cartas

O anjo redentor e o grande Alexandre

CINEMA E POLÍTICA

Gostei especialmente do ensaio “O anjo redentor” na piauí_143, agosto. O texto analisa os principais trabalhos do cineasta José Padilha. Mais grave do que o justiçamento pregado em suas obras é o ranço com que o diretor trata a política. Muitos vão na esteira de Padilha e, com o lema de não serem “nem de esquerda nem de direita”, só alimentam um discurso de negação da política, como se pudéssemos resolver os grandes problemas da sociedade sozinhos, à maneira do Capitão Nascimento.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Leia também

Últimas

Bolsonaro, os judeus e o antissemitismo

Presidente buscou ganhos políticos ao fazer crer que ele e a comunidade judaica seriam unha e carne; agora, acuado, apela ao discurso antissemita

Feridas abertas

Caso prevaleça a tradição brasileira de impunidade, jamais superaremos a perda de milhares de vidas

O avalista oculto da Covaxin

Quem é o advogado Marcos Tolentino e quais suas ligações com a empresa que deu garantia fajuta para a compra da vacina indiana

O procurador, a homofobia e a rede social

Membro da procuradoria vira réu por atacar LGBTs em seu perfil no Facebook

Mais textos