anais da aviação

O desastre

Denise Abreu e as circunstâncias da tragédia de 2007 no Aeroporto de Congonhas

Consuelo Dieguez
Denise Abreu foi a única funcionária pública que virou ré do processo sobre o acidente da TAM. Ela diz ser vítima do machismo e da própria competência: “Virei bode expiatório”
Denise Abreu foi a única funcionária pública que virou ré do processo sobre o acidente da TAM. Ela diz ser vítima do machismo e da própria competência: “Virei bode expiatório” FOTO: ELLA DÜRST_2013/CABELEREIRO/MAQUIADOR: DAVI BORGES/TRATAMENTO DIGITAL: JUJUBA DIGITAL

Na chuvosa manhã de 17 de Julho de 2007, terça-feira, um avião da TAM vindo de Brasília pousou no Aeroporto de Congonhas. Entre os passageiros estavam Denise Abreu e mais três diretores da Agência Nacional de Aviação Civil, a Anac, responsável pela regulação e fiscalização do setor aéreo: Leur Lomanto, Jorge Luiz Velozo e Josef Barat. Viajavam para uma reunião com o gerente regional da Anac em São Paulo, coronel Janôr Alfredo Basílio Dias, no próprio aeroporto. O coronel havia programado um lanche de confraternização para depois da reunião, prevista para terminar no fim da tarde. Depois de pousar em Congonhas, o avião seguiu para Brasília, Goiânia, Brasília e novamente São Paulo, onde uma nova tripulação assumiu o comando, dessa vez rumo a Porto Alegre. De lá, o avião regressaria a São Paulo. No Aeroporto Internacional Salgado Filho, na capital gaúcha, faltava pouco para as cinco da tarde quando os 174 passageiros e cinco tripulantes extras da TAM, que pegaram carona no voo, foram convidados a embarcar.

O avião estava lotado – famílias e jovens que iam ou voltavam de férias, empresários e executivos com negócios em São Paulo, sindicalistas que participariam de um encontro nacional. Entre os passageiros estavam Paula Masseran Xavier, de 23 anos, e o namorado Lucas Mattedi, que traziam na câmera 160 fotos tiradas durante as férias em Gramado; Rebeca Haddad e Thais Scott, ambas de 14 anos, eufóricas por viajarem sozinhas para encontrar a avó de uma delas; o empresário Mario Corrêa Gomes, de 49, que participaria de uma reunião de negócios; Douglas Teixeira, de 31, que fora a Porto Alegre a trabalho; e Madalena Silva, de 20, tripulante da TAM, que estava de folga.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Consuelo Dieguez

Repórter da piauí desde 2007, é autora da coletânea de perfis Bilhões e Lágrimas, da Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Quem ri com Bolsonaro

Na porta do Alvorada, empresário apoia agressão a jornalista; nas redes, estratégia bolsonarista amplia alcance de ataques

Seguro sinistro

Despachante de "associações de proteção" oferece prêmio a policiais para recuperar carros roubados no Rio

Foro de Teresina #89: As mentiras de Bolsonaro, a caserna no Planalto e os tiros contra Cid Gomes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Tanque atropela patinete

Militares e policiais acendem pavio para implodir agenda de Paulo Guedes

Greve, motim e chantagem pelo poder

Bolsonaro usa demandas dos policiais para enfraquecer governadores, em especial os de oposição

“A jornalistas, oferecem dinheiro ou chumbo”

Repórter reconstitui assassinato do jornalista Léo Veras e lembra rotina de violência do narcotráfico na região

O Farol – fantasia extravagante 

Escassez de opções e presença de Willem Dafoe levam colunista a cair no conto do “horror cósmico com toques sobrenaturais”

Coronavírus espreita a Olimpíada

A cinco meses dos jogos, Tóquio vê turistas fugirem e máscaras acabarem

Maria Vai Com as Outras #1: A necessidade faz o sapo pular

A camelô Maria de Lourdes e a costureira Alessandra Reis falam da rotina como profissionais autônomas num mercado informal: o das calçadas do Centro do Rio e o da Marquês de Sapucaí

Mais textos
1

Greve, motim e chantagem pelo poder

Bolsonaro usa demandas dos policiais para enfraquecer governadores, em especial os de oposição

2

Quem ri com Bolsonaro

Na porta do Alvorada, empresário apoia agressão a jornalista; nas redes, estratégia bolsonarista amplia alcance de ataques

3

A pensão de 107 anos

Herdeiros de servidor público receberam legalmente benefício da Previdência de 1912 a 2019 – atravessando nove moedas e trinta presidentes brasileiros

5

Laudos, versões e milícia

Documentos e imagens da casa onde miliciano Adriano da Nóbrega foi morto contradizem relato de policiais sobre operação

6

Tanque atropela patinete

Militares e policiais acendem pavio para implodir agenda de Paulo Guedes

7

Coronavírus espreita a Olimpíada

A cinco meses dos jogos, Tóquio vê turistas fugirem e máscaras acabarem

8

Seguro sinistro

Despachante de "associações de proteção" oferece prêmio a policiais para recuperar carros roubados no Rio

9

Foro de Teresina #89: As mentiras de Bolsonaro, a caserna no Planalto e os tiros contra Cid Gomes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

10

“A jornalistas, oferecem dinheiro ou chumbo”

Repórter reconstitui assassinato do jornalista Léo Veras e lembra rotina de violência do narcotráfico na região