vultos da república I

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

Malu Gaspar
“Todo mundo trabalhou para o Aécio, ladrão, para o Temer, ladrão. Aí chega um sujeito completamente tosco, que pode mudar a política. Amansa o cara! Acho que Bolsonaro já é outro animal”
“Todo mundo trabalhou para o Aécio, ladrão, para o Temer, ladrão. Aí chega um sujeito completamente tosco, que pode mudar a política. Amansa o cara! Acho que Bolsonaro já é outro animal” FOTO_MARCOS MICHAEL_2018

A euforia no Centro de Convenções SulAmérica, no bairro carioca da Cidade Nova, era tanta que parecia possível pegá-la no ar com as mãos. Naquele domingo de julho, os 3 mil convencionais do Partido Social Liberal já haviam aplaudido as falas do general Augusto Heleno, do senador Magno Malta e de dois dos cinco filhos de Jair Messias Bolsonaro. A advogada Janaina Paschoal, autora do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, foi ainda mais ovacionada quando subiu ao palco. Na plateia que lotava o espaço de 2 500 metros quadrados, apoiadores dos mais variados perfis – do motoqueiro com o rosto do político tatuado na panturrilha ao ator Alexandre Frota, passando por famílias com crianças – esperavam pelo ápice do evento, o discurso com o qual o deputado e ex-capitão do Exército oficializaria sua candidatura à Presidência da República.

Bolsonaro tinha a voz embargada quando começou a rememorar sua trajetória, desde os tempos da farda até a formação de sua equipe de campanha. “É o nosso exército que foi sendo montado”, disse, antes de arrematar: “Mais recentemente, uma aquisição que agradeço a Deus: o economista Paulo Guedes.” Aplausos e assobios irromperam no salão. Sentado à mesa sobre o palco, entre o general Heleno e o deputado federal Major Olímpio, Guedes tinha a cabeça baixa, os olhos e os dedos colados no celular, enquanto digitava no WhatsApp. Interrompido aqui e ali por gritos de “mito, mito!”, “muito bom!” ou “é isso aí!”, Bolsonaro passeou por vários temas até chegar novamente ao nome daquele que será figura-chave no governo, se ele for eleito: “E antes que falem, Paulo Guedes, que eu não entendo de economia: tem uma passagem da Bíblia que diz que Deus não chama os capacitados. Capacita os escolhidos!” Mais aplausos e um grito de guerra, entoado entre buzinas, a plenos pulmões: “Um, dois, três, quatro, cinco mil, queremos Bolsonaro presidente do Brasil!”

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Malu Gaspar

Malu Gaspar, repórter da piauí, é autora do livro Tudo ou Nada: Eike Batista e a Verdadeira História do Grupo X, da Editora Record

Leia também

Últimas Mais Lidas

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

Lacrou: não entra mais nome novo na urna

Se um candidato morrer ou desistir, sua cara e seu número continuarão aparecendo na tela; TSE fechou os registros e diz que não muda mais

A nossa hora mais escura

O legado de trinta anos de democracia está em jogo nesta eleição

Bolsonaro e Haddad vão ao JN, bombam no Twitter e crescem

Jornal Nacional foi evento mais tuitado das campanhas dos candidatos do PSL e do PT; apresentadores viraram o assunto após as entrevistas

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

Aluguel do PSL custa R$ 1,8 milhão à campanha de Bolsonaro

Ex-presidente do partido, Luciano Bivar recebeu sozinho, até agora, 28% dos gastos da cúpula nacional da sigla que cedeu ao ex-capitão

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

Mais textos
1

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

2

SUS salva Bolsonaro por R$ 367,06

Pago pelo sistema público brasileiro, cirurgião de veias e artérias de Juiz de Fora é tirado de almoço de família para achar e conter hemorragia no candidato

3

Aluguel do PSL custa R$ 1,8 milhão à campanha de Bolsonaro

Ex-presidente do partido, Luciano Bivar recebeu sozinho, até agora, 28% dos gastos da cúpula nacional da sigla que cedeu ao ex-capitão

4

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

5

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

6

Paulo Guedes contra o liberalismo

A história mostra que uma onda de ódio só chega ao poder quando normalizada

7

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

8

O mínimo e o justo

Menos Estado gera mais justiça social?

9

Restam três para uma

Haddad, Ciro, Alckmin e a vaga contra Bolsonaro