esquina

O desviado

Um gay evangélico em Juazeiro

Joana Suarez
ILUSTRAÇÃO_ANDRÉS SANDOVAL_2018

Cícero Souza Alves, 32, é um dos 9 185 Cíceros de Juazeiro do Norte, no Ceará, a cerca de 500 quilômetros de Fortaleza. É filho de Cícera, e tem um sobrinho e um cunhado com o mesmo nome (no município, a cada dezessete recém-nascidos, um é registrado como Cícero ou Cícera). Na academia, colou um adesivo em sua ficha para poder identificá-la mais rápido entre os vários xarás. Alves é recepcionista noturno no Hotel Padre Cícero, onde também trabalha uma Cícera. Mesmo convivendo pouco com os hóspedes, costuma conquistá-los com seu jeito falador.

A despeito de sua facilidade para se aproximar das pessoas, afastou-se da família. Não se tornou o devoto católico desejado pela mãe. Desviou-se do caminho. Brigou com ela, o pai e os dez irmãos. Alves é gay, mas evita pronunciar a palavra. “É uma coisa tão normal, você ter seu costume, ser quem você é, né?” Para a família tradicional e religiosa do sertão cearense, não. “Pra eles, isso é o cúmulo. Eu fui um filho esperado, o único que sempre teve leite. Meu pai me esfrega isso na cara até hoje.”

Não bastasse ser gay, Alves virou evangélico. Menino, passou a infância rezando junto à estátua do padim e conhecia todos os padres. “Minha mãe considerou uma afronta.” Juazeiro do Norte, onde cerca de 90% da população é católica, atrai 2 milhões de peregrinos por ano. Todo mês, no dia 20 os moradores vestem preto e vão à missa em homenagem à morte do padre Cícero, ocorrida há 84 anos.

A fim de ser o Cícero “que queria ser”, aos 22 anos Alves foi para São Paulo viver com o namorado. Na cidade grande, o parceiro encantou-se com a rotina de bebidas e baladas e o romance desandou. “Geralmente, essa classe gosta muito de bagunça, são muito felizinhos. Eu não curto isso, não bebo, não fumo.” Renega o passado de dançarino de uma banda de forró entre 2003 e 2008, mas admite que foi graças a isso que conheceu o Nordeste e vários hotéis.

Um dia, ainda deprimido com o fim do namoro, caminhava pelas ruas da capital paulista quando lhe chamou a atenção o vozerio de pessoas orando em uma igreja. “Era uma música bonita, um monte de gente contava histórias reais, eu me identifiquei.” Para Alves, a Igreja Católica não diz “verdades”, já a evangélica sempre tem uma “palavra de força para quem não consegue emprego”. Ele chegou a sugerir a um de seus irmãos (de sangue, não de fé), aspirante a padre, que fizesse o mesmo na missa: “Diga que Jesus está com elas, que a vida delas vai mudar.”

Alves visitou várias igrejas evangélicas, mas com a Mundial do Poder de Deus “foi paixão à primeira vista”. “Dizem que o pastor de lá roubou, mas eu pesquisei e sigo o que acredito.” Ele se define como autêntico, mas não cego: “Tem muita coisa que eu não gosto, mas ignoro.” Os irmãos de culto não estão a par de sua homossexualidade. Ele conta que até estava decidido a deixar “de ser quem era”, mas ao ouvir o pastor dizer que, quando está estressado, pega a esposa e vai para o shopping “viver a vida”, voltou atrás. “É assim, pastor? O senhor vive, né? Pois quem vai viver agora sou eu.”

Ser gay, tudo bem, mas daí a concordar com uma igreja evangélica para homossexuais, “isso já seria um escândalo”, emenda Alves. “Eu sei que uma hora Jesus vai me repreender e dizer ‘É agora ou nunca’, e eu vou ter que escolher”, fala, admitindo ser contraditório e até conservador, como seu padim Ciço.

 

Um dos responsáveis pela emancipação de Juazeiro do Norte, Cícero Romão Batista foi prefeito da cidade e tinha Lampião entre os devotos. Embora firmasse acordos com coronéis, era considerado o padre do povo. Depois de um milagre controverso em que hóstias se transformavam em sangue na boca dos fiéis, a Igreja o proibiu de exercer suas funções – seus defensores tentam até hoje obter do Vaticano uma reabilitação formal. Segue sendo considerado um “santo popular”.

Grupos de fiéis vindos de várias cidades saem em romaria e percorrem centenas de quilômetros em caminhadas que podem se estender por semanas para chegar até a estátua do padre, com 27 metros de altura, ao lado da qual um museu abriga milhares de ex-votos. Só de vestidos de noivas são mais de cem, disponíveis a quem quiser pegar emprestado.

Cícero Alves não saiu católico como queria a mãe, mas garante que suas escolhas não abalaram seus sentimentos pelo padim Ciço. “Coisas que eu pedi a ele quando era pequeno aconteceram lá em São Paulo. Queria comer com fartura e quando comecei a trabalhar em um restaurante, até me emocionei comendo.” Antes disso trabalhou com telemarketing. No call center de vendas da Folha de S.Paulo, seu sotaque cearense o ajudou. Por ter muito nordestino no Sudeste, quando o ouviam pronunciar “bom dia” e não bom “djia” (como os paulistas), os clientes já manifestavam simpatia e eram convencidos a assinar o jornal.

Depois conseguiu emprego de porteiro e segurança, pensando que os turnos de doze horas lhe renderiam dinheiro e pouco trabalho. Até que cansou de ser um nordestino sempre duro, vigiando estabelecimentos na Oscar Freire, “rua chique” na capital paulista. “Lá, era só trabalho, casa, trabalho, casa, pagar conta. Hoje, com 10 reais aqui em Juazeiro eu como o dia todinho, pareço rico”, disse Alves enquanto devorava um X-tudo de 5 reais (com cajuína). Retornou à terra natal no início do ano, após uma década afastado. “O povo diz que aqui não tem emprego, que nem com muita fé arruma, mas eu quis provar o contrário.”

No Sudeste, sentia-se mais discriminado por ser gay do que no sertão do Ceará. “Tinha gente que começava a me tratar mal quando sabia da minha opção, mesmo conhecendo minha integridade.” Com medo de não ver mais os pais vivos e com saudade da sua terra – “até o cheiro de Juazeiro é diferente” –, voltou para casa. Não deu certo. Foi morar com um amigo e parou de frequentar a família.

No Dia das Mães, encontrou dona Cícera na rua, por acaso. “Pedi perdão, abracei e fiz uma oração com ela.” Na despedida, Alves registrou o momento com uma foto que foi para a rede social. Com o pai, a relação continua difícil.

Joana Suarez

Leia também

Últimas Mais Lidas

Bolsonaro achata a curva

Pesquisa inédita do Ideia Big Data mostra que desaprovação ao governo oscila de 41% para 37% após presidente moderar discurso contra Mandetta e defender a cloroquina

Foro de Teresina #95: Os mitos da pandemia, a queda de braço com Mandetta e o bate-cabeça na economia

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana

Pão ázimo e um computador

Como famílias judaicas contornam o isolamento durante o Pessach, a festa religiosa que celebra a liberdade

Nos presídios, terreno livre para o coronavírus

Superlotação e falta de equipes médicas atrapalham medidas de prevenção da doença

Paulo Freire, um Homem do Mundo – Um sonho da bondade e da beleza

Alvo de ofensa proferida pelo capitão que ocupa o Palácio do Planalto, educador ganha desagravo em documentário

Rumo às urnas, estetoscópio é a nova arminha

Criticado por Bolsonaro, ministro da Saúde ganha popularidade nas redes durante epidemia e sinaliza força de candidatos médicos nas próximas eleições

Aula de risco

Reabrir colégios, como sugeriu Bolsonaro, aumenta perigo de contaminação para 5 milhões de brasileiros de mais de 60 anos que moram com crianças em idade escolar

A Terra é redonda: Coroa de espinhos

Especialistas discutem quem é o inimigo que está prendendo bilhões em casa e como vamos sair da pandemia causada pelo coronavírus

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

Mais textos
2

Resultado de teste de covid-19, só um mês depois do enterro

Se Brasil repetir padrão chinês, hospitalizações por síndromes respiratórias graves apontam para 80 mil casos no país

3

Não tenho resposta para tudo

A vida de uma médica entre seis hospitais e três filhos durante a pandemia

4

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

5

Direito à despedida

As táticas de médicos e famílias para driblar a solidão de pacientes de covid-19 nas UTIs

6

Uma esfinge na Presidência

Bolsonaro precisa do impeachment para fazer sua revolução

8

Ciência em Krakatoa

O Brasil vive um transe que mistura Monty Python e Sexta-Feira 13. O que será de nós quando isso acabar, o que faremos com relação a novas epidemias?

9

E se ele for louco?

Suspeitar da sanidade mental de Bolsonaro não permite encurtar caminho para afastá-lo; saída legal é o impeachment

10

Foro de Teresina #94: A subnotificação do vírus, Bolsonaro acuado e a economia desgovernada

O podcast de política da piauí comenta os principais fatos da semana