cartas

Notas econômicas e um novo business model

ABRIL

O perfil de João Campos traçado por Consuelo Dieguez (O herdeiro, piauí_175, abril) se expandiu pela história dos Arraes e da própria política pernambucana. Um documento de referência. Chegou à política nacional e, por isso, creio que faltaram dois eventos significativos que ampliam a paleta de cores desse embate do clã familiar e respingam nos partidos envolvidos. Eduardo Campos havia sido propalado como um potencial sucessor de Dilma Rousseff, caso aguardasse sua vez, segundo sussurros petistas da época. A precipitação de sua candidatura à Presidência em 2014 foi um desses dissabores que, em função da fatalidade de sua morte, levou ao segundo evento: a herdeira da candidatura, Marina Silva, apoiou Aécio Neves no segundo turno e tudo o que ele representou em termos de revanchismo, culminando no golpe de 2016, completados cinco anos neste mês de abril. É assustador que redutos progressistas sejam palco da mesma carnificina eleitoral que levou o bolsonarismo ao poder, revelando que a democracia não é herdada, mas deve ser conquistada e cultivada diuturnamente para ter alguma chance de sobrevivência.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Leia também

Últimas

Foro de Teresina #168: Bolsonaro janta os salvadores da pátria

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Quando a cruz vira espada

Seguindo o manual dos autocratas, Bolsonaro apela à radicalização religiosa para dividir o país e corroer ainda mais a democracia

A ferida aberta do Itamaraty

Homenagem feita por jovens diplomatas a José Jobim, morto pela ditadura, constrange o governo e reaviva o caso, até hoje não esclarecido

Bolsonaro não aceita imitação

Presidente sofre assédio de veteranos da velha política que prometem salvá-lo de si próprio

Tudo é “bodarrada”

Filme sobre a vida de Luiz Gama destaca sua atuação como abolicionista, mas falha ao deixar de lado suas demais facetas – entre elas, o poeta satírico

Clima fora de controle

Enquanto o mundo acende inúmeros sinais de alerta contra o colapso ambiental, o Brasil finge que nada acontece

Poupando energia, aumentando emissões

Para remediar a crise energética, governo federal vai na contramão do mundo, estimula fontes de energia poluentes e aprofunda outra crise: a climática

Mais textos