questões de gênero

Minha fraqueza

Anotações desordenadas sobre a condição feminina

Margarita García Robayo
As duas vezes em que fui mãe, tive que batalhar contra meu DNA. Ao lutar contra as imagens do feminino que me inculcaram, também luto contra uma parte de mim: é duro desaprender, é um embate constante, mas necessário. Acho que devemos ser capazes de nos repudiar; acho que precisamos ter um pouco de nojo de nós mesmas para conseguirmos mudar. A autocomplacência não ajuda
As duas vezes em que fui mãe, tive que batalhar contra meu DNA. Ao lutar contra as imagens do feminino que me inculcaram, também luto contra uma parte de mim: é duro desaprender, é um embate constante, mas necessário. Acho que devemos ser capazes de nos repudiar; acho que precisamos ter um pouco de nojo de nós mesmas para conseguirmos mudar. A autocomplacência não ajuda LAURA ATHAYDE_2018

Tradução de Sérgio Molina e Rubia Goldoni

1986

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Margarita García Robayo

É escritora colombiana radicada em Buenos Aires, autora de Usted Está Aquí, publicado pela Montacerdos

Leia também

Últimas

O padre, o filho e a pensão alimentícia

Justiça manda religioso pagar três salários mínimos mensais a ex-fiel que diz ter tido um romance e um filho com ele; o padre nega

Pela simplificação dos planos diretores

Legislação complicada e genérica precisa ser substituída por outra capaz de ser entendida pela população

O encalhe de Pantanal e Dona Beija

Acervo com mais de 25 mil fitas da Rede Manchete vai a leilão, mas não atrai nenhum comprador

Foro de Teresina #154: Boom, bola e bolso

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Dias de alívio e de pranto

Vestibulanda relata angústia de ver sua avó, vacinada, se recuperar da Covid, enquanto um amigo chorava a morte do pai, sem vacina

Mais textos