria encontrar um meio termo entre o interesse do mercado e uma proposta que não atrairia financiadores.

Numa apresentação pública do projeto em 2013, o prefeito Marcio Lacerda elogiou seu secretário. “Esse projeto teve o empenho importante dele. Escreveram na internet que ele é um carioca flamenguista querendo vender BH”, disse – Faulhaber foi vice-presidente de Planejamento e integra o Conselho Deliberativo do clube rubro-negro. “Ninguém é perfeito”, emendou Lacerda.

Na falta de praia, um dos programas prediletos de Faulhaber em Belo Horizonte é ir ao Mineirão e ao Independência para torcer ora a favor, ora contra os times locais, conforme contou, esboçando um sorriso rápido – o único durante mais de uma hora de conversa. Falou também que tinha bisavós de Minas e que, no Rio, havia encontrado muitos mineiros, inclusive na prefeitura. “Assim é em todos os lugares. As pessoas vão e vêm.” Não chegou a mencionar a carioquice honorária do senador Aécio Neves.

Bianca Magela Melo

Leia também

Últimas Mais Lidas

O governo inconstitucional

Professora de direito constitucional escreve que decreto de Bolsonaro fere a autonomia universitária prevista na Constituição

Foro de Teresina #51: Moro no STF, o sigilo de Queiroz e Flavio e os protestos contra o governo

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Ministro toma caldo no #TsunamiDaEducação

Maia viaja, governo escorrega e Centrão deixa Weintraub falando sozinho na Câmara enquanto protestos tomam conta do país

A javaporquice de Bolsonaro

Presidente opta pela pior oposição que poderia escolher e enfrenta protestos inéditos para um recém-empossado

Varda por Agnès – narcisismo encantador

Interação é a pedra angular na obra da cineasta

A escolinha anarcocapistalista do Ancapistão

Vacina e cinto de segurança são inimigos eleitos pelos ancaps, que já têm representante no governo Bolsonaro

Uma motosserra na mão e um projeto na cabeça

Proposta de Flávio Bolsonaro extingue reserva legal obrigatória; espaço sob risco de desmatamento equivale a seis vezes a área do estado de São Paulo

A história e os bastidores do Foro de Teresina

Apresentadores relembram início do programa, que completa um ano esta semana

Conteúdo patrocinado e anunciantes estão entre os principais modelos de financiamento

Diretor da CBN diz que programas em áudio são caminho para formar novos ouvintes

Mais textos
2

A escolinha anarcocapistalista do Ancapistão

Vacina e cinto de segurança são inimigos eleitos pelos ancaps, que já têm representante no governo Bolsonaro

3

A javaporquice de Bolsonaro

Presidente opta pela pior oposição que poderia escolher e enfrenta protestos inéditos para um recém-empossado

4

Uma motosserra na mão e um projeto na cabeça

Proposta de Flávio Bolsonaro extingue reserva legal obrigatória; espaço sob risco de desmatamento equivale a seis vezes a área do estado de São Paulo

7

Generais agora miram chanceler

Presidente do Senado também engavetou nomes sugeridos por Araújo para embaixadas

8

O governo inconstitucional

Professora de direito constitucional escreve que decreto de Bolsonaro fere a autonomia universitária prevista na Constituição

9

Juventude bolsonarista

A extrema direita sai do armário no Brasil

10

Quatro em cada dez internautas já ouviram podcast no Brasil

Pesquisa inédita do Ibope foi divulgada neste sábado na Maratona Piauí CBN de Podcast