portfólio

No tempo em que os bichos falavam

Os desenhos quase infantis do pseudomédico e quase geógrafo português que estudou a fauna e a flora brasileiras no século XVIII

Francisco António de Sampaio

Ponha-se na pele de Francisco António de Sampaio, um português “de gênio naturalmente curioso”, autodidata em “medicina, cirurgia e farmácia”. Ele veio para o Brasil ainda menino, em meados do século XVIII. Morava em Cachoeira, no interior baiano, quando apareceram por lá esbirros da administração ultramarina, “prendendo, seqüestrando e extorquindo dinheiros avultados”. Numa vila onde o médico mais próximo ficava “a 14 léguas por mar e mais de 30 por terra”, Sampaio foi multado como charlatão. Passou então a se intitular “geógrafo”. Mas não desistiu de remediar a ignorância da metrópole a respeito dos recursos naturais da colônia, preparando uma História dos Reinos Vegetal, Animal e Mineral, em três tomos, para a Academia das Ciências de Lisboa.

Sampaio se debruçou sobre suas plantas e seus bichos com um olho nos espécimes à sua frente e o outro no método científico de Lineu. Na época, o europeu que, do outro lado do Atlântico, quisesse vislumbrar a forma de um tamanduá-bandeira, teria que se fiar em relatos de viajantes que, ao longo dos séculos, o apresentaram como um bicho do tamanho de “um grande cão”, “com cauda comprida e coberta de cerdas como os esquilos” e “cabelos grossos como os de um cavalo”. Sampaio, bem ou mal, retratou o tamanduá e explicou as funções de sua língua “longa e elástica”. Isso, em 1793, era um ensaio de zoologia nos trópicos.

Francisco António de Sampaio desenhou e descreveu 104 espécies de animais, de mamíferos a peixes, de insetos a moluscos. Despachava os originais para Lisboa em caixotes, e esperava até oito anos para saber se as remessas chegavam ao destinatário. Nesse passo, a posteridade perdeu de vista sua obra, recolhida a coleções particulares, arquivos públicos ou anais bibliográficos. Os desenhos e textos de Sampaio levaram mais de dois séculos para retomar o caminho das livrarias, reunidos pela editora Dantes num pequeno volume chamado Eu Observo e Descrevo. O atraso reduziu a pó as veleidades científicas de Sampaio. Agora, ele serve mais do que nunca para mostrar que o Brasil já teve infância.

Francisco António de Sampaio

Francisco António de Sampaio, português autodidata em medicina e auto-intitulado geógrafo, viveu no Brasil no século XVIII.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria vai com as outras #4: Profissionais do Cristianismo

Uma pastora Batista e uma freira Agostiniana contam sobre rotina, compromissos, sustento e planejamento quando se trata de uma profissão de fé

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

Um patinho feio na luta contra a Covid-19

Sem experiência no ramo, pequena empresa de Minas recebe autorização para importar e revender testes que detectam anticorpos no organismo de quem entrou em contato com o coronavírus; resultado dos exames sai entre dez e trinta minutos

Amor em tempos de coronavírus

Fronteiras fechadas, travessia dos Andes, drible no Exército boliviano: as idas e vindas de um casal de jornalistas para voltar ao Brasil

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

Foro de Teresina #93: O Brasil de quarentena, o isolamento de Bolsonaro e a economia à deriva

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

(Quase) todos contra um 

Desgastado até entre aliados, Bolsonaro se isola cada vez mais; as 24 horas seguintes ao pronunciamento do presidente tiveram embate com governadores e declaração ambígua de Mourão

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

Cinema em mutação –  É Tudo Verdade reinventado

Festival adia mostra presencial, mas fará exibições online; quando a epidemia passar, o hábito de ir ao cinema persistirá?

Mais textos
1

Em duas estratégias, um êxito e uma ópera trágica

Como a China barrou a transmissão do coronavírus enquanto a Itália tem mais mortes em metade do tempo de epidemia

2

O enigma japonês

Com pouco mais de mil casos de coronavírus, Japão contraria recomendações sanitárias e causa desconfiança às vésperas de uma Olimpíada cada vez mais improvável

3

Bolsonaro contra-ataca

Estimulada pelo pronunciamento do presidente, militância bolsonarista faz ação orquestrada nas redes e nas ruas, convocando atos para romper quarentena

4

Contágio rápido e silencioso: a matemática do coronavírus

Doença pode ser transmitida por pessoas infectadas e sem sintomas; para epidemiologista de Harvard, perspectivas globais são preocupantes, mas no Brasil, é mais provável contrair sarampo

6

Com tornozeleira, sem segurança

No Acre, preso que ganha liberdade provisória recebe também sentença de morte

7

“Se não tem teste, como saber se é coronavírus?”

Com febre alta e dificuldade para respirar, moradora do Pantanal, na periferia de São Paulo, diz que medo do Covid-19 chegou à comunidade – mas ainda faltam informação e diagnóstico 

8

Um médico a menos

Fora do Mais Médicos desde a eleição de Bolsonaro, clínico cubano sobrevive aplicando acupuntura em Salvador enquanto sonha em combater o coronavírus

9

Decepção ambulante

Para um terço dos brasileiros, atuação de Bolsonaro contra coronavírus é ruim ou péssima; ex-apoiador do presidente, camelô rompe quarentena para não passar fome, mas reclama: “Gostaria que ele levasse a sério”

10

Posto Ipiranga, o último a admitir

Em meio ao avanço do coronavírus, demorou dez dias até Paulo Guedes ser convencido por auxiliares de que a cartilha fiscalista seria insuficiente e o aumento de gastos, inevitável