vultos da República

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

O fiador
31ago2018_07h00
“Todo mundo trabalhou para o Aécio, ladrão, para o Temer, ladrão. Aí chega um sujeito completamente tosco, que pode mudar a política. Amansa o cara! Acho que Bolsonaro já é outro animal”
“Todo mundo trabalhou para o Aécio, ladrão, para o Temer, ladrão. Aí chega um sujeito completamente tosco, que pode mudar a política. Amansa o cara! Acho que Bolsonaro já é outro animal” FOTO_MARCOS MICHAEL_2018

A euforia no Centro de Convenções SulAmérica, no bairro carioca da Cidade Nova, era tanta que parecia possível pegá-la no ar com as mãos. Naquele domingo de julho, os 3 mil convencionais do Partido Social Liberal já haviam aplaudido as falas do general Augusto Heleno, do senador Magno Malta e de dois dos cinco filhos de Jair Messias Bolsonaro. A advogada Janaina Paschoal, autora do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, foi ainda mais ovacionada quando subiu ao palco. Na plateia que lotava o espaço de 2 500 metros quadrados, apoiadores dos mais variados perfis – do motoqueiro com o rosto do político tatuado na panturrilha ao ator Alexandre Frota, passando por famílias com crianças – esperavam pelo ápice do evento, o discurso com o qual o deputado e ex-capitão do Exército oficializaria sua candidatura à Presidência da República.

Bolsonaro tinha a voz embargada quando começou a rememorar sua trajetória, desde os tempos da farda até a formação de sua equipe de campanha. “É o nosso exército que foi sendo montado”, disse, antes de arrematar: “Mais recentemente, uma aquisição que agradeço a Deus: o economista Paulo Guedes.” Aplausos e assobios irromperam no salão. Sentado à mesa sobre o palco, entre o general Heleno e o deputado federal Major Olímpio, Guedes tinha a cabeça baixa, os olhos e os dedos colados no celular, enquanto digitava no WhatsApp. Interrompido aqui e ali por gritos de “mito, mito!”, “muito bom!” ou “é isso aí!”, Bolsonaro passeou por vários temas até chegar novamente ao nome daquele que será figura-chave no governo, se ele for eleito: “E antes que falem, Paulo Guedes, que eu não entendo de economia: tem uma passagem da Bíblia que diz que Deus não chama os capacitados. Capacita os escolhidos!” Mais aplausos e um grito de guerra, entoado entre buzinas, a plenos pulmões: “Um, dois, três, quatro, cinco mil, queremos Bolsonaro presidente do Brasil!”

Guedes mantinha-se impávido, o rosto sério, quase crispado, como se não pudesse ou não quisesse expressar reação. “Essa nossa equipe não está no Posto Ipiranga, mas vai trazer as soluções para o Brasil”, continuou Bolsonaro, para só então concluir com seu bordão, acompanhado pela multidão em coro: “Brasil acima de tudo, e Deus acima de todos!” Depois do final apoteótico, o candidato foi abrindo caminho pelo lado esquerdo do palco, acompanhado por assessores e seguranças que tentavam organizar as centenas de pessoas que o cercavam em busca de selfies ou de um mero contato. Paulo Guedes tomou o rumo oposto, desceu do palco e saiu discretamente por uma porta lateral.

 

Com 69 anos de idade e quarenta de carreira, o carioca Paulo Roberto Nunes Guedes não é um principiante nos debates econômicos nacionais. Formado em economia pela Universidade Federal de Minas Gerais, com mestrado na Fundação Getulio Vargas e doutorado na Universidade de Chicago, ele se notabilizou nos anos 80 pelas críticas ao Plano Cruzado do presidente José Sarney. Depois, combateu o confisco das poupanças promovido por Fernando Collor de Mello e fez ressalvas ao Plano Real. Em todos os casos, defendeu soluções afinadas com o liberalismo ortodoxo, a redução do tamanho do Estado, o corte de gastos, a manutenção do câmbio flutuante e a abertura do país para o comércio internacional. Pela contundência ou pelo catastrofismo, recebeu dos economistas do governo Sarney o apelido de Beato Salu, o personagem da novela Roque Santeiro que perambulava pela cidadezinha de Sinhozinho Malta e viúva Porcina anunciando o fim do mundo. Guedes também foi um dos fundadores do banco Pactual – rebatizado BTG Pactual em 2009 –, presidiu o Ibmec, uma escola de negócios, e ajudou a criar o Instituto Millenium, um think tank patrocinado por alguns dos maiores empresários do Brasil. Foi sócio de gestoras de recursos e hoje é CEO da Bozano Investimentos, no Rio de Janeiro. Além de ser bastante requisitado para palestras, sempre teve um trânsito fácil na imprensa – escreveu durante anos para a revista Exame e o jornal O Globo.

Em fevereiro deste ano, Guedes fez uma escolha radical. Aderiu à candidatura de Jair Bolsonaro e passou a percorrer os guichês do mercado financeiro expondo seus planos. Converteu-se em avalista de um político que provocava – ou que já provocou mais – arrepios no establishment, não tanto pela defesa da ditadura militar ou por suas posições controversas em temas como segurança pública, mas, principalmente, por atuar pela manutenção das estatais e proteger corporações e grupos, como o dos militares e dos servidores públicos. Emprestando ao ex-capitão um figurino liberal que nunca foi o dele, Guedes deu à campanha um novo impulso e ganhou do próprio candidato o status de autoridade inconteste, o que foi ratificado pelo plano de governo apresentado em meados de agosto. Bolsonaro promete unir em um só ministério as pastas da Fazenda, do Planejamento e da Indústria e Comércio, bem como a secretaria que cuida de concessões e privatizações. O superministro, é claro, seria Paulo Guedes.

No final de julho, em uma conversa em seu escritório, no Leblon, Guedes admitiu ter ficado um tanto constrangido na convenção do PSL. Contou que tinha decidido não ir, mesmo depois de ser convidado pelo presidente do partido, o advogado Gustavo Bebianno, que lhe mandou uma mensagem pelo WhatsApp: “Pode falar, Paulo? Gostaria de colocar você à mesa da convenção. Ou, no mínimo, na primeira fila. Pode ser?” O economista respondeu na terceira pessoa: “O Paulo Guedes fora da política partidária transfere mais credibilidade. Eu confio na intuição dele [referindo-se a Bolsonaro]. Se não me convocou até hoje para esse evento, é porque entendeu isso. Vale o que nós combinamos e não o que os outros disserem.” No mesmo dia, o próprio Bolsonaro enviou uma mensagem em áudio: “Paulo, amanhã tem uma convenção, você viu esse negócio de dizerem que estou isolado. Você está livre para fazer o que quiser. Mas me daria muito orgulho se aparecesse lá”, dizia o recado. “Eu senti que para ele era importante.”

No palco do SulAmérica, o economista fez um discurso de poucos minutos, “um depoimento a respeito da pessoa que conheci”, concentrado em três pontos. O primeiro: Bolsonaro é sincero, patriota e republicano, não faz “acordos mercenários” e nem se curva a interesses corporativos. Segundo: o candidato representa a ordem, a preservação de vidas e propriedades. E a entrada dele, Guedes, na campanha, significa “a junção da ordem com o progresso”. Terceiro: Bolsonaro está “inteiramente preparado para o exercício da função”. Nos discursos daquela tarde, o “economista destemido”, como o chamou Magno Malta, foi aplaudido e celebrado. Ainda assim, restringiu sua presença na convenção ao mínimo possível. “Fui o último a chegar e o primeiro a sair. Não era o meu ambiente.”

 

Paulo Guedes e Jair Bolsonaro se encontraram pela primeira vez em meados de novembro do ano passado, na sala de reuniões de um hotel da Barra da Tijuca, às oito da manhã de uma terça-feira. O deputado havia gostado de um artigo de Guedes, “Vácuo ao centro”, publicado no Globo e no qual classificava como “irreversíveis” a sua candidatura e a de Ciro Gomes. Para Guedes, Bolsonaro era o “legítimo herdeiro das antigas trincheiras políticas à ‘direita’”. Três semanas depois, o economista voltou ao assunto em sua coluna no jornal. “Contra tudo isso e todos esses que nos dirigem desde a redemocratização, Bolsonaro é a ‘direita’ que quer ‘a lei e a ordem’, valores de uma classe média esmagada entre uma elite corrupta e as massas que votam em Lula buscando proteção e assistencialismo.” Orgulhoso, o deputado reproduziu trechos do texto no Twitter. Em seguida, pediu a uma amiga o telefone de Guedes e mandou um auxiliar convidá-lo para uma conversa. Foram ao encontro, além de Bolsonaro, os seus três filhos políticos, Bebianno e um assessor.

Logo no início da conversa, Guedes contou que estava ligado ao apresentador de tevê e aspirante a presidenciável Luciano Huck, a quem vinha dando ideias para um futuro governo. Alguns fizeram menção de desistir do diálogo, que começava com um balde de água fria, mas o candidato fez uma intervenção. “Já gostei do Paulo. É franco, veio do quartel-general do inimigo e falou a verdade”, disse ele, nas palavras do próprio Guedes. Àquela altura, Bolsonaro já entrara para o rol dos fenômenos políticos. Consolidara-se em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto – ou em primeiro nos cenários sem o ex-presidente Lula –, mas se incomodava com as insistentes perguntas sobre economia. Suas respostas, genéricas e superficiais, deixavam claro que seu conhecimento era mais do que restrito. Saía-se, então, com o argumento de que um presidente não precisa entender de economia, assim como Lula ou até Fernando Henrique Cardoso, que foi ministro da Fazenda antes de chegar ao Planalto. Gostava de acrescentar que, se fosse para ele tratar da economia brasileira como fizera Dilma Rousseff, economista por formação, era melhor não entender nada. Vez por outra, ensaiava um discurso mais liberal, em favor da economia de mercado. Não era, porém, levado a sério, e julgava-se injustiçado pela mídia.

Assim foi, até que no ano passado um assessor, numa conversa de gabinete, resolveu falar com franqueza. “Bolsonaro, a gente tem de reconhecer que algumas críticas são válidas. A imprensa sabe que o Fernando Henrique não entendia de economia, mas o PSDB tem profissionais preparados e não faltariam quadros para um governo tucano. Com o PT é a mesma coisa. Tem lá um monte de gente para assessorar o Lula. Você não. Você é sozinho. Não tem nem partido!”, contou-me o assessor, pedindo anonimato. O ex-capitão ainda buscava uma legenda para se abrigar, e só viria a se filiar ao PSL em março deste ano. O deputado acusou o golpe. A partir de então, passou a buscar um economista que não fosse nem tucano nem petista para chamar de seu.

Na primeira conversa, no hotel na Barra da Tijuca, a proposta de Guedes de privatizar todas as estatais brasileiras chocou Bolsonaro. “Mas todas? Não tem as estratégicas?”, perguntou o ex-capitão. Parecia uma guinada drástica demais para alguém que, desde o primeiro mandato, votou contra o fim do monopólio estatal do petróleo e das telecomunicações, contra o teto salarial para servidores públicos, contra várias privatizações e todas as tentativas de propostas de reforma da Previdência, além de ter sido a favor das aposentadorias especiais para deputados e senadores. Guedes contou ter respondido a Bolsonaro com uma provocação: “Nos anos petistas, se você perguntasse, eles diziam que a Petrobras era estratégica. Você está satisfeito com o uso estratégico que fizeram da Petrobras? Você entende que corromperam a democracia brasileira através dessas ferramentas?” Bolsonaro respondeu: “Ah, realmente, isso aí é um ninho de corrupção, né?” Ainda assim, não se conformava. “Pô, mas afinal, o petróleo é estratégico…” E Guedes não cedia: “É estratégico para quê?! E se o carro elétrico pegar, se a energia passar a ser nuclear, solar? Aquilo é um fóssil, Jair! Veja quanto valia naquele tempo, quanto vale hoje? E estou mostrando para você, Jair, que lá atrás, se a Petrobras tivesse sido vendida, a dívida pública teria sido paga. Hoje, paga quarenta Bolsas Família! Dava dinheiro de graça para o povo. Olha o custo, olha como a ideologia é cara. É burrice ter ideologia.”

Como costuma acontecer com Guedes, o papo foi longo. Durou cinco horas. Ao final, segundo ele, Bolsonaro fez um pedido: “Se o Luciano desistir, eu gostaria que continuássemos essa conversa. Você poderia me ajudar?” O economista respondeu: “Claro, sempre.”

Duas semanas depois, Bolsonaro subiu ao palco do auditório do Teatro Santander, em São Paulo, com o jornalista Augusto Nunes, no evento de entrevistas “Amarelas ao vivo”, da revista Veja. Logo de início, Nunes quis saber se o presidenciável já tinha em mente um ministro da Fazenda. Louco para contar a novidade, o candidato disse: “Comecei a sondar o mercado sobre quem eu poderia convidar e que, uma vez convidado, aceitaria o convite. E busquei quem foi crítico, no passado, de planos econômicos”, explicou. “Tive duas conversas, no total de aproximadamente oito horas. Então não existe ainda sequer um noivado. É um namoro. Porque, se houve o segundo encontro, é porque houve uma certa simpatia entre nós. É o professor e economista doutor Paulo Guedes.” Nunes comentou: “O senhor está dando um furo aqui para nós.” Bolsonaro confirmou: “É um furo, ninguém sabia disso até hoje, a não ser eu e ele.” O apresentador insistiu: “É o provável ministro da Fazenda?” E o candidato: “Não, é uma pessoa que a gente espera continuar namorando, quem sabe ficar noivo né?” E, aproveitando a deixa, expôs um ainda confuso esboço de plataforma econômica: “Eu pedi praticamente um milagre para ele. Além de manter o tripé, arrecadar mais com menos impostos e diminuir a dívida pública, buscar uma maneira de equacionar a questão dos servidores, porque – não querendo ser corporativista –, mas existe uma discrepância enorme no salário dos servidores e quem está mais prejudicado nessa questão são os militares… E pedi a visão dele sobre previdência também. Eu botei na mesa e perguntei: ‘É possível? O senhor acha que esse milagre dá para a gente pedir e o senhor atender?’ Ele disse: ‘É possível.’” Nunes atalhou: “Então acho que o casamento já tem data marcada.” Bolsonaro respondeu, provocando risadas na plateia: “É um casamento hétero!”

 

A  inflexão liberal do ex-capitão foi bem recebida, e os convites para o candidato e o economista falarem em eventos de bancos e gestoras de recursos se multiplicaram. Desde fevereiro, Guedes participou de mais de 15 reuniões e palestras, sem falar das incontáveis entrevistas e de algumas viagens com o candidato. Bolsonaro, por sua vez, esteve no BTG Pactual e na XP Investimentos e compareceu a jantares, almoços e cafés com grandes empresários, como Abilio Diniz, ex-dono do Pão de Açúcar e acionista da Brasil Foods, David Feffer, do grupo Suzano, e Rubens Ometto, dono da Cosan. No início de julho, fez sucesso em um evento da cni, a Confederação Nacional da Indústria. Em todas as ocasiões, defendeu a reforma da Previdência, a reforma trabalhista e medidas de fomento à competitividade e ao empreendedorismo.

Passou a ter uma nova resposta pronta para quem lhe fazia pergunta difícil em economia: “Não sei, vou perguntar ao Paulo Guedes.” A resposta virou chacota nas hostes tucanas, que carimbou no economista o rótulo de “Posto Ipiranga” – em referência ao comercial de tevê que sugere que se pode encontrar de tudo nos estabelecimentos da rede. A piada, entretanto, acabou sendo incorporada pelo próprio presidenciável, que passou a se referir a Guedes como seu “Posto Ipiranga”. Com sucesso, como constatou a diretora do Ibope, Márcia Cavallari, nas pesquisas do instituto. “O que o eleitor vê é que o Bolsonaro não enrola. Ele admite que não sabe de economia e diz que vai buscar quem sabe. Mesmo sem conhecer Paulo Guedes, o eleitor pensa: ‘Bolsonaro é humilde e não está mentindo.’”

Ainda é incerto, porém, o quanto a guinada liberal de Bolsonaro lhe renderá de apoio no mercado. Na segunda semana de julho, visitei três dos maiores gestores de fundos de investimento do Brasil para avaliar o humor em relação à dupla Bolsonaro-Guedes. O momento político era de articulações para alianças. Acabava de ir por água abaixo a tentativa do deputado de indicar Magno Malta como vice e fechar com o pr, o Partido da República, de Valdemar Costa Neto, que optou por seguir os demais partidos do centrão e se alinhar com Geraldo Alckmin, do PSDB. Todos esses gestores – que pediram para não terem seus nomes revelados – se reuniram, poucos dias antes, ou com Guedes ou com o próprio Bolsonaro. Apenas um deles conhecia o economista havia bastante tempo. Os outros dois só haviam tido contato com Guedes em palestras. Os três manifestavam clara preferência por Alckmin, mas apostavam que o deputado do PSL tinha muito mais chance de ir para o segundo turno.

Um deles me disse que as pesquisas contratadas por sua instituição demonstravam forte tendência antipetista no eleitorado e que Alckmin não está conseguindo capturá-la para sua candidatura. Outro afirmou que a segunda vaga no turno final das eleições fatalmente será de um candidato de esquerda. E o terceiro resumiu a opinião dos anteriores, ao dizer que o apoio de Guedes ao presidenciável fizera toda a diferença, pois, “já que Bolsonaro tem chance de ganhar, é melhor que esteja com um liberal”. E foi além: “Muito empresário queria votar nele, mas tinha receio ou vergonha. O Paulo Guedes deu a desculpa que o pessoal precisava.” Eles preveem que, no caso de vitória de Bolsonaro, nos primeiros meses de governo haveria uma onda de otimismo com a esperada guinada liberal, com alta nas Bolsas e queda do dólar. Contudo, a grande dúvida que ainda paira nos escritórios do mercado financeiro quanto ao casamento hétero de Bolsonaro e seu guru liberal é outra: por quanto tempo Guedes resistiria no governo, antes do divórcio. “Paulo Guedes é brilhante. Tem uma visão perfeita sobre a economia. Mas, na primeira reunião da Comissão de Assuntos Econômicos do Congresso, se um deputado começar a incomodá-lo, ele mandará o sujeito para aquele lugar e irá embora”, disse o gestor que mais conhecia Guedes, entre os três que ouvi.

Duas semanas depois, em uma tarde do início de agosto, o “Posto Ipiranga” era o foco da atenção de olhos e ouvidos em uma mesa de reuniões na sede da XP Investimentos, em São Paulo. Em torno dele, estavam cinco representantes de fundos que administram um total de mais de 100 bilhões de reais de investidores brasileiros e estrangeiros e que haviam insistido muito para conseguir uma brecha na agenda do conselheiro do presidenciável. Depois de uma preleção inicial, Guedes contou que, até aquele momento, havia tido doze reuniões de trabalho com Bolsonaro. “Você não acha que é pouco tempo para mudar uma pessoa que pensa tão diferente?”, lançou um dos presentes. “Não”, respondeu Guedes. “Ele é inteligente e eu sou persuasivo. Aprendeu mais rápido do que o Persio Arida que tem que privatizar!” Em duas horas de conversa, o economista repetiu o mantra de sempre. Privatizando tantas estatais quanto possível e cortando gastos, um eventual governo Bolsonaro terá recursos para reduzir o rombo nas contas públicas e pagar parte da dívida.

Apesar de concordar com as premissas, o pequeno público na XP não deixou de pressionar Guedes. Ele, porém, não esclareceu de onde pretende tirar o dinheiro para as aposentadorias atuais do INSS quando os novos trabalhadores com carteira assinada passarem a destinar suas contribuições previdenciárias a fundos privados, como prevê o sistema de capitalização por ele proposto (dias depois, Guedes me diria que pretende fazer uma transição em etapas, sem entrar em detalhes). Reconheceu que talvez não consiga vender todas as estatais, porque Bolsonaro quer manter as que ele julga “estratégicas”, mas, afora Itaipu, não apontou quais seriam. Admitiu, também, que ainda não chegou a um acordo com o presidenciável sobre alguns assuntos, como detalhes da reforma da Previdência ou o reajuste do salário mínimo, hoje atrelado a uma fórmula que combina INPC com o índice de crescimento do PIB. A regra criada na gestão Dilma vai caducar no próximo mandato. Guedes acha que não deve haver fórmula fixa. Bolsonaro defende a indexação.

Quando lhe perguntaram na reunião como pretendia convencer o deputado a abrir mão de suas posições, Guedes brincou: “Rezem por mim!” E, ao falar da relação com o Congresso, disse que num eventual governo Bolsonaro não haverá o “toma lá dá cá”. Isso porque, na reforma do Estado que ele promete fazer, estados e municípios passariam a receber mais recursos do que hoje e ficariam menos dependentes do caixa da União. Não vai existir o tipo de governabilidade que vocês conhecem. Vai haver incertezas e vocês vão ter que se acostumar a isso.” Quando o encontro acabou, ninguém saiu muito tranquilo. Apenas Guedes continuava animado. “Gastos, gastos, gastos!”, saiu exclamando em voz alta pelo corredor, enquanto se afastava.

 

“Duvido que poderá haver uma briga entre nós”, disse Bolsonaro em entrevista ao programa Roda Viva da TV Cultura, ao ser perguntado sobre Guedes. “Num primeiro momento conversamos muito, e eu acho que em alguma coisa eu o convenci. Quantas vezes eu falei para ele: ‘Paulo, sua proposta é maravilhosa, mas temos um filtro pela frente, chamado Câmara e Senado. Nós não queremos apresentar uma proposta que não tenha chance de ser aprovada.’” Três dias depois do programa, Bolsonaro promoveu ele mesmo outra entrevista, dessa vez com blogueiros de direita, transmitida pelo YouTube e pelo Facebook. O convescote teve a participação de Guedes, a quem coube responder todas as questões sobre economia. Mas não só. Durante a conversa, o economista deu soluções para problemas de outras searas. Na educação, sugeriu a distribuição de vouchers para os alunos de escolas públicas com bom desempenho estudarem na rede particular; em relação ao sistema prisional, defendeu a privatização de todas as penitenciárias. Bolsonaro só discordou uma vez, balançando a cabeça, quando o economista disse que os militares deveriam ter devolvido o poder aos civis três anos depois do golpe de 1964. No mais, ouvia com atenção e concordava. Ao final, reclamou de não poder levar Guedes para a sua sabatina na GloboNews, no dia seguinte.

A influência que Guedes passou a exercer sobre Bolsonaro é tal que, por vezes, os assessores recorrem ao economista para tentar persuadir o candidato de alguma coisa. Nem sempre funciona. No final de maio, quando a greve dos caminhoneiros começou a perder força, pediram a Guedes para convencer Bolsonaro a apoiar a continuação do movimento, já que ele resistia a fazer isso. Guedes foi contra. Dias depois, o presidenciável declarou publicamente que os grevistas haviam ido longe demais. Também estressou o economista um pedido para que ele fosse a um encontro de próceres da direita em Foz do Iguaçu. Incomodado com essas situações, Guedes colocou a questão para o candidato: “Ô Jair, às vezes seus caras me ligam e pedem para fazer isso, para fazer aquilo…” O ex-capitão respondeu: “Paulo, só vale o que nós dois combinarmos. Não deixa ninguém te manipular.” No mês passado, quando Guedes foi tema de uma reportagem de capa da revista Veja, com a chamada “Ele pode ser presidente do Brasil”, Flávio Bolsonaro, filho de Jair e candidato ao Senado pelo Rio de Janeiro, escreveu no Instagram: “O folhetim Veja desta semana traz na capa o nosso professor Paulo Guedes. O intuito seria jogá-lo contra Bolsonaro, numa espécie de ciuminho entre eles que levasse a um desgaste interno e futuro rompimento. Não deu nem dará. Grande imprensa e adversários, morram de dor de cotovelo, nós temos o maior economista do país no nosso time, o time Brasil! E, sim, ele terá total autonomia na sua área – é porteira fechada que chama, né?! Estamos juntos, professor!”

Guedes vem atuando na conflituosa relação entre Bolsonaro e “a mídia”. “Você é visto como um bárbaro”, definiu o economista, logo no início das conversas, ao explicar para seu candidato a importância de estabelecer pontes com os donos dos maiores veículos de comunicação do Brasil. No início do ano, ele levou Bolsonaro para conversar com Giancarlo Civita, ex-presidente da editora Abril. O economista e o empresário já se conheciam, mas se aproximaram em 2011, quando a br Investimentos, de Guedes, comprou uma participação na Abril Educação por cerca de 226 milhões de reais. O negócio deixou boa memória – em 2015, a família Civita vendeu o controle da empresa à Tarpon por 1,3 bilhão de reais. Em julho, perguntei a Guedes como havia sido o encontro. “Quando o conhecem, as pessoas perdem o preconceito”, limitou-se a dizer. Em julho, os Civita deixaram o comando da empresa. A Abril entrou em recuperação judicial.

O encontro pelo qual Guedes mais trabalhou ocorreu em agosto, quando o candidato visitou a sede da Globo, no Jardim Botânico, para uma conversa com o vice-presidente do grupo, João Roberto Marinho. Guedes e Marinho são velhos conhecidos, mas a hostilidade contra a emissora é uma das tônicas do discurso de Bolsonaro. Na convenção do PSL, um dos gritos de guerra mais ouvidos era “Globolixo”. Dias antes, em um evento na cidade paulista de Registro, o próprio Bolsonaro dissera ter “uma tara pela Rede Globo”, e afirmou que, se eleito, iria “entrar no BNDES”, para “saber a dívida de todo mundo lá. Em especial a da Rede Globo”.

Bolsonaro também bate forte nas novelas da emissora, que, para ele, “arrebentam com as famílias do Brasil”. Esse parece ser um dos assuntos sobre os quais o ex-capitão convenceu o economista. Várias vezes, em nossas conversas, Guedes criticou episódios de novelas ou programas em que se discutia a diversidade sexual para adolescentes. “Quantos sexos existem? A ciência diz que existem dois. Mas, para a Globo, são seis.” O último ruído com a emissora ocorrera na sabatina da GloboNews. O presidenciável elogiou um editorial do Globo de 1984, em que Roberto Marinho fazia uma homenagem à “revolução”, como chamava o golpe militar de 1964 – e a mediadora, Miriam Leitão, teve de recitar uma nota ditada por meio de ponto eletrônico, explicando que o grupo reviu depois sua posição sobre o golpe.

Segundo Guedes, porém, não se falou do assunto na conversa. Bolsonaro chegou antes do economista, que se atrasou por uns dez minutos. Depois de um breve embaraço, o herdeiro da Globo resolveu mostrar fotos da trajetória do pai. O ex-capitão aproveitou a deixa para elogiar Roberto Marinho, e o diálogo fluiu. Em nossa conversa, Guedes definiu o clima do encontro como “respeitoso”. “Eu estou tentando acabar com maus entendidos. Quero evitar que aconteça aqui o que já está ocorrendo nos Estados Unidos, em que a mídia está em guerra.” No mesmo dia em que Bolsonaro seria entrevistado por William Bonner e Renata Vasconcellos no Jornal Nacional, Guedes e Marinho se encontraram novamente, para almoçar, dessa vez sem o candidato.

Em julho, quando Guedes me relatou as iniciativas que vinha tomando, comentei que seu papel na campanha de Bolsonaro excedia o de conselheiro econômico. Ele pareceu desconfortável. “Eu poderia lavar as mãos, mas esse cara pode ganhar a eleição. Mesmo. Independentemente da gente. Você pode escrever o que você quiser e eu falar o que quiser. Não tem nada a ver comigo, ou com você. Porque nós estamos na bolha. Tem um troço acontecendo aos milhões aí fora. Se eu encher o saco, ver que esses estão me discriminando, me atacando, porque eu tô tentando ajudar o país… Quer dizer: todo mundo aí trabalhou para o Aécio, ladrão, maconheiro. Trabalhou para o Temer, ladrão. Trabalhou pro Sarney, ladrão e mau-caráter que aparelhou o Brasil inteiro. Aí chega um sujeito completamente tosco, bruto e consegue voto como o Lula conseguiu. A elite brasileira, em vez de entender e falar assim, pô, nós temos a oportunidade de mudar a política brasileira para melhor…” Guedes fez uma pausa e prosseguiu, parafraseando as críticas ao seu candidato: “Ah, mas ele xinga isso, xinga aquilo… Amansa o cara!” Pergunto se é possível amansar Bolsonaro. “Acho que sim, já é outro animal.”

 

Por ironia do destino, a guinada que fez Guedes começar a pensar seriamente em ir para o governo foi um episódio ocorrido nos estertores do mandato de Dilma Rousseff. Em meados de dezembro de 2015, dias depois de o processo de impeachment ter sido instaurado no Congresso, ele foi chamado para jantar no Palácio da Alvorada com a presidente. Após meses de idas e vindas com seu ministro da Fazenda, Joaquim Levy, Dilma havia decidido demiti-lo e tentava encontrar um substituto. O nome de Guedes foi lembrado pelo ministro das Cidades, Gilberto Kassab, e pelo presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, os dois do PSD. O economista fizera o plano de governo de Afif em 1989, quando ele concorreu à Presidência da República pelo Partido Liberal com o lema “Juntos chegaremos lá”. No jantar, porém, não se falou do convite, mas, segundo o próprio Guedes, da condução da política econômica. “Primeiro ela deu uma informação. Falou: ‘Vou tirar o Levy e, se não achar uma solução externa, vou colocar a interna.’ Depois, ela me fez uma pergunta: ‘Por que você nunca veio, Paulo? Eu já soube que você foi convidado. O Delfim me contou que te convidou.’”

Quando Delfim Netto era ministro do Planejamento, em 1984, mandou sondar Guedes para uma diretoria do Banco Central. Affonso Celso Pastore, então presidente do BC, fez o convite, mas Guedes achou que se tratava de uma “armadilha” para desmoralizá-lo, uma vez que ele vinha criticando a política econômica capitaneada por Delfim. “Mas ele contou que era uma tentativa de assassinato?”, respondeu Guedes a Dilma. Pouco tempo depois, quando Tancredo Neves foi eleito, o novo presidente do BC, Antônio Lemgruber, também o sondou para ser diretor. Guedes recusou. “Eu apresentei minhas propostas, e o Lemgruber disse: ‘Pô, você tá querendo resolver o problema do Brasil, cara?!” Daí em diante, Guedes afirma que resolveu seguir o conselho de Mário Henrique Simonsen, de quem havia sido aluno na Fundação Getulio Vargas: “Primeiro você fica independente, depois você pensa em governo.”

Quem ouve o guru de Bolsonaro contar sua própria trajetória tem a sensação de estar diante de um Forrest Gump da economia brasileira, o personagem que está sempre aparecendo nas franjas ou nos bastidores de episódios importantes da história. “Em 1989, quando eu fiz o plano do Afif, previ que, se vendesse todas as estatais, zerava a dívida pública. Sabe o que significa isso? Seriam trinta anos de juros baixos e trinta anos de câmbio bem mais alto, e sem gastar o que hoje nós gastamos. Isso não foi feito, e o Brasil virou o paraíso dos rentistas e o inferno dos empreendedores.” Collor venceu as eleições, e Guedes diz que a ministra Zélia Cardoso de Mello o chamou para a equipe econômica. “Assim que o Collor tomou posse, ela me chamou. Chamou o Eduardo Modiano e eu. Ele foi, eu não.” Modiano foi indicado a presidente do BNDES.

Segundo seu relato, Dilma, durante o jantar, perguntou: “O que você faria se fosse ministro da Fazenda?” A primeira coisa, respondeu Guedes, seria adotar o plano de Michel Temer, então vice-presidente, para a economia, chamado de “Ponte para o Futuro”. “O Brasil precisa de um ajuste, o problema não é o Levy. O problema é a política. Fazendo isso, a senhora já tem alguém para pagar a conta política. Porque o Temer vai fazer o Congresso aprovar o plano.” O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, que também estava no jantar, teria se empolgado com a ideia, mas a presidente descartou-a peremptoriamente. A segunda proposta consistia em Dilma impor ao Congresso uma reforma política, em troca do seu próprio apoio ao plano Temer. “Ela me perguntou: ‘E como eu vou fazer isso?’ Eu disse: ‘Presidente, o Brasil inteiro sabe que a política está sendo feita de forma desonrosa. Não há problema em admitir o erro e corrigi-lo.’” Dilma, novamente, não embarcou. Às onze da noite, depois de quatro horas de conversa, despediram-se. “Talvez ela não estivesse nem pensando em me convidar. Ela deve ter dito: ‘Vou chamar o Nelson Barbosa’, mas deixa eu ouvir esse cara aqui.” Barbosa, que era ministro do Planejamento, foi de fato confirmado na Fazenda.

Guedes contou que, na manhã seguinte, desembarcou no Rio de Janeiro preocupado. “Saí de lá falando o seguinte: ‘A inflação vai subir sem parar e o Brasil vai lamber!’”, contou ele em nossa primeira conversa, no final de junho, usando uma gíria típica do mercado financeiro para descrever o momento em que um ativo cai ao nível do chão. Dias depois, contou sobre o encontro com Dilma para a filha única, Paula, sócia de uma startup que processa enormes quantidades de dados para auxiliar empresas a selecionar funcionários. Paula fizera alguns cruzamentos e chegado à conclusão de que o próximo presidente do Brasil seria um outsider, sem o perfil do político tradicional e com grande presença nas redes sociais. “A mídia está dormindo, quando acordar já haverá alguém eleito”, disse ela. Guedes começou a pensar em quem poderia ser esse personagem, até que lhe ocorreu o nome de Luciano Huck.

O economista tinha um amigo em comum com o apresentador: o banqueiro Gilberto Sayão, que fora seu subordinado no Pactual, nos anos 90. Amigo e sócio de Huck na Joá Investimentos, Sayão almoçou com Guedes no início de 2016, em um restaurante da Zona Sul do Rio, e ouviu dele todo o prognóstico sobre a disputa eleitoral. O economista pediu para ser levado até Huck, e os três se encontraram dias depois na casa do apresentador, no bairro do Joá, no Rio. Guedes apresentou os números colhidos por sua filha e insistiu que ele seria presidente do Brasil. “Eu disse: ‘Vai acontecer uma coisa na sua vida. Vai ter 25% de voto para um lado, 25% de voto para o outro. O establishment perdeu a decência, vai ter um vácuo no centro. Você vai virar a Meca.” O resto é história conhecida. Depois de um período rejeitando a ideia, Huck ensaiou uma candidatura, conversou com partidos e possíveis apoiadores, fez que desistia algumas vezes – até que, em fevereiro de 2018, anunciou que, definitivamente, não entraria na corrida presidencial. Guedes já estava, então, namorando Bolsonaro.

 

“Convidamos todos os senhores e senhoras para, em posição de respeito, iniciarmos a homenagem à nossa pátria. Com vocês, o Hino Nacional Brasileiro”, anunciou o locutor. Em seguida, os cerca de oitenta empresários presentes no salão de eventos do hotel Gran Marquise, um cinco estrelas na praia de Mucuripe, em Fortaleza, se levantaram. Era meados de julho e fazia um sol de rachar do lado de fora. Vários tinham as mãos no peito. De pé no centro do palco, Paulo Guedes atravessou o hino sem cantar uma palavra, circunspecto, com o olhar lançado ao infinito. A seção cearense do Lide, associação de empresários fundada pelo tucano João Doria, tinha organizado o evento justamente para ouvir o economista. Havia no ar um discreto clima de celebração. Em parte porque Guedes era o primeiro assessor econômico de um presidenciável a ser recebido pelo grupo, mas sobretudo porque se tratava do guru de Bolsonaro, o candidato por quem muitos ali já haviam se decidido. “Precisamos de um choque liberal”, disse Luiz Carlos Fraga, dono de uma rede de laboratórios de análises clínicas, no coquetel que precedeu a palestra. “Tem de ser alguém com autoridade para tirar o PT da máquina pública”, atalhou o seu irmão, Carlos Henrique Fraga. Vários na roda de conversa informal assentiam com a cabeça.

A fala de Guedes não decepcionou os presentes. Empolgado com a receptividade, o economista fez questão de tocar em um de seus temas prediletos desde que passou a ser o foco das atenções na campanha: o fracasso de seus colegas em governos passados, em especial o dos tucanos. Sem citar nomes, Guedes atacou o Plano Cruzado e os erros do Plano Real – cometidos, segundo ele, por “despreparados”: “Nunca antes na história da humanidade houve um programa tão longo de combate à inflação. O que faltou a todos os nossos planos, inclusive o Real, foi exatamente a dimensão fiscal. Corte de gastos. É por onde tinha de ter começado tudo, lá no governo Sarney. Mas não, congelaram os preços e perseguiram os empresários. Só oito anos depois descobriram que tinham que fazer política monetária e fazem o Real. Só que faltou a política cambial. E, cinco anos à frente, descobriram que tinham que fazer política cambial, e abriram para o câmbio flutuante. Até aí, FHC queimou 50 bilhões de dólares para não perder a reeleição. Chegamos ao câmbio flexível não por decisão, mas porque o câmbio explodiu. Aí, flutuou o câmbio, e só depois descobriram a questão fiscal, catorze anos depois. Enquanto eles aprendiam, o Brasil estava ficando para trás.”

Lá se iam quase cinquenta minutos de palestra, e o público estava ansioso para fazer perguntas. Mas Guedes não parecia ter pressa. “Todos nós erramos. Já errei milhões de vezes também. A diferença é que, quando eu erro, pago com o meu dinheiro. Tem um economista aí, que eu não vou dizer o nome, que afirmava: ‘Ah, estou fazendo experiências!’ E, na primeira experiência dele, ele congelou o Brasil inteiro e o levou para a hiperinflação. Na segunda, ele foi demitido do Banco Central porque estava vazando informação.”

Não se sabe se alguém da plateia se deu ao trabalho de identificar nominalmente os destinatários dos petardos disparados por Guedes. Não teria sido difícil perceber que o alvo principal era Persio Arida – coordenador do plano de governo de Geraldo Alckmin, um dos autores do Cruzado e presidente do BNDES e do BC no governo Fernando Henrique Cardoso. Arida saiu do governo em 1995, depois de divergências com o diretor de assuntos internacionais do BC, Gustavo Franco, e em meio a acusações de ter vazado para um ex-sócio a decisão do governo de desvalorizar o câmbio – a investigação do vazamento foi extinta por falta de provas. Esse episódio é apenas um dos que Guedes gosta de citar em longas perorações sobre seu relacionamento com a chamada “turma da PUC do Rio”, hoje um reduto do pensamento econômico liberal, mas que nos anos 80 tinha inclinação mais heterodoxa.

 

A  primeira experiência de Guedes com a PUC se deu em 1979, quando ele chegou ao Brasil, aos 30 anos, depois de um doutorado em Chicago, obtido com uma tese de economia matemática sobre política fiscal e endividamento externo. Animado com o período no exterior, imaginou que se tornaria professor em tempo integral da PUC ou da FGV. Mas tudo o que conseguiu foram aulas em tempo parcial nas duas universidades e no Instituto de Matemática Pura e Aplicada, o Impa.

O Brasil vivia um clima de cizânia entre os economistas. Uma polêmica entre professores da FGV acerca da explicação para a má distribuição de renda no Brasil levara a um racha que resultou na migração de vários deles para o Departamento de Economia da PUC. O professor Carlos Langoni explicava a desigualdade de renda no Brasil a partir dos desníveis de escolaridade. Como havia pouca gente no país com mais anos de estudo, e o crescimento acelerado da época aumentava a demanda por trabalhadores qualificados, os salários no topo tendiam a crescer mais do que a renda dos mais pobres. Assim, segundo Langoni, a maior concentração de renda se devia sobretudo a um ajuste do mercado de trabalho ao milagre econômico. O professor Edmar Bacha e seu grupo – que incluía Pedro Malan e o americano Albert Fishlow – culpavam pelo problema a intervenção estatal na economia e as políticas de achatamento salarial durante a ditadura.

Guedes diz que demorou a entender que, se quisesse ser bem-sucedido na academia brasileira, precisaria se enturmar em um dos grupos. “Sou um cara de politização tardia. Demorei a descobrir que não era ortodoxo suficiente para a FGV e nem heterodoxo o bastante para a PUC.”

Dias depois que tivemos esse diálogo, procurei Bacha para comentar o assunto. Ele riu. “Tenho visto ele falar essas coisas por aí, mas acho surpreendente, porque ele nunca nem sequer tentou o tempo integral. Até porque, para isso, precisaria publicar artigos, escrever textos para discussão, e ele não demonstrou disposição. Simplesmente não participa dos debates. Tenho convidado ele para vir aos eventos na Casa das Garças [centro de estudos de extração liberal administrado por Bacha], mas ele nunca vem. Talvez porque queira ser palestrante.”

O economista ainda vivia das aulas aqui e ali quando, segundo conta, recebeu no início dos anos 80 uma proposta que considerou irrecusável: lecionar na Universidade do Chile. O salário de 10 mil dólares mensais, mais passagens pagas para o Brasil uma vez por ano, era mais do que ganhava aqui, somando todos os seus empregos. A ditadura de Augusto Pinochet estava a todo vapor, e a universidade vivia sob intervenção militar. Economistas de Chicago haviam sido convidados pelo regime a implementar uma política econômica liberal, baseada nos fundamentos da economia de mercado defendidos por Milton Friedman. Chamados de Chicago boys, eles se instalaram na universidade e se revezaram em cargos no governo. O convite a Guedes partiu de um deles, Jorge Selume, então diretor da Faculdade de Economia e Negócios e diretor de Orçamento de Pinochet.

Quando o questionei pela primeira vez a respeito disso, Guedes rechaçou a associação com a ditadura chilena. “O Bacha dava aulas aqui na PUC durante a ditadura e ninguém fala nada.” Comentei que havia uma diferença importante: a Universidade do Chile era dirigida por um general, e a PUC, não. Ele ficou sem jeito. Mas afirmou: “Eu sabia zero do regime político. Eu sabia que tinha uma ditadura, mas para mim isso era irrelevante do ponto de vista intelectual.”

Guedes decidiu abandonar o Chile quando encontrou agentes da polícia secreta vasculhando o apartamento onde morava. Na mesma época, um terremoto abalou Santiago, o que deixou aterrorizada a sua mulher, Cristina, grávida da única filha do casal. De volta ao Rio, não se acertou com as universidades. “Percebi que havia uma mancha terrível sobre mim. Aí eu comecei a ver que a política é uma ferramenta suja nas mãos dos menos aptos.” Abrigou-se primeiro na Fundação Centro de Estudos de Comércio Exterior, a Funcex, entidade sem fins lucrativos. Em seguida, foi para outro centro de estudos, o Instituto Brasileiro do Mercado de Capitais (Ibmec), bancado pelo governo e por instituições financeiras. Articulado, passou a participar de debates, seminários e palestras, e logo se tornou fonte recorrente de jornalistas – já, então, criticando políticas de interferência do Estado na economia. Era sempre incluído na agenda das missões do Fundo Monetário Internacional, o fmi, no Brasil. Até que, em 1983, foi convidado pelo financista Luiz Cezar Fernandes para fundar o Pactual, que começou como uma pequena distribuidora de títulos e ações. Tornou-se sócio e estrategista-chefe, assinando um boletim sobre economia, no qual fazia projeções quase sempre ácidas e muitas vezes certeiras. Nesses boletins criticou o controle de preços e, mais tarde, o Cruzado, que, para ele, não passava de uma “anestesia”, pois atacava a inflação sem combater o desequilíbrio nas contas públicas. Do outro lado, comandando o plano, estavam ex-colegas de PUC: Bacha, Persio Arida e André Lara Resende – hoje economista da candidata Marina Silva, da Rede –, além do paulistano Luiz Carlos Mendonça de Barros, a quem se atribui a adoção do apelido Beato Salu.

A antipatia não demoraria a virar briga. No final de 1985, os diretores do Pactual foram ao gabinete de Mendonça de Barros, na sede carioca do BC, pedir que ele assinasse a autorização para a gestora se transformar em banco de investimento. Os requisitos técnicos já haviam sido preenchidos, mas Mendonça de Barros não assinava os papéis, como me contou Luiz Cezar Fernandes, enquanto tomávamos café numa livraria do Centro do Rio. “O Mendonça de Barros disse que só morto daria a carta de banco de investimento, e o Paulo ficou furioso. Não fosse o Luis Octavio da Motta Veiga, que era presidente da CVM [Comissão de Valores Mobiliários], tinham partido para as vias de fato.” Motta Veiga lembra apenas vagamente do episódio, mas Guedes ainda o tem vivo na memória. “Fui para cima. Quer dizer que, quando eu criticava o Delfim, não tinha problema. Mas na vez deles não podia? Eu tinha a fúria dos justos.” A solução para o impasse viria só um ano depois. “Felizmente, o Mendonça de Barros teve uma crise renal, foi internado, e os técnicos do BC deram a autorização. Quando ele voltou e viu que tínhamos conseguido, quis matar a gente”, contou Fernandes. Mendonça de Barros não quis dar entrevista.

Na mesma época, o ministro da Fazenda, Dilson Funaro, mandou que o Banco Central cortasse a verba do Ibmec e exigiu a demissão de Guedes. Mais uma vez, Motta Veiga entrou em campo e foi falar com o ministro. Funaro manteve parte da subvenção, mas a reduziu drasticamente.

Quando se pergunta a Guedes se as brigas do passado deixaram mágoa, ele primeiro diz que não. “Fiquei rico, fui muito feliz. Sou o único economista que ficou conhecido sem nunca ter passado pelo governo.” E tenta manter-se no terreno da ironia: “Hoje, sabendo das aspirações políticas e do viés ideológico que todos tinham, sinto até gratidão. Eles me expulsaram para o lugar certo.” Mas não resiste: “Eu sei que eles dizem por aí que eu sou ressentido. Isso é coisa da Elena Landau [ex-diretora de privatização do BNDES no governo FHC e ex-mulher de Persio Arida], que tomou pau na minha disciplina no mestrado. No meu curso, ela foi medíocre.”

Fui ouvir Landau. Ela disse que a versão não confere e me mostrou seu histórico escolar, onde consta que ela foi aprovada. “Isso nunca existiu, eu passei na disciplina dele! O Paulo é que era um péssimo professor. Faltava às aulas, não corrigia os exercícios e depois queria aplicar as provas com o conteúdo dos exercícios que ele não tinha corrigido! Eu queria estudar, mas ele não ia à faculdade. Então organizei uma mobilização e o tirei da PUC.” Guedes diz que saiu da PUC porque quis. “Aquilo é uma patota. Eles se movem juntos, vão para o governo juntos. É um modo de viver que deu certo, porque estão todos bem e ricos.”

Comentei que sua ida para um eventual governo Bolsonaro seria uma forma de ele, Guedes, tirar a prova dos nove com a turma da PUC. A sugestão lhe soou ofensiva e, exaltado, ele quase encerrou a entrevista. “Não tenho nada que provar, eles é que vieram para onde eu estava! Eu não estou indo à forra, eles é que estão levantando esse troço! Esses caras estão acostumados a mandar no Brasil sem contestação. Fizeram uma reserva de mercado e fecharam a academia para mim. Agora querem vir me atacar?! Ora, tenham integridade intelectual, digam onde erraram, onde revisaram suas posições e não encham meu saco!” Guedes gesticulava, ansioso: “Esse negócio de prova dos nove não existe! Se eu souber que todos pensam assim, sabe o que eu faço? Eu ligo o foda-se!”

 

Persio Arida é baixinho, tem olhos claros, o nariz aquilino e cabelos grisalhos rareando no alto da cabeça. Meticuloso, fala pausadamente, como quem quer ter certeza de que foi compreendido. Além de ter sido um dos elaboradores do Cruzado e do Real, foi também executivo do banco Opportunity e do BTG Pactual, onde ficou de 2008 a 2017. Em fevereiro passado, tornou-se o coordenador do programa de governo de Alckmin. No final de maio, em uma entrevista à InfoMoney TV, uma emissora de tevê online, ele falou sobre a adesão de Paulo Guedes a Bolsonaro. “As pessoas se enganam. Acham que o Bolsonaro estava andando na estrada de Damasco, teve uma iluminação divina e se tornou liberal porque conversou com Paulo Guedes. Bolsonaro é um engodo. Ele é tão estatizante quanto a esquerda.” A frase fez sucesso no mercado financeiro, e Arida a repetiria também em nossa conversa no café de um hotel dos Jardins, em São Paulo.

“O que o Paulo Guedes não entende é que o problema do Brasil não é ter um bom economista aconselhando o presidente, é ter um presidente com as ideias certas”, disparou, logo que se sentou, sem se interessar em pedir nem sequer uma garrafa d’água. Tinha pressa para falar tudo antes do seu próximo encontro, que ocorreria no mesmo café, com diplomatas estrangeiros. “Nessa ideia de educar presidente, de fazer acertos com presidente, eu tenho muito mais experiência do que ele. O presidente diz para o economista que está convencido e, no final, acaba fazendo outra coisa. Quem manda é ele, e ao economista só resta ir embora”, falou Arida. Ele contestou a sugestão de que não quisesse promover ajuste fiscal durante o governo Sarney. “Você conversa com o presidente e diz: ‘Vamos fazer um ajuste fiscal, acertado?’ Ele diz: ‘Acertado.’ E depois não faz. Você diz: ‘Vou fazer um congelamento por três meses, e depois libera.’ O Cruzado era isso, seguir a experiência israelense, que foi um congelamento breve, seguido de ajuste fiscal. O Sarney concordou, só que não adiantou. O Cruzado não durou três meses. Durou muito mais, porque tinha eleição.”

Perguntei a Arida se ele achava que houve mesmo discriminação contra Guedes no meio acadêmico. Ele discordou. “Havia diversos outros economistas vindos de Chicago nas universidades brasileiras, e todos bem-sucedidos. O problema não está nem na FGV nem na PUC. Está nele. O Paulo não tem vocação acadêmica. Ele tem vocação empresarial e para polemista. Nem sei por que ele quer tanto isso”, disse, ironizando a obsessão do colega com o governo. O tucano encara os apupos de Guedes de forma pragmática. “Vejo oportunismo nessas falas. O Bolsonaro quer disputar a eleição com o PT, e para isso é preciso desqualificar o Alckmin. Então ele fica dizendo que o Alckmin é de esquerda e que eu não sou liberal. Simples assim.” Segundo Arida, desde abril, quando o rival deu uma entrevista para O Estado de S. Paulo dizendo que “o cara fez o Cruzado e devia ter vergonha”, ele cogitou responder, mas amigos o fizeram desistir. Agora, mudou de ideia. “Ele continua me atacando, em vez de discutir propostas.”

Contei a Arida que, em Fortaleza, diante de empresários, Guedes havia afirmado que ele havia saído do Banco Central por ter vazado informações. “Eu saí porque não concordava com o câmbio fixo proposto pelo Gustavo Franco, da mesma forma que ele, Guedes. Quem me acusou foi o Delfim Netto, que nunca apresentou prova de nada. Um trio de petistas representou contra mim, o Ministério Público abriu investigação e depois arquivou por falta de provas. É um mau-caratismo querer ressuscitar esse episódio agora.”

Arida não foi o único com quem Guedes se indispôs desde que começou a assessorar Bolsonaro. Em meados de junho, chateou vários de uma vez só, ao dizer ao jornalista José Fucs, do Estadão, que procuraria economistas “reconhecidos por respeitar os bons fundamentos de mercado” para discutir o programa de governo. E mencionou alguns nomes, entre eles os de Armínio Fraga e Gustavo Franco, ex-presidentes do BC na era tucana, Fabio Giambiagi, do BNDES, Samuel Pessôa, do Ibre-FGV, Marcos Lisboa, presidente do Insper, e Maria Silvia Bastos Marques, presidente do Goldman Sachs no Brasil e ex-presidente do BNDES. Vários dos citados não gostaram de ter seus nomes ligados ao ex-capitão. A maioria preferiu não fazer comentários públicos, mas um deles decidiu falar. Marcos Lisboa procurou o jornalista e disse que não conversaria com Paulo Guedes. “Eu converso com todo mundo, desde que a pessoa não ache que a Venezuela é uma democracia ou defenda fechar museu porque lá dentro tem peladão”, afirmou Lisboa a Fucs, em tom de troça. Depois disso, o jornalista informou a Guedes que tiraria o nome de Lisboa da nota. Guedes se irritou. Daquele momento em diante, passou a mandar mensagens indignadas para o presidente do Insper por intermédio do jornalista. “O Lisboa trabalhou para o Lula, que defendeu a ditadura do Chávez e do Fidel. E trabalha para o Claudio Haddad, que colaborou diretamente no Banco Central da ditadura”, dizia uma das mensagens.

Haddad, fundador do Insper e presidente do Conselho Deliberativo dessa instituição de ensino superior, é outro personagem de quem o conselheiro de Bolsonaro não guarda boas lembranças. Haddad também é doutor pela Universidade de Chicago e foi diretor de política monetária do Banco Central no governo Figueiredo e diretor-superintendente do Banco Garantia, que no final dos anos 90 foi vendido para o Credit Suisse, depois de pesadas perdas. Em 1999, Guedes o procurou para propor que, juntos, comprassem o Ibmec, que vinha enfrentando dificuldades financeiras. Pagaram 2,9 milhões de reais pela escola, mas a sociedade só durou quatro anos. Em 2003, os dois se desentenderam. Guedes queria investir no modelo de faculdade com cursos de MBA executivo, e Haddad queria uma escola nos moldes das universidades americanas, com investimento em pesquisa e doações de instituições e pessoas físicas. Diante do impasse, recorreram a um dispositivo do acordo societário, segundo o qual, em caso de divergências, um deveria comprar a parte do outro. Guedes até tentou comprar a parte de Haddad, com a ajuda de um fundo estrangeiro. Mas acabou vendendo sua fatia por cerca de 30 milhões de reais e saiu do Ibmec – que, sob a direção de Haddad, dividiu-se em dois. As escolas do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte continuaram com o nome Ibmec, mantiveram os cursos de pós-graduação e MBA e, em 2015, foram vendidas por 700 milhões de reais para o grupo americano DeVry. A unidade de São Paulo virou o Insper, e se transformou em uma instituição sem fins lucrativos.

Nas mensagens que enviou a Marcos Lisboa, Guedes ressuscitou o episódio. “Eu fundei a escola que ele dirige, mas eu pagava impostos. Eles a transformaram em escola de garotos ricos sem fins lucrativos.” Ao me contar o caso, em julho, acrescentou: “Se uma instituição é muito rica e não paga imposto, eu chamo de ‘pilantrópica’. Enquanto o filho da empregada estuda na Kroton e paga imposto, a elite paulistana estuda num lugar que é instrumento de agravamento da má distribuição de renda. Por que subsidiar a educação do rico e taxar a educação do pobre?”

Dias depois dessa conversa, telefonei para Lisboa. Ele confirmou ter recusado o convite para conversar sobre o plano de governo de Bolsonaro, mas preferiu defender o Insper a comentar as mensagens recebidas no WhatsApp. “O Paulo está falando sem conhecer o que se passa na escola, o que não me surpreende”, disse. “Nós nos recusamos a ser entidade filantrópica, que tem várias isenções de impostos. Nossos funcionários têm carteira assinada, pagamos direitos trabalhistas. Só não pagamos imposto de renda porque não temos lucro. Reinvestimos tudo o que ganhamos em ensino, pesquisa e bolsas de estudos.” Segundo Lisboa, a escola dá bolsas a cerca de 250 alunos de baixa renda, incluindo moradia e ajuda para despesas. Claudio Haddad não quis dar declarações. “Prefiro não comentar o que o Paulo diz”, afirmou.

 

Não tivesse se tornado o guru de Bolsonaro, Paulo Guedes poderia ser confundido com um personagem de novela de Manoel Carlos. Sua rotina se desenrola quase toda no Leblon, onde mora há mais de vinte anos, a 900 metros da sede da Bozano Investimentos. De manhã, caminha pela orla e depois vai para o escritório, onde fica até tarde da noite. Tem na garagem um carro importado, mas, se precisa se deslocar pela cidade, usa táxi ou Uber, pois considera mais prático. Veste sempre paletó de tweed marrom, meio desalinhado, gosta de tocar piano e de jogar futebol, viaja mais a trabalho do que a lazer e bebe pouco, com poucos amigos. Apesar de respeitado no mercado financeiro, nunca atingiu grande notoriedade fora dele.

Seu engajamento na candidatura de Bolsonaro mudou tudo isso. Memes e vídeos celebrando Guedes são agora frequentes nas redes sociais dos bolsonaristas, e, nas ruas, já há quem o pare para fazer uma selfie ou apenas para cumprimentá-lo. Em nosso último encontro para essa reportagem, no final de agosto, um transeunte fez questão de apertar suas mãos, em frente ao prédio da Bozano. “Parabéns por suas ideias”, disse.

A Bozano é a quarta gestora de Guedes desde que ele deixou o Pactual, em 1998. No ecossistema das finanças nacionais, não chega a ser das maiores. Tem 3 bilhões de reais sob gestão, distribuídos em quatro fundos. Sua missão é investir em empresas que tenham potencial de abrir capital na Bolsa, ganhando com a valorização. Depois de um tempo investindo em educação, os esforços se voltaram para aquisições na área da saúde, comprando hospitais e escolas de medicina.

No Pactual, Guedes construiu uma carreira de sucesso. Por ocasião do Plano Real, a despeito de suas ressalvas à política econômica de FHC, concluiu que, pelo menos no primeiro momento, as coisas iriam dar certo. Orientou a equipe do banco a emprestar dinheiro em dólar para aplicar em papéis atrelados à valorização do real. Foi uma de suas muitas “porradas”, jargão que se usa no mercado quando alguém ganha dinheiro grosso. O próprio Guedes afirma que, graças ao bom desempenho, recebia todos os anos o maior bônus individual pago pelo banco. Ele é arredio a falar do valor que pôs no bolso, mas sabe-se que, diferentemente de outros ex-sócios no Pactual, como André Esteves ou Gilberto Sayão, não entrou para o time dos bilionários. Três desses sócios calculam que Guedes tenha acumulado, em sua passagem pelo Pactual, algo em torno de 150 milhões de dólares, em valores da época. Ao deixar a empresa, montou junto com o ex-Pactual André Jakurski a gestora de recursos JGP – sigla para Jakurski, Guedes & Partners. Não funcionou.

Guedes combinou com os parceiros que se dedicaria principalmente a cuidar do próprio dinheiro. Ficava a maior parte do tempo mergulhado no day trade – modalidade mais arriscada de negociação de papéis, pois os resultados têm de ser apurados sempre no final do dia. Como as variações diárias dos índices costumam ser pequenas, quem faz day trade em geral precisa aplicar muito dinheiro para lucrar uma quantia significativa. Quem perde, porém, precisa cobrir o rombo na hora, sem ter a chance de esperar o mercado “virar”. Por isso, os operadores de mercado costumam se referir ao day trade como um cassino, no qual faro e sorte têm peso decisivo. Guedes já fazia day trade no Pactual e continuou na JGP, onde isso virou para ele uma verdadeira obsessão. Passava o dia todo pendurado no telefone, comprando e vendendo – e, na maior parte das vezes, perdendo muito dinheiro (dois dos ex-sócios com quem conversei estimaram o prejuízo de Guedes nessa época em 20 milhões de reais). Quando o questionei a respeito, em julho passado, ele se recusou a falar em valores e ficou tenso. Disse que, sim, perdia muito, mas que também obtinha ganhos polpudos. E que, desde o início, todos na JGP sabiam que ele estava lá para um “sabático”.

“Aquilo foi um experimento. Eu queria dominar o trade, porque o trade são seus próprios demônios. É o cara que acha que caminha sobre as águas e, de repente, se ferra.” Preocupados com o comportamento e as perdas, sócios e colegas insistiram para que Guedes desse um tempo. Mas ele só parou mesmo quando acabou o dinheiro reservado para o “experimento”. Chamado a colocar mais recursos na sociedade, preferiu sair.

O episódio afastou Jakurski e Guedes e ajudou a encher mais um pouco o pote de mágoas do conselheiro de Bolsonaro. Ele, porém, diz que os dois nunca brigaram. “Éramos tão amigos que Jakurski batizou o filho com o meu nome. Depois, como eu não fiz o que queriam, começaram a dizer que eu tinha pirado, que era um sócio difícil. Partiram para o assassinato de reputação.” Jakurski não quis falar com a piauí.

 

“Senhora Malu”, disse uma voz com forte sotaque sírio do outro lado da linha. “O senhor Paulo é um ótimo sócio. Muito bom e muito correto. Quero que isso fique registrado aí”, disse ao telefone o empresário Elie Horn, fundador da incorporadora Cyrela, sócio de Guedes desde 2017 em um fundo da Bozano Investimentos destinado à saúde. Self-made man conhecido pelo tamanho de sua riqueza (é o 41º brasileiro na lista de bilionários da revista Forbes), pela dedicação à filantropia e pela aversão à autopromoção, Horn retornava a minha ligação a pedido do próprio Guedes.

Quando eu disse a Guedes que vários de seus ex-sócios e funcionários haviam destacado seu temperamento difícil, o economista ficou preocupado e passou a listar nomes de pessoas que pudessem dar um depoimento positivo a seu respeito. Ligou para alguns deles e pediu que me procurassem. Horn, de 74 anos, foi um dos que atendeu ao pedido. “O Paulo é um grande gestor, e eu estou muito satisfeito com os resultados do nosso investimento”, disse o bilionário, que semanalmente se reúne com o economista na sede da Bozano. Aproveitei a oportunidade e perguntei se ele também pretendia votar em Bolsonaro. “Não falo sobre política. Não me arrume mais problemas do que já tenho.”

Filho de um vendedor de material escolar com uma servidora pública do irb, o Instituto de Resseguros do Brasil, Paulo Guedes chegou à juventude sonhando ser “o melhor economista do mundo” – o que, segundo ele, não significava ganhar prêmios, mas sim “absorver todo o conhecimento do mundo”. Hoje ele se diz satisfeito. “Formação melhor que a minha ninguém teve.” Talvez por isso, um dos poucos assuntos que o mobilize tanto quanto os rivais da PUC são os triunfos que diz ter obtido nos duelos intelectuais.

Um deles foi com o economista francês Thomas Piketty, na USP, em 2014. Piketty estava no auge da fama, após publicar o best-seller O Capital no Século XXI, sobre a concentração de renda nos países ricos. Embora tenha sido muito bem recebido, o livro também sofreu críticas, sobretudo de economistas de orientação liberal. No embate com Piketty, Guedes contestou a tese do francês, defendendo que a entrada de bilhões de asiáticos no capitalismo aumentou a renda per capita e diminuiu a desigualdade nesses países – o que afetou toda a economia global. “Eu falei com o Piketty, escolha as armas. Ele sorriu, mas viu que tinha um negócio indigesto pela frente. O André Lara Resende [que também estava no debate] se escondeu debaixo da mesa e ficou vendo o pau comer. No final, os estudantes foram ao delírio, dizendo: ‘O nosso Piketty é melhor que o deles!’”

 

Se há algo que incomoda Paulo Guedes é responder a perguntas sobre a agenda de Bolsonaro para além da economia. Drogas, segurança pública ou golpe militar são assuntos sobre os quais ele tergiversa. É preciso insistir para obter uma resposta menos evasiva. Nas duas entrevistas em que lhe perguntaram sobre a admiração de Bolsonaro pela ditadura e pelo coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, que chefiou o DOI-Codi, o economista evitou dar sua opinião. Respondeu apenas que, segundo o ex-capitão, Ustra não foi torturador. Quando viu as declarações publicadas, tanto na Folha como no Valor Econômico, ficou indignado. “Eu digo que foi o Bolsonaro que me falou e eles escrevem que eu apoio a ditadura.”

Perguntei sobre as declarações de Bolsonaro a respeito do jornalista Vladimir Herzog, cujo cadáver foi encontrado pendurado pelo pescoço em uma cela do DOI-Codi, em 1975. Na época, os militares trataram o caso como suicídio, mas, três anos depois, a Justiça Federal admitiu que ele morreu vítima de tortura. Ao falar sobre o episódio, recentemente, Bolsonaro não encampou a explicação. Disse que lamentava a morte e completou: “Suicídio acontece, o pessoal pratica suicídio.” Guedes apenas concedeu, antes de mudar rapidinho de assunto: “Isso aí não dá para elogiar.”

Ao mesmo tempo que se incomoda com o pacote completo de Bolsonaro, Guedes ressalta que, na primeira conversa entre eles, o candidato fez questão de falar dos pontos-chaves de seu discurso. Houve afinidades insuspeitas entre eles. “Foi aí, nos valores, que eu comecei a entender quem era o cara”, disse Guedes, emendando: “Não existe mais lei, não existe mais ordem. O Brasil virou uma zorra. O político rouba e não acontece nada. O black bloc rouba e não acontece nada. O MST quebra sua casa com um trator, faz o que quer, e não acontece nada. Nenhum político fala isso. São covardes. Têm medo do MST.” Quando perguntei se ele era a favor ou contra a proposta de facilitar o acesso da população às armas de fogo, Guedes respondeu que a ideia não o assusta: “Eu morei nos Estados Unidos durante quatro anos, lá todo mundo tem arma.” Insisti: “Mas o senhor é a favor ou contra o projeto?” “Não sei. No campo, eu acho que o cara precisa. Se morasse no campo e tivesse um pessoal querendo invadir minha casa, eu queria ter uma metralhadora”, afirmou.

Mais à vontade quando a conversa se encaminha para a seara da educação, Guedes disse que “hoje se fala muito sobre política para crianças nas escolas. Eu posso entender quando Bolsonaro diz que a esquerda está deformando a qualidade do ensino. Ensinar uma ideologia obsoleta, destruidora de riqueza, desagregadora socialmente para uma criança é uma mutilação”. Num de nossos encontros, no Gávea Golf Club, ele me mostrou um vídeo em que crianças sem-terra cantam músicas que exaltam a revolução enquanto marcham. “Você acha isso normal? Usar o dinheiro do Estado para ensinar as crianças a fazer revolução?”

O economista acredita que o debate sobre segurança pública também está contaminado pela “ideologia”. “Mataram a moça aí, e ficam ‘Marielle, Marielle, Marielle!’ Quando morre uma pessoa e fica todo mundo falando, eu suspeito. Não sou idiota. Se morrem 300 pessoas no Rio de Janeiro e você segue apenas uma, eu suspeito que tem algo por trás, que querem fazer alguma coisa com a morte dela.” Pergunto o que ele acha que querem fazer com a morte da vereadora Marielle Franco. “Tem alguma finalidade. A morte de alguém de esquerda é uma tragédia, a de alguém de direita que se foda? Desculpa, eu sou cientista social, e observo. Eu não entro onde eu não entendo, mas também não compro coisa furada.”

Ao longo de oito semanas de conversas, não foram poucas as vezes que Guedes se inflamou ao criticar a esquerda, a imprensa ou os economistas de candidaturas rivais. Ao mesmo tempo que parece apreciar seu novo papel, o guru de Bolsonaro se diz discriminado. Recusa qualquer sugestão de que queira ir para o governo só por um projeto pessoal ou de que suas propostas sejam mirabolantes. E afirma que só vai para o Planalto se tiver poder para colocar as suas ideias em prática.

Em todas as nossas conversas, ameaçou abandonar o barco. Da última vez que nos encontramos, ele se impacientou mais uma vez, depois de várias perguntas sobre o plano de governo de Bolsonaro. “Quer saber de uma coisa? Se não der para fazer o negócio bem feito, que valha a pena, para quê eu vou? Ficar escutando essas merdas que estão falando? Você acha que eu quero isso? Eu estou arrumando inimigos. Agora está todo mundo se odiando. Sabe o que é isso? É paixão política. Vocês da mídia se aproveitam.” Ponderei que a imprensa está apenas reproduzindo o que ele e os adversários dizem, e que lidar com jornalistas faz parte do pacote. Ele respondeu, enfastiado: “Eu não quero esse pacote para mim.” Provoquei: “Então posso escrever que você desistiu?” Guedes riu, irônico. “Esse é o sonho de todo mundo, todo mundo quer foder o Bolsonaro. Mas esse prazer eu não dou. Só depois que ele for eleito.”

O fiador

Leia também

Últimas Mais Lidas

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

Lacrou: não entra mais nome novo na urna

Se um candidato morrer ou desistir, sua cara e seu número continuarão aparecendo na tela; TSE fechou os registros e diz que não muda mais

A nossa hora mais escura

O legado de trinta anos de democracia está em jogo nesta eleição

Bolsonaro e Haddad vão ao JN, bombam no Twitter e crescem

Jornal Nacional foi evento mais tuitado das campanhas dos candidatos do PSL e do PT; apresentadores viraram o assunto após as entrevistas

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

Aluguel do PSL custa R$ 1,8 milhão à campanha de Bolsonaro

Ex-presidente do partido, Luciano Bivar recebeu sozinho, até agora, 28% dos gastos da cúpula nacional da sigla que cedeu ao ex-capitão

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

1

SUS salva Bolsonaro por R$ 367,06

Pago pelo sistema público brasileiro, cirurgião de veias e artérias de Juiz de Fora é tirado de almoço de família para achar e conter hemorragia no candidato

2

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

3

Aluguel do PSL custa R$ 1,8 milhão à campanha de Bolsonaro

Ex-presidente do partido, Luciano Bivar recebeu sozinho, até agora, 28% dos gastos da cúpula nacional da sigla que cedeu ao ex-capitão

4

Ciro queima pontes com o Exército

Cúpula militar reage à declaração do candidato de que general Villas Bôas “pegaria uma cana” por falar de política; de “bom quadro”, pedetista vira “insensato”

5

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

6

Paulo Guedes contra o liberalismo

A história mostra que uma onda de ódio só chega ao poder quando normalizada

7

Restam três para uma

Haddad, Ciro, Alckmin e a vaga contra Bolsonaro

8

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

9

O mínimo e o justo

Menos Estado gera mais justiça social?