poesia

No projetor da memória

Uma cena triste mancha a paisagem de Ipanema

Charles Peixoto
FOTO: WDSTOCK_GETTY IMAGES

Veja a triste cena que mancha o set de Ipanema
Engolida pela boca do metrô
Parte em lento mergulho a romântica Filomena
Lá se vai meu amor pelos trilhos subterrâneos
Aos saltos do seu coração
e guinchos solidários do vagão
A passageira pensativa tenta se concentrar no livro
Mas lembranças turvam o entendimento
A janela distrai seu pensamento
Enquanto uma lágrima surpreende no rosto refletido

***

Tarde cinzenta e tempestuosa
Uma cantoria de criança invisível traz fluidos de imagens aterrorizantes
Sabor salitroso a salinizar a saliva
Ressaca de destemperos não vividos e romances inacabados
Não há nenhum pássaro nas redondezas
Presságio sinistro e ameaçador
O vento rege sua sinfonia de assovios sussurrados
Enquanto virgens vesgas e anoréxicas
Passeiam suas vestes de primeira comunhão entre tulipas assombrosas

***



Quando amanhece parece tão distante o pesadelo que há pouco era tão premente
Tão opressivo
Tão angustiante.
O que fazia você naquela casa totalmente branca
A negociar gargalhadas com aquele homem medíocre de sorriso cínico e ameaçador?
Quem era o demônio que se debatia naquelas camas brancas num gesto constante
Com olhos vidrados de inveja a dardejar nosso desejo latente?
Enquanto a manhã avança abafada, lufadas de vento espalham o terror
As respostas, como sempre, ficam guardadas.

***

O acaso investe com sua ironia cósmica
Há quantos anos não ouvia essa música
Não existe catapulta mental mais eficiente
Que uma melodia marcante
E lá está de novo seu rosto de boneca
Seus olhos vívidos como bolas de gude
O perfume doce dos anos sessenta
Camisas de ban-lon e ternos de naftalina

De repente, assim como começou
A melodia desaparece engolida pelos ruídos da cidade
Vão-se as lembranças
Fica o registro
Como um filmezinho caseiro no projetor da memória

***

Não se trata de ninguém em especial
Nem o clima
Nem o local
É como se caísse uma fase do sistema
Um blecaute parcial
Desbotando a imagem como uma velha foto em Kodachrome

É quando entram os acordes dessa triste sinfonia
O nome é simples
Melancolia
Essa palavra sublime
Esse mal secular
Com que os corvos agourentos se deleitam a gargalhar

***

Fotos
Fragmentos coloridos
Sorrisos e olhares anônimos jogados na sarjeta
Em busca dum olhar amigo que os reconheça
Enquanto carros passam indiferentes
Espalhando e pisoteando um tapete de lembranças

Charles Peixoto

Charles Peixoto é poeta e roteirista carioca. Fundador do grupo Nuvem Cigana, é editor do Almanaque Biotônico da Vitalidade.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Na piauí_166

A capa e os destaques da revista de julho

Foro de Teresina #107: As guerras surdas de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O desmanche de Witzel

Um depoimento exclusivo denuncia os elos ocultos entre o governo de Witzel e as milícias

Para cuidar de quem cuida

Referência em Covid-19, hospital da USP cria programa de apoio a profissionais de saúde e descobre que 77% dos atendidos sofrem de ansiedade

26 de junho, sexta-feira de más notícias

Aniversário de Gil foi único momento de celebração neste tempo em que a tristeza é senhora

Racismo em tempos de Covid-19

Moradora da periferia de São Paulo diz que epidemia agravou problemas já existentes, como discriminação racial, trabalho precário e violência

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

A Terra é redonda: Enigma submarino

Poluição, aquecimento global e pesca exagerada ameaçam riquezas oceânicas que mal conhecemos

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

Mais textos
1

Chumbo grosso no Ministério Público 

Bloqueio de bens na Suíça, delação premiada contra Moro e interferência na PF acirram guerra entre a Lava Jato e a Procuradoria-Geral da República

2

PCC veste branco

Traficante da facção usou 38 clínicas médicas e odontológicas para lavar dinheiro, comprar insumos para o tráfico e socorrer “irmãos” baleados

5

A droga da desinformação

Publicações falsas ou enganosas sobre remédios sem efeito comprovado contra Covid-19 são um terço das verificações do Comprova no último mês

6

O epicentro é mais embaixo

Covid-19 avança no Sul e região se transforma em novo foco da pandemia; número de casos e óbitos duplicou em menos de um mês

7

O arauto da cloroquina

Ele era uma estrela da ciência – até que propôs uma cura para a Covid-19

10

Nas aldeias, memórias que a Covid leva embora

Estudo mostra que, entre indígenas, contaminação é 84% acima da média nacional; principais vítimas são idosos, guardiões da história de seus povos