vultos da América Latina

O caminho de Santiago

Os traumas e a trajetória de Michelle Bachelet

Patricio Fernández
Michelle com o pai, o general da Força Aérea Alberto Bachelet, que morreu na prisão durante a ditadura de Pinochet. “Meus pais não eram de muito agarramento, mas tínhamos muita vida em comum. Muito passeio, muita natureza, muita barraca”, contou a ex e futura presidente
Michelle com o pai, o general da Força Aérea Alberto Bachelet, que morreu na prisão durante a ditadura de Pinochet. “Meus pais não eram de muito agarramento, mas tínhamos muita vida em comum. Muito passeio, muita natureza, muita barraca”, contou a ex e futura presidente FOTO: GILLES BASSIGNAC_GETTY IMAGES

“Sabe, o que eu mais gosto é de dançar. Fico relaxada e me esqueço de tudo”, disse a presidente Michelle Bachelet, enquanto se mexia discretamente, sem grandes saracoteios, acompanhando o ritmo de uma orquestra de salsa. Pablo Dittborn, então gerente da editora Random House Mondadori, tinha conseguido que me convidassem para uma recepção em homenagem a ela, em Havana, onde em fevereiro de 2009, último ano de seu primeiro governo, Bachelet fazia uma visita oficial. A presidente estava de pé, cumprimentando os convidados da minha mesa, quando o conjunto começou a tocar; talvez porque eu fosse o mais moço do grupo (e, portanto, o menos comprometedor), ela me tirou para dançar. Foram apenas duas músicas.

Antes disso tínhamos nos visto só uma vez, quando ela começava a despontar como possível candidata presidencial. Na ocasião, ela me surpreendeu com perguntas íntimas sobre minha mulher e meus filhos, e eu, esquecendo-me de que era ela o motivo de minhas investigações, respondi uma por uma. Agora, enquanto rodopiávamos, ela voltou a me interrogar – com tamanha riqueza de detalhes que eu diria que se lembrava dos nomes de meus filhos, mas suponho que seria exagero meu. Acrescentei que acabara de me separar, logo antes da viagem. Durante nossa breve coreografia ela disse uma ou duas frases muito sentidas a respeito, e o resto do tempo foi como se se limitasse a oferecer sua companhia.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Patricio Fernández

Patricio Fernández é diretor do jornal chileno de sátira política The Clinic. Publicou La Calle Me Distrajo: Diarios 2009–2012 (Mondadori).

Leia também

Últimas

O mantra do negacionismo namastê

Praticantes de um estilo de vida supostamente saudável recorrem à desinformação e recusam a vacina

A única semelhança

Cientista de dados negro, preso por engano no Rio depois de reconhecimento por foto, narra os dias no cárcere e a dificuldade para ser solto

Nos erros de reconhecimento facial, um “caso isolado” atrás do outro

Presos por engano, cientista de dados, mototaxista e motorista têm algo mais em comum: são negros

Foro de Teresina #169: O vírus mal-disfarçado do bolsonarismo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Na crise climática, Congresso tira o corpo fora

Metade dos parlamentares se diz muito preocupada com o meio ambiente no Brasil, mas só 7% acham que seus colegas têm o mesmo interesse; maioria atribui a crise ao governo

Mais textos