esquina

Movido a ventos contrários

Uma nova biografia de Karl Marx, o vitoriano

Mario Sergio Conti
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2013

Desde a sua morte, há 130 anos, os estudos sobre Karl Marx tiveram um crescimento vigoroso. Como se procurava nos seus escritos o cerne crítico e revolucionário – apreender o mundo para superá-lo –, tais estudos atualizaram o marxismo. Psicanálise, estética, filosofia, história e, é claro, política – não houve disciplina que não fosse subvertida pelo materialismo dialético (expressão, aliás, que o próprio Marx nunca escreveu).

Do outro lado, do lado daqueles para quem o mundo e a vida não deveriam ser transformados, Marx significava subversão. Logo, o que ele fora, pensara e fizera devia ser negado. O Capital? Obra ideológica, com nenhum rigor científico dos verdadeiros economistas. O Manifesto Comunista? Receita direta para os horrores do stalinismo.

Em 1989, a situação mudou. Mais com festa que com lamúria, o comunismo tombou com a queda do Muro de Berlim. Dois anos depois, a desagregação da União Soviética marcou o fim das disputas entre os dois lados. O mundo de Marx estava morto. Inclusive no seu aspecto materialista mais comezinho: o Instituto de Marxismo–Leninismo, com sedes em Moscou e Berlim Oriental, encarregado de publicar a edição crítica das suas obras completas, deixou de existir.

Nem por isso jogou-se a pá de cal sobre o cadáver do comunista. Com o impulso do chanceler alemão Helmut Kohl, conservador insuspeito mas historiador de formação, a edição das obras completas prosseguiu. Ela é conduzida por um comitê de acadêmicos de várias nacionalidades. É um trabalho de vulto e meritório que, no entanto, bota as ideias de Marx no seu devido lugar: num museu de coisas muito mortas.

Lançada há pouco nos Estados Unidos, uma biografia feita pelo americano Jonathan Sperber é produto desse contexto histórico. Seu subtítulo diz tudo: Uma Vida do Século XIX. Não se trata de encarar Marx como personagem do mundo contemporâneo, mas de vê-lo como um produto da era vitoriana. Assim sendo, Sperber, que é historiador na Universidade do Missouri, dá maior importância ao indivíduo Marx que às suas ideias.

Karl Marx é fascinante mesmo assim. A biografia se beneficia de um sem-número de trabalhos – publicados em teses universitárias e revistas acadêmicas de circulação irrisória – que orbitam a edição das obras completas. Não existe neles a pressão subjacente aos livros das correntes políticas que se apresentavam como depositárias do marxismo, e tampouco a agressão oportunista dos detratores do filósofo alemão. Aprende-se muita coisa com a biografia. E, como o próprio Marx disse, saber é sempre superior a não saber.

 

Sperber dirime anacronismos. É absurdo afirmar, ele sustenta, que Marx era antissemita. A afirmação é feita à luz do extermínio dos judeus na Segunda Guerra Mundial e da criação de Israel. Quando fala da “extinção” dos judeus, no entanto, Marx está defendendo sua liberação: que eles tenham os mesmos direitos republicanos de qualquer cidadão, e acrescenta que eles só serão totalmente livres quando desaparecer a própria noção de minorias sociais.

O mesmo vale para o empenho de Marx, pater familias exemplar, em dar uma educação burguesa às filhas, que aprenderam línguas e piano enquanto viviam em cortiços londrinos. Considerá-lo um machista que se preocupava com as roupas e a virgindade das filhas é usar lentes de hoje e turvar o passado. Na verdade, Marx pelejava pela autonomia das filhas enquanto se havia com dívidas crônicas, o que não tinha nada de submissão aos costumes vigentes.

É com nuances, por fim, que Sperber conta como Marx teve um filho ilegítimo com a empregada da família, Helene Demuth, em 1851. As primeiras evidências do caso só se tornaram públicas mais de cem anos depois: Marx engravidou a moça e Engels assumiu a paternidade para evitar que Jenny – née baronesa Westphalen – se divorciasse de Marx. O menino, Frederick Demuth, foi criado por pais adotivos, tinha os traços e a tez escura do pai (cujo apelido era “Mouro”) e sabia de quem era filho. Dos sete filhos de Jenny e Marx, quatro morreram na infância, outra na idade adulta, e as duas que sobreviveram ao casal vieram a se suicidar. Só Frederick viveu pacata e anonimamente até a velhice. Morreu em 1929.

 

Em 2008, no auge da crise financeira que balançou o globo, The Times, o jornal mega conservador de Londres, publicou uma longa reportagem sobre Marx cujo título gritava “He’s back!”. Estava de volta aquilo que certa vez o papa Bento XVI chamou de “a grande habilidade analítica” de Marx.

Já a biografia de Sperber é mais atual quando investiga dois outros aspectos de Marx. Primeiro, quando fala da sua atividade jornalística. Além de ter sido editor de publicações alemãs, Marx durante anos analisou a situação política europeia para o New York Daily Tribune, o maior jornal americano de então.

Como editor, dinamizou revistas e fez com que tivessem repercussão e aumentassem a tiragem. Como correspondente, estava sempre em cima dos fatos, investigando-os a fundo. As publicações não eram suas nem espelhavam o que de fato pensava. Mas isso importava menos que a possibilidade de dizer algo, mesmo que truncado e limitado, sobre política, economia e filosofia.

O segundo aspecto, o mais importante, diz respeito ao que Marx viveu durante as revoluções europeias de 1848 (um processo com inúmeros pontos de contato com a Primavera Árabe) e a Comuna de Paris, em 1871. Ao se contemplar o que Marx fez na época, Sperber parece referir-se diretamente ao presente: a dispersão dos revolucionários, o poder crescente das forças da ordem e a desorientação geral.

Em meio ao caos econômico e à reação política, vigiado de perto pela polícia e com imensas dificuldades materiais, Marx segue o seu caminho, o do estudo engajado. O vento contrário da derrota movia o moinho do pensamento e da ação. O que fez com que, segundo Sperber, tivesse “uma vida repleta de emoções apaixonadas, intensas e defendidas com convicção forte, com enormes aspirações e reveses igualmente grandes, com adversidade e luta”.

Mario Sergio Conti

Mario Sergio Conti é jornalista e autor de Notícias do Planalto, da Companhia das Letras. Foi diretor de redação de piauí de 2006 a 2011

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

Foro de Teresina #30: A briga pelo Senado, os generais de Bolsonaro e a política do futebol

Podcast da piauí analisa os fatos da semana na política nacional

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

3

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

4

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

5

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

7

Guedes e Itamaraty brigam por comércio exterior

Sem combinar um com o outro, futuros ministros da Economia e das Relações Exteriores incluem sob seu comando a agência de promoção de investimentos fora do país

8

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

9

O homem-viaduto

Sem-teto vive dentro de um buraco no elevado mais famoso de São Paulo; como o Minhocão, 73 pontes e viadutos têm problemas estruturais na cidade

10

O vice a cavalo

Hamilton Mourão e o lugar dos militares no governo Bolsonaro