portfólio

No tempo em que os bichos falavam

Os desenhos quase infantis do pseudomédico e quase geógrafo português que estudou a fauna e a flora brasileiras no século XVIII

Francisco António de Sampaio

Ponha-se na pele de Francisco António de Sampaio, um português “de gênio naturalmente curioso”, autodidata em “medicina, cirurgia e farmácia”. Ele veio para o Brasil ainda menino, em meados do século XVIII. Morava em Cachoeira, no interior baiano, quando apareceram por lá esbirros da administração ultramarina, “prendendo, seqüestrando e extorquindo dinheiros avultados”. Numa vila onde o médico mais próximo ficava “a 14 léguas por mar e mais de 30 por terra”, Sampaio foi multado como charlatão. Passou então a se intitular “geógrafo”. Mas não desistiu de remediar a ignorância da metrópole a respeito dos recursos naturais da colônia, preparando uma História dos Reinos Vegetal, Animal e Mineral, em três tomos, para a Academia das Ciências de Lisboa.

Sampaio se debruçou sobre suas plantas e seus bichos com um olho nos espécimes à sua frente e o outro no método científico de Lineu. Na época, o europeu que, do outro lado do Atlântico, quisesse vislumbrar a forma de um tamanduá-bandeira, teria que se fiar em relatos de viajantes que, ao longo dos séculos, o apresentaram como um bicho do tamanho de “um grande cão”, “com cauda comprida e coberta de cerdas como os esquilos” e “cabelos grossos como os de um cavalo”. Sampaio, bem ou mal, retratou o tamanduá e explicou as funções de sua língua “longa e elástica”. Isso, em 1793, era um ensaio de zoologia nos trópicos.

Francisco António de Sampaio desenhou e descreveu 104 espécies de animais, de mamíferos a peixes, de insetos a moluscos. Despachava os originais para Lisboa em caixotes, e esperava até oito anos para saber se as remessas chegavam ao destinatário. Nesse passo, a posteridade perdeu de vista sua obra, recolhida a coleções particulares, arquivos públicos ou anais bibliográficos. Os desenhos e textos de Sampaio levaram mais de dois séculos para retomar o caminho das livrarias, reunidos pela editora Dantes num pequeno volume chamado Eu Observo e Descrevo. O atraso reduziu a pó as veleidades científicas de Sampaio. Agora, ele serve mais do que nunca para mostrar que o Brasil já teve infância.

Francisco António de Sampaio

Francisco António de Sampaio, português autodidata em medicina e auto-intitulado geógrafo, viveu no Brasil no século XVIII.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Estupro não é sobre desejo, é sobre poder

Em 70% das ocorrências de violência sexual no Brasil em 2019, vítimas eram crianças ou pessoas incapazes de consentir ou resistir - como na acusação contra Robinho na Itália

“Meu pai foi agente da ditadura. Quero uma história diferente pra mim”

Jovem cria projeto para reunir parentes de militares que atuaram na repressão

Engarrafamento de candidatos

Partidos lançam 35% mais candidaturas a prefeito nas cidades médias sem segundo turno para tentar sobreviver

Bons de meme, ruins de voto

Nomes bizarros viralizam, mas têm fraco desempenho nas urnas

Perigo à vista! – razões de sobra para nos preocuparmos

Ancine atravessa a crise como se navegasse em águas tranquilas, com medidas insuficientes sobre os efeitos da pandemia

Retrato Narrado #4: A construção do mito

De atacante dos militares a goleiro dos conservadores: Bolsonaro constrói sua história política

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Mais textos
4

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

6

Do Einstein para o SUS: a rota letal da covid-19

Epidemia se espalha para a periferia de São Paulo justamente quando paulistanos começam a abandonar isolamento social

8

Assista a um trecho da mesa com Nikil Saval no Festival Piauí de Jornalismo

Nikil Saval é editor e membro da mesa diretora da revista literária n+1, revista de literatura, cultura e política, publicada em versão impressa três vezes ao ano.
Saval esteve em novembro no Festival Piauí de Jornalismo e conversou com os jornalistas Fernando de Barros e Silva e Flávio Pinheiro. 

9

Histórias da Rússia

Uma viagem pelo país da revolução bolchevique, cem anos depois

10

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia