figuras da cultura

Na montanha-russa do século

Paradoxos do progresso em Corumbá aos olhos de um intelectual refugiado do nazismo

Roberto Schwarz
O crítico teatral Anatol Rosenfeld com a filha da fotógrafa Hildegard Rosenthal. A experiência de caixeiro-viajante inspirou escritos que provocaram a comunidade judaica a que pertencia
O crítico teatral Anatol Rosenfeld com a filha da fotógrafa Hildegard Rosenthal. A experiência de caixeiro-viajante inspirou escritos que provocaram a comunidade judaica a que pertencia FOTO: HILDEGARD ROSENTHAL_ACERVO INSTITUTO MOREIRA SALLES

Anatol Rosenfeld morreu há quarenta anos, em 1973, tempo mais do que suficiente para que um professor de literatura seja esquecido. Não foi o caso dele, cuja obra continua viva, especialmente no meio teatral, em que os seus estudos sobre o teatro épico, os escritos de Brecht e o movimento cênico dos anos 60 e 70 se tornaram clássicos e fazem parte da dieta intelectual da nova geração. Com menos presença, mas qualidade igual, os demais ensaios sobre literatura também continuam a ser lidos, sendo que alguns são bibliografia obrigatória. Penso particularmente nas “Reflexões sobre o romance moderno” e no trabalho sobre “Mário e o cabotinismo”, ambos publicados em Texto/Contexto, um dos bons volumes de ensaio em nossa literatura. Hoje, graças à tenacidade da Editora Perspectiva, a obra completa de Anatol está editada e disponível.

Para evitar a nota acadêmica, que não combinaria com os fatos, quero começar pelas circunstâncias desfavoráveis, ou melhor, catastróficas, em que se deu a vinda dos intelectuais refugiados ao Brasil. Quando chegou, em 1937, Anatol – que era judeu e de esquerda – tinha 25 anos, acabava de escapar por pouco a uma intimação da polícia nazista, que podia significar a morte, e deixava para trás, provavelmente para sempre, um doutorado semifeito sobre o romantismo alemão, na Universidade de Berlim. Também a hospitalidade brasileira, que mais adiante seria generosa, inicialmente foi relativa, sem contar que o país, naquele ano de 1937, estava se tornando por sua vez uma ditadura, embora incomparavelmente menos drástica do que a europeia. Na época, a orientação oficial quanto aos imigrantes era aproveitar o braço estrangeiro na lavoura, possivelmente para proteger da concorrência o emprego dos trabalhadores já instalados nas cidades. E, de fato, Anatol começou trabalhando na enxada, numa fazenda no interior do estado de São Paulo, onde seu serviço consistia em arrancar pragas de uma plantação de eucalipto novo. Como ele mesmo gostava de contar, a tarefa era um problema, pois ele não sabia distinguir entre a muda da planta e a praga que devia eliminar.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Roberto Schwarz

Roberto Schwarz é crítico literário. Publicou Martinha versus Lucrécia, pela Companhia das Letras, entre outros. O texto foi lido no debate de lançamento do livro de Sérgio Ferro, Artes Plásticas e Trabalho Livre, no Centro Universitário Maria Antonia, São Paulo, em março de 2015.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Sem máscara, no meio da fumaça

Entre o combate às queimadas e o resgate frustrado de um bicho-preguiça, a rotina de trabalho de um bombeiro na Amazônia em chamas

Foro de Teresina #69: O racha no bolsonarismo, as derrotas do Posto Ipiranga e a farra do fundo eleitoral

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O patriotismo como negócio

Vendas da Semana do Brasil, criada para incentivar consumo apelando ao Sete de Setembro, ficam 40% abaixo do esperado pelo governo

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

Que falta faz uma boa direita

Bolsonaro e o liberalismo no Brasil

3

O patriotismo como negócio

Vendas da Semana do Brasil, criada para incentivar consumo apelando ao Sete de Setembro, ficam 40% abaixo do esperado pelo governo

4

A casa da memória

Mentir para tratar a demência

6

Sem máscara, no meio da fumaça

Entre o combate às queimadas e o resgate frustrado de um bicho-preguiça, a rotina de trabalho de um bombeiro na Amazônia em chamas

7

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

8

Foro de Teresina #69: O racha no bolsonarismo, as derrotas do Posto Ipiranga e a farra do fundo eleitoral

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio