esquina

Museu das saudades

Um espaço para a memória banal

Samária Andrade
CRÉDITO: ANDRÉS SANDOVAL_2020

Ao ver os visitantes se aproximando, Evonaldo Andrade corre até a vitrola três em um dos anos 1970, marca Sony, e coloca um vinil de 1983. A voz de Ney Matogrosso na música Calúnias – que fez sucesso com o verso Telma, eu não sou gay – toma conta do Museu Profª Rita Cerqueira de Andrade, em Piripiri, no interior do Piauí.

Apaixonado pelo passado, Andrade, 52 anos, se interessa em juntar coisas desde a infância. Diz que aprendeu com a mãe, professora a quem ele homenageou, dando seu nome ao local. “Ela não jogava nada no mato.” Ele também não – e segue há décadas reunindo coisas nos intervalos de seu trabalho de oficial de Justiça.

Uma parte da história de Piripiri, cidade nascida em 1910 e hoje com pouco mais de 63 mil habitantes, pode ser encontrada ali, no museu instalado em um galpão de 180 m2, com cerca de 4 mil peças, a maioria delas relacionada à vida dos moradores – das máquinas de costura aos penicos, dos fardamentos escolares às máquinas de datilografia da antiga escola profissionalizante, que preparava os alunos com o que havia de mais moderno.

No local que nasceu para guardar memórias, anônimos e famosos têm a mesma importância. Andrade chama os visitantes para olharem uma bicicleta Monark 1958 em bom estado. “Pertenceu ao seu Emídio”, conta. E completa: “Foi um pedreiro da cidade.”

Com o mesmo entusiasmo, o museólogo amador guia os curiosos entre outras relíquias, quase todas de moradores já falecidos, como a enorme banheira verde usada por um dos homens mais ricos da região, Mércio Andrade, comerciante, agropecuarista e produtor de cera de carnaúba. Os parentes estiveram prestes a jogá-la fora durante uma reforma, mas Andrade conseguiu conquistar a raridade para o seu museu.

Lá também está a única sanfona que seu Raimundo Custódio teve na vida: uma Scandalli vermelha de oitenta baixos. Foi com ela que o mais conhecido sanfoneiro das redondezas criou a banda musical RC-6 (com as suas iniciais) e sustentou a família.

Outra curiosidade são os alicates de um dentista prático (não diplomado) que andou pela cidade na década de 1980. O homem estava a serviço de um candidato a prefeito, que ofereceu o serviço de extração de dentes para tentar amealhar votos. Todo o equipamento foi apreendido pela polícia e ficou sob guarda da Justiça Eleitoral. Quando a instituição mudou de prédio, considerou que não precisaria mais preservar aquelas “provas do crime”. Já Andrade achou que o material merecia um lugar em suas estantes.

O museu foi criado em 2014, quando Andrade recebeu um ultimato de sua mulher, Doriana: não havia mais espaço em casa para tanta coisa. Ele, então, juntou todas as economias, fez um empréstimo no banco e construiu o galpão. “Eu não sou um amontoador”, ele explica. “Sou um cuidador do passado.”

Grande parte do acervo provém de doações – de gente que já não sabe o que fazer com um objeto e confia na dedicação do criador do museu de quase tudo. Outra parte ele compra ou vai recolhendo em suas andanças pelas ruas da cidade, investigando até o lixo.

 

Todos os objetos foram recuperados por ele, que nunca fez curso de restauração (é formado em letras), mas gosta de assistir a aulas sobre o assunto na internet. “Eu peguei quase tudo baqueado”, diz. O museu exibe as peças de maneira misturada, como se imitasse o jeito desordenado e imprevisível com que a saudade se manifesta na gente. Mas as peças estão cuidadosamente classificadas, com pequenas placas descrevendo a procedência, como em um pote de cerâmica para armazenar água: “Pertenceu ao coronel Estevão Rabelo, presidente da Câmara Municipal da Vila de Piripiri, nascido em 1845, antes de o local tornar-se cidade.” De olho em visitantes de mais longe, Andrade não se esqueceu de espalhar pelo local o aviso: Do not touch these pieces, please.

Por tudo isso, erra brutalmente aquele que, ao avistar o galpão no número 130 da Rua Dom Pedro II, pensa estar diante de uma loja de antiguidades e coisas usadas.

Andrade não tem outra pretensão que contribuir com os que desejam acessar a memória coletiva de uma cidade e de outros tempos. Assim, os objetos valem menos por si e mais como documentos do passado e estimulantes da nostalgia.

 

Como lembranças também não respeitam separações geográficas, ele se dá o direito de avançar a coleção para objetos encontrados em outras localidades, mas que fizeram parte das experiências de quem viveu em Piripiri entre os anos 1950 e 1980, foco temporal dominante do museu: álbuns de figurinhas Mundo Animal e Personagens da TV, tampinhas de refrigerante com personagens da Disney e com jogadores da Seleção Brasileira, coleções de embalagens de cigarro, de selos, de cartões telefônicos.

Há um bom acervo de jornalismo no museu, que abriga desde exemplares do jornal Cometa, publicado na cidade nos anos 1970, até publicações de outras partes do país, lidas com avidez pelos piripirienses, como O Cruzeiro, Fon-Fon e Manchete (não sendo um museólogo ortodoxo, Andrade permitiu-se incluir, entre as revistas antigas, uma mais recente: um exemplar da edição nº 1 da piauí, de outubro de 2006).

O museu não tem financiamento público nem cobra entrada. O próprio dono costuma receber os visitantes. Para isso, é preciso fazer um contato prévio e combinar o horário. Nos momentos em que se faz de guia, Andrade repete, com orgulho, o ritual de apresentar os objetos, esclarecer as dúvidas e trocar o vinil em algum dos aparelhos de som que funcionam perfeitamente. Assim, afasta o medo de que, no futuro, ninguém mais se importe com o passado. As relíquias, que ele diz pertencerem a todos, são seu mundo – e não o deixam em paz nem mesmo quando dorme. “Eu até sonho com esses objetos. Outro dia sonhei com uma geladeira antiga.”

Samária Andrade

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro achata a curva

Pesquisa inédita do Ideia Big Data mostra que desaprovação ao governo oscila de 41% para 37% após presidente moderar discurso contra Mandetta e defender a cloroquina

Foro de Teresina #95: Os mitos da pandemia, a queda de braço com Mandetta e o bate-cabeça na economia

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pão ázimo e um computador

Como famílias judaicas contornam o isolamento durante o Pessach, a festa religiosa que celebra a liberdade

Nos presídios, terreno livre para o coronavírus

Superlotação e falta de equipes médicas atrapalham medidas de prevenção da doença

Paulo Freire, um Homem do Mundo – Um sonho da bondade e da beleza

Alvo de ofensa proferida pelo capitão que ocupa o Palácio do Planalto, educador ganha desagravo em documentário

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Mais textos
2

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

3

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

4

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

5

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

6

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução

8

Ciência em Krakatoa

O Brasil vive um transe que mistura Monty Python e Sexta-Feira 13. O que será de nós quando isso acabar, o que faremos com relação a novas epidemias?

9

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

10

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana